Quem serão os novos Charles Leclerc, George Russell e Lando Norris que tomarão conta das pistas da F1 e das principais categorias do automobilismo mundial no futuro? Para tentar responder a essa pergunta, todos os anos aponto aqui no World of Motorsport cinco pilotos para ficarmos de olho na nova temporada.

Meu objetivo nunca é falar nomes óbvios como Felipe Drugovich ou Christian Lundgaard – favoritos ao título da F2 – (até porque eles também já foram assunto desta lista em anos anteriores). A ideia é destacar quem está saindo do kart ou dando os primeiros passos na carreira.

Às vezes costumo acertar. Por exemplo, na lista do ano passado, eu havia colocado Gabriele Mini, que acabou sendo o campeão da F4 Italiana. Também tinha citado Caio Collet, que foi o vice da F-Renault Eurocup lutando pela taça até o fim, e David Vidales, que chegou como um raio na mesma categoria e venceu logo sua corrida de estreia nos monopostos.

Do restante da lista, Gabriel Bortoleto ganhou uma das corridas da F4 Italiana, embora se esperasse mais dele em seu primeiro ano nos carros de fórmula.

Os outros dois deixaram a desejar: Christian Eckes passou em branco em sua temporada de estreia na Nascar Truck Series e não teve seu contrato renovado pela equipe de Kyle Busch, enquanto Luca Engstler não decolou no WTCR e foi somente o 16º na tabela.

Dito isso e esperando um pouco mais de sorte nesta temporada, vamos aos cinco pilotos em que devemos ficar de olho em 2021:

5) Taylor Barnard

Protegido de Nico Rosberg, este jovem piloto britânico foi um dos destaques no kartismo nos últimos anos, tendo conquistado resultados como o vice-campeonato mundial, em 2019, na divisão OKJunior, e o vice europeu em 2020, na OK.

Barnard começou sua transição para os monopostos no fim do ano passado, tendo participado de três rodadas da F4 Italiana, mas somando pontos em apenas uma das baterias.

O problema foi que ele correu pela equipe AKM, que não tem um bom equipamento e costuma moer a carreira de seus pilotos. Fica a expectativa para ver se em 2021 ele trocará de escuderia em busca de melhores resultados.

4) Kiko Porto

foto de Kiko Porto

A USF2000 não costuma ser uma categoria tão fácil para novatos. É comum alguns pilotos ficarem dois ou três anos nela de olho em acumular experiência e lutar pelo título para garantir a bolsa para subir para a Indy Pro 2000.

Mas em seu primeiro ano no certame, o pernambucano se destacou. Conquistou duas poles, uma vitória e outros três pódios, fechando o ano em décimo no campeonato. E olha que ele ficou de fora de cinco corridas. Duas por causa das fronteiras fechadas e três porque ele próprio contraiu a doença. Imagina como poderia ter sido se ele tivesse tomado parte de todas as provas.

Em 2021, ele renovou o contrato com a equipe DEForce, a mesma que defende desde que fez a transição do kartismo para os monopostos. A escuderia ainda não está entre as grandes da USF2000, mas os resultados de Porto em 2020 mostraram que se trata de um time promissor e com chances, sim, de lutar pelo título.

Apesar de ainda faltar boa parte do grid ser anunciada, os principais adversários do brasileiro devem ser o americano Christian Brooks, que começou a carreira no rallycross, e o fenômeno Thomas Nepveu, do Canadá.

3) Louis Foster

Euroformula Open, Louis Foster, F3, Fórmula 3, jovens promessas

O ano de 2020 não foi de todo ruim para este britânico de 17 anos de idade. É verdade que foi apenas o quarto colocado na F3 Inglesa, um campeonato que não é tão forte assim. Mas ele foi o melhor novato na classificação, tendo acumulado três vitórias..

Mas seu principal destaque veio na Euroformula Open, onde correu nas últimas etapas e venceu logo na estreia, em Spa-Francorchamps.

O problema da Euroformula é que a categoria é dominada por uma única equipe: a Motopark. Para se ter ideia, das 18 provas realizadas em 2020, em 16 um piloto da esquadra alemã subiu no degrau mais alto do pódio. Uma das exceções foi justamente Foster, que defendia a Double R.

Mas, para 2021, Foster está entre os cotados para defender a Motopark e, caso o acordo realmente saia, ele é desde já um dos favoritos ao título.

BÔNUS: John Hunter Nemechek

Não sei se vale colocar aqui um piloto que já chegou à principal divisão da Nascar. Pela dúvida, John Hunter Nemechek entra como um bônus, fora do top-5.

Escolhi o americano por dois motivos. O primeiro é que ele tem somente 23 anos de idade, e na Nascar é comum os competidores correrem até bem depois dos 40. Então ele não deixa de ser um jovem piloto.

E o outro é que ele ainda não estourou. Sua primeira temporada na Cup Series, em 2020, foi pela Front Row, uma das menores escuderias da categoria. Tanto que ele foi somente o 27º na tabela de pontos. Em 2021, Nemechek decidiu voltar para a Nascar Truck Series, tendo assinado contrato com a equipe de Kyle Busch, que resolveu reformular seu plantel e estava de olho em um nome mais experiente para liderar a empreitada

2) Paul Aron

Paul Aron, F-Renault Eurocup, 2020, ART, Mercedes Junior Team

Prestes a completar 17 anos de idade, o jovem da Estônia começa 2021 precisando mostrar a que veio. Ele integra a academia de jovens pilotos da Mercedes, conhecida por levar seus representantes até à F1, mas ainda não conseguiu se destacar.

Seu melhor desempenho até agora foi em 2019, em seu primeiro ano nos monopostos, quando terminou a F4 Italiana na terceira colocação com duas vitórias. No ano passado, em sua estreia na F-Renault Eurocup, foi apenas o 11º, com um único pódio conquistado, muito atrás de nomes como Vidales e Franco Colapinto, que também eram novatos no certame.

Assim, se quiser se manter nos planos da Mercedes, é bom Aron ter um ótimo 2021. E a boa notícia é que ele é um dos cotados para correr pela poderosa equipe Prema na nova versão da F-Regional.

1) Dennis Hauger

Dennis Hauger, F3, Fórmula 3, Prema, 2021, Red Bull Junior Team, jovens promessas

Hauger é o favorito para ser campeão da F3 em 2021 e dá até para dizer que o título é obrigação. Afinal, ele integra o Red Bull Junior Team, já tem um ano de experiência no certame e assinou com a Prema, que dominou o campeonato nas últimas temporadas. Além disso, ele deverá ter dois novatos como companheiros.

O que pesa contra ele é que seu primeiro ano na F3 não foi bom. Pela Hitech, que está entre as melhores escuderias, o norueguês pontuou em somente uma das etapas, fechando em um longe 17º lugar na tabela.

Mas estamos falando de alguém que, no ano anterior, foi campeão da F4 Italiana e vice da F4 Alemã com 18 vitórias em 41 corridas, ou seja, que já provou do que é capaz. Resta ver se será o suficiente para garantir a taça para ele.

Você concorda com as minhas escolhas? Se achar que eu esqueci algum nome, basta deixar um comentário abaixo que ele poderá entrar nas próximas listas.

fotos do post: thomas fenetre/dppi/renault sport/divulgação; aci csai/divulgação; kmcom/divulgação; euroformula open/divulgação; nascarking/own work/CC BY-SA 4.0; gregory lenormand/dppi/renault sport/divulgação; dutch photo agency/red bull content pool

Confira os outros textos do especial de fim de ano:
Os melhores de 2020 no automobilismo mundial
As vitórias do Brasil em 2020 no automobilismo
As Agendas da velocidade de 2020
Quiz Autosport 2020
2020 World of Motorsport Rookie of the Year
> 11 anos de World of Motorsport