foto Bruna Tomaselli

Bruna Tomaselli na W Series 2020

A W Series, controversa categoria destinada apenas para mulheres, terá uma brasileira na temporada 2020. Bruna Tomaselli, de 21 anos, foi uma das seis aprovadas no processo seletivo realizado em setembro, na Espanha, e fará parte do grid do ano que vem.

Além das seis novatas, estão garantidas no certame as pilotas que terminaram a temporada inaugural nas 12 primeiras colocações na tabela de pontos. Outras duas participantes ainda serão anunciadas pela organização do campeonato.

Tomaselli chega à W Series com alguma experiência. Nas últimas três temporadas, tomou parte da USF2000, nos EUA, tendo fechado 2019 com a oitava colocação na tabela de pontos e  terminado boa parte das provas entre os dez primeiros. Antes, correu na F4 Sudamericana e na F-Junior, aqui no Brasil.

Já tinha escrito aqui no World of Motorsport que considerava um erro a W Series não ter selecionado uma brasileira para sua temporada inaugural – mas sem questionar o processo seletivo do certame.

O motivo é que a o Brasil tem a maior audiência do mundo inteiro na F1, e os números de espectadores por aqui tem aumentando ano após ano, mesmo após a aposentadoria de Felipe Massa. Ou seja, ter uma pilota do país era a chance de a W Series tentar surfar nesse interesse pelo automobilismo e descolar bons acordos de transmissão – e talvez de anunciantes.

Sem uma representante do país em 2019, a categoria ficou escondida no terceiro canal da Espn – que não está disponível nos pacotes mais básicos da TV paga – e a cobertura na mídia especializada era praticamente restrita às notícias com os resultados das corridas e ao título de Jamie Chadwick, evidentemente.

Tomara que a situação mude com Tomaselli, e a W Series ganhe mais espaço em 2020.

Novatas na W Series 2020

Junto com a brasileira, entram no campeonato a norueguesa Ayla Agren, de 25 anos de idade, que também fez carreira na USF2000. Aliás, assim como Tomaselli, ela era considerada uma das mais cotadas para ter feito parte do grid da W Series já em 2019, e sua eliminação foi considerada surpreendente.

Abbie Eaton, de 27, que participa de um programa de TV sobre carros no Reino Unido, ficou com a terceira vaga, enquanto os demais postos foi para o trio vindo da F4 Espanhola: Belén García, de 20, Nerea Martí, de 17, e a russa Irina Sidorkova, de 16.

Na comparação, as seis que deixaram a W Series são mais velhas e mais experientes. Shea Holbrook tem 29 anos, Esmee Hawkey fez 21, Naomi Schiff completou 24, Gosia Rdest soma 26 e Caitlin Wood tem 22. A exceção era Megan Gilkes, de 18.

Por apostar em pilotas mais novas e vindas principalmente da F4 e da USF2000 (que equivale à F4 nos EUA), a W Series mostrou a intenção de rejuvenescer o grid em 2020 e servir de caminho para as competidoras que buscam seguir carreira no esporte a motor – ao invés de dar espaço a competidoras já estabelecidas no automobilismo.

Só que a consequência pode ser em 2020 o pelotão acabar dividido em dois grupos: de um lado as estreantes vindas da F4, que não são nova apenas na W Series, mas, sim, no automobilismo como um todo, e do outro veteranas do esporte a motor, como Jamie Chadwick, Beitske Visser, Emma Kimilainen e Alice Powell, com anos de experiência nos mais variados carros de corrida.

E essa divisão, consequentemente, pode prejudicar a competitividade da categoria. Mas aí também cabe ao campeonato fazer o melhor possível para desenvolver suas pilotas tanto para melhorar as disputas na pista como prepará-las para seguir carreira nas principais categorias do automobilismo mundial.

foto Bruna Tomaselli
Bruna Tomaselli fez parte de um grupo de 14 pilotas que participou de testes em Almería na Espanha, de olho em uma vaga na W Series 2020, e foi aprovada – fotos do post: w series/divulgação

Um comentário sobre “Bruna Tomaselli na W Series 2020

  1. Achei muito legal a Bruna ter sido selecionada. Espero que exista mais espaço na mídia para a categoria. Quanto a sua preocupação sobre as corridas ficarem divididas em grupos, isso já aconteceu esse ano, as 6 que deixaram o campeonato sempre ficavam bem longe das ponteiras e em geral a disputa foi dividida em pelo menos 3 grupos a cada corrida. Isso é normal e espero que com o passar dos anos o grid seja formado basicamente por pilotas mais jovens.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s