Sergio Sette Câmara, brasileiro, Formula E, 2021, Dragon, Penske

O que esperar dos brasileiros na Formula E 2021?

Lucas di Grassi e Sergio Sette Câmara, em momentos opostos da carreira, iniciam a temporada 2021 da Formula E, em Ad Diriyah, como os dois representantes do Brasil no grid.

Enquanto um é um dos pilotos mais vitoriosos do país nos últimos anos, mas que busca se recuperar após um 2020 abaixo do esperado, o outro tenta fazer sua carreira deslanchar depois de ocupar a função de reserva na F1 tanto para McLaren quanto para Red Bull.

Para ambos, os desafios serão enormes, mas há bons motivos para ficar otimistas. Confira abaixo o que esperar de Lucas di Grassi e de Sergio Sette Câmara na temporada 2021 da Formula E:

Lucas di Grassi na Formula E 2021

Lucas di Grassi é sem dúvida nenhuma um dos pilotos mais vitoriosos da história da Formula E. Em 69 corridas disputadas no campeonato até agora, venceu dez vezes e subiu no pódio em 32 oportunidades, um aproveitamento um pouco inferior a 50%. Isso, é claro, sem falar no título obtido na terceira temporada.

Mas 2020 não foi um ano fácil para ele. Pela primeira vez, passou uma temporada inteira sem vencer e subiu ao pódio em apenas duas oportunidades. Como resultado, foi o sexto na tabela de pontos, terminando fora dos três primeiros pela primeira vez na história da Formula E.

Foram dois os principais problemas de Di Grassi no ano passado. O primeiro é que o equipamento da Audi não foi tão competitivo assim. O time foi superado por DS Techeetah, BMW e Mercedes e estava em um segundo pelotão junto de Nissan, Virgin, Jaguar e Porsche.

O outro é que o brasileiro deixou a desejar nas classificações. Sua posição média de largada na temporada passada foi de 13,9. É verdade que as regras da Formula E costumam beneficiar os pilotos que estão na parte debaixo da tabela, facilitando que eles se classifiquem na frente do grid, o que não costuma ser o caso do piloto da Audi. De qualquer forma, o campeão de 2020, António Félix da Costa, teve posição média de largada de 8,9. Ou seja, esse é um ponto que Di Grassi precisa melhorar.

Lembrando que dessa vez o brasileiro terá uma pedreira dentro de casa. Seu companheiro de equipe será o alemão René Rast, tricampeão do DTM e que impressionou ao obter um pódio em sua estreia na categoria, no meio do ano passado, naquela loucura de seis provas em nove dias em Berlim.

Quanto ao equipamento, 2021 marcará a primeira vez que a Audi desenvolveu seu carro internamente na própria montadora, dependendo menos de fornecedores terceiros. É uma tentativa de retomar os anos dominantes do início da Formula E e voltar a lutar pelo título.

Não que haverá uma segunda chance. A marca alemã anunciou que vai deixar a Formula E no fim do ano para se dedicar ao Dakar e às corrida de longa duração, como as 24 Horas de Le Mans. Di Grassi já disse ter recebido sondagens de duas equipes para permanecer no campeonato de carros elétricos.


Sergio Sette Câmara na Formula E 2021

Se Di Grassi está na Formula E literalmente desde a primeira corrida da história do campeonato, o outro representante do Brasil, Sergio Sette Câmara, é um dos mais inexperientes do grid.

Aos 22 anos de idade, ele é o mais jovem entre os 24 participantes que vão disputar a temporada 2011 da categoria.

Sette Câmara assinou contrato com a Dragon Penske depois de impressionar no treino dos novatos do ano passado e também de ter ido bem, principalmente nas classificações, na seis provas de Berlim.

Só que a realidade do jovem piloto mineiro é bem diferente da enfrentada pelo seu compatriota. Sette Câmara vai correr por uma das piores equipes do grid, que marcou somente dois pontos no ano passado. Além disso, a Dragon Penske disputará as primeiras etapas desta temporada com o carro de 2020 e ainda não começou os testes com o novo equipamento.

Do lado positivo, a equipe sabe a bagunça que é. Para tentar melhorar, a esquadra passou a abraçar o nome Penske – uma vez que seu dono é Jay Penske, filho de Roger Penske -, reformulou seu time de engenheiros e fechou uma parceria com a Bosch para o desenvolvimento do equipamento e também na área de análise de dados e informações.

E é aí justamente que a juventude de Sette Câmara pode fazer a diferença. Ele tem menos pressa para estourar e pode crescer e se desenvolver junto com a equipe nos próximos anos. E, por onde passou, o brasileiro já mostrou que é capaz de surpreender e que consegue transformar experiência em resultados.

Agora que você já sabe o que esperar dos brasileiros na Formula E 2021, pode clicar aqui para ver como o grid deste ano foi formado.

E clicar aqui para conferir os horários e resultados completos da etapa de Ad Diriyah, que abre a temporada 2021 da Formula E.

foto do topo: spacesuit media/geox dragon/quick comunicação/divulgação

Lucas di Grassi, Audi, Formula E, 2021, F-E, brasileiros
Lucas di Grassi fará sua última temporada pela Audi na Formula E em 2021 – foto: michael kunkel/audi motorsport communications/

2 comentários sobre “O que esperar dos brasileiros na Formula E 2021?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s