Qual será o destino de George Russell na temporada 2022 da F1? Será que o britânico vai ser o novo companheiro de Lewis Hamilton na Mercedes ou passará mais uma temporada tentando marcar pontos pela Williams?

Caso Russell de fato saia, a escuderia britânica precisará escolher seu substituto. Não será uma tarefa fácil. Afinal, quem for contratado terá como responsabilidade liderar a Williams em sua busca para voltar ao meio do pelotão da F1, ainda mais agora que a esquadra foi comprada por um grupo de investidores chamado Dorilton Capital.

É inegável que o ritmo da Williams tem melhorado nas últimas corridas, mas todo esse ganho pode ser perdido caso a equipe faça a escolha errada na hora de definir quem será o substituto de Russell.

Sendo assim, confira abaixo quem são os principais candidatos a uma vaga na esquadra britânica na F1 2022:

Vallteri Bottas na Williams em 2022?

Caso Russell seja efetivado na Mercedes, Bottas é quem precisará encontrar um novo lugar para correr. E ir para a Williams seria uma espécie de volta para casa. Afinal, o finlandês estreou na F1 justamente pela esquadra, em 2013, e a defendeu até 2016, quando foi chamado para ser o novo companheiro de Hamilton.

Apesar de ter ficado marcado por não conseguir acompanhar constantemente o ritmo de Hamilton na Mercedes, Bottas é um piloto bastante rápido. É só ver que, pela própria Williams, ele acumulou nove pódios em quatro anos.

Outra vantagem é ser bastante experiente e já ter lidado com a pressão de andar por um time de ponta. De certa forma, deu conta, sendo vice da F1 em 2019 e em 2020. Então poderá lidar com a responsabilidade de liderar uma esquadra do fim do pelotão em busca de dias melhores.

De negativo, está o piloto não ser conhecido pelo arrojo e ter sido derrotado facilmente por Hamilton.

Bottas também é especulado na Alfa Romeo, o que pode complicar o plano de “volta para casa”dele.

Nico Hulkenberg na Williams em 2022?

Assim como Bottas, Hulkenberg também estaria “voltando para a casa” se acertar com a Williams. Foi pelo time britânico que ele estreou na F1, em 2010, e até conquistou uma pole-position.

Com 179 GPs disputados, o alemão é outro que traz experiência como principal diferencial para garantir um lugar no grid de 2022. Além disso, pontuou com frequência ao longo da carreira, andando por Force India, Sauber e Renault, então conhece bem os atalhos para terminar dentro do top-10.

Seu principal problema é que não disputa uma temporada completa da F1 desde 2019, e o tempo afastado e a falta de ritmo podem pesar contra ele. Também não é uma boa opção caso a Williams busque um dia voltar ao pódio.

Guanyu Zhou na Williams em 2022?

Um dos líderes da atual temporada da F2, o piloto chinês é especulado na Williams, uma vez que a Alpine, equipe de cuja academia ele faz parte, já anunciou que terá Fernando Alonso e Esteban Ocon na F1 em 2022.

São mais de 1 bilhão de motivos para que Zhou seja escolhido como substituto de Russell. Essa é a população da China, país que há décadas vem tendo um crescimento econômico impressionante, mas que ainda busca um representante na F1.

Mas pesa contra Zhou não ter tido uma carreira vitoriosa nas categorias de acesso. Já disputou mais de 200 corridas e mal superou dez vitórias ao todo. Um aproveitamento muito baixo, portanto.

Caso forme sua dupla com Zhou e Nicholas Latifi, a Williams corre o risco de repetir o mesmo erro cometido em 2018, quando teve Lance Stroll e Sergey Sirtokin. Com dois jovens pilotos sem experiência nem resultados expressivos, a esquadra interrompeu o crescimento que vinha tendo nos anos de Bottas e Felipe Massa e passou a figurar constantemente na parte de trás do pelotão.

Nyck de Vries na Williams em 2022?

Único piloto a ter sido campeão da F2, mas sem ter subido à F1, De Vries corre por fora em uma eventual vaga na Williams.

Seu principal trunfo em busca dessa promoção é ser titular da Mercedes na Formula E e reserva da montadora alemã na F1.

A marca é parceira da Williams. Fornece os motores e boa parte da traseira do carro à equipe inglesa. E foi por esse acordo que a Mercedes colocou Russell no time britânico nos últimos três anos. De Vries, assim, seria o próximo da fila.

Outro ponto positivo é o bom momento que a Holanda vive na F1, como resultado do efeito Max Verstappen. De Vries poderia aproveitar esse interesse que o país tem pela principal categoria do automobilismo mundial para tentar descolar algum patrocinador.

O lago negativo é a falta de experiência na F1. Foi campeão da F2 em 2019 e desde então se dedicou principalmente à provas de longa duração e aos carros elétricos. Resta ver se esse tempo longe do paddock da F1 poderia comprometer seu desempenho.

Dan Ticktum na WIlliams em 2022?

O polêmico piloto britânico talvez seja a melhor opção para a Williams no caso da saída de Russell.

Muita gente torce o nariz para Ticktum por causa das polêmicas em que ele costuma se envolver com frequência – o britânico já ficou um ano banido das pistas por provocar um acidente enquanto estava na F4 -, mas da mesma forma ninguém nega que ele é talentoso.

No seu currículo, há o bicampeonato do GP de Macau de F3 e o vice da F3 Euro. Para completar o pacote, Ticktum faz parte do programa de desenvolvimento da Williams, então ele já está “em casa”.

Do lado negativo, além do risco elevado de ele se meter em polêmicas, estão a falta de experiência em um F1 (a Williams precisaria esperar ele se adaptar, o que quebraria o bom momento vivido pelo time) e seus pontos fortes serem o oposto dos de Russell.

Enquanto o atual titular é muito veloz nas classificações, mas costuma andar para trás nas corridas, Ticktum é o piloto com melhor ritmo de corrida na F2 em 2021 e é conhecido por ter uma pilotagem mais suave, que exige pouco dos pneus, de forma similar à Sergio Pérez.

E para você quem deveria ser o principal piloto da Williams na temporada 2022 da F1?

foto do topo: alpine/divulgação

George Russell, Williams, 2022, F1, Fórmula 1, mercado de pilotos, Mercedes
Quem será o substituto de George Russell na temporada 2022 da F1? – foto: lukas raich/own work/CC BY-SA 4.0