Novos carros da F1 2014 – Force India VJM07, Williams FW36 e Caterham CT05

Force India 2014 VJM07
A nova Force India

Enquanto os treinos da F1 em Jerez de la Frontera não indicam qualquer previsão para o começo da temporada, é hora de falar dos últimos carros apresentados para a disputa do campeonato de 2014: Force India, Williams e Caterham.

Force India e Williams, na verdade, já haviam exibido modelagens em 3D do equipamento. No entanto, fazer qualquer tipo de avaliação a partir dessas imagens pode ser perigoso, afinal não precisa de uma grande manipulação por parte das equipes para ocultar um componente ou outro e não revelar alguns segredos.

As modelagens, por outro lado, já haviam mostrado que a Force India começa 2014 com uma pintura negra. O que o 3D não tinha deixado claro é que o preto também serviu para esconder aquela parte da frente do bico em formato de dedo. É que, dependendo do lado que o carro seja filmado ou fotografado, o dedo ficará camuflado, e o carro parecerá os bólidos do ano passado.

Force India 2014 VJM07
O bico camuflado

O bom dessa pintura é que ela também deixa evidente o que é o bico duplo da F1. Embora se trate de uma peça só, a estrutura negra (mais longa que a da Red Bull) serve para alcançar a altura de 18,5 cm delimitada pelas regras e para passar nos crash-tests. Já a parte branca lembra o bico do ano passado e é alta para possibilitar a passagem de ar embaixo do carro.

A equipe indiana ainda construiu um sidepod mais estreito – ao contrário da McLaren, mas similar ao da Mercedes – e fino, fazendo com que haja mais espaço na traseira do carro, permitindo a ida do ar para o difusor. Ainda na parte de trás do carro, o escapamento localizado no meio da estrutura da asa traseira (monkey seat) e a construção da suspensão traseira servem para aumentar o downforce.

Apesar de ainda ser cedo para falar se as soluções da Force India vão dar resultado, a equipe tem expectativas para conseguir voltar a brigar por pódios e até mesmo vencer pela primeira vez. O departamento de engenharia da escuderia é bom, e o carro só perdeu rendimento no ano passado porque a Pirelli mudou a construção dos pneus. Ou seja, desde aquela época a Force India já estava focada no carro de 2014, adiantando boa parte dos trabalhos.

Williams FW36 F1 2014
O bico da Williams

Williams

A outra equipe que já tinha apresentado o equipamento por meio de uma modelagem 3D foi a Williams, que terá Felipe Massa e Valtteri Bottas como pilotos em 2014. Além da chegada do brasileiro, o time também contratou uma fornada de engenheiros (embora boa parte deles ainda não tenham começado a trabalhar) e confia em Pat Symonds, o mesmo que projetou a Renault do bicampeonato de Fernando Alonso.

Apesar das mudanças radicais no equipamento, o FW36 segue boa parte das principais características da Williams nos últimos anos. A escuderia inglesa mais uma vez focou os esforços nos sidepods (basta ver como estão bem detalhados na parte de baixo) e na traseira do carro, que é bem fina por causa da caixa de câmbio em tamanho reduzido.

Na verdade, vendo o carro de lado e ignorando a barbatana na tampa do motor, é sempre curioso ver como a carenagem fica distante da asa traseira, o que deixa bastante espaço para o ar passar.

A lateral da Williams
A lateral da Williams de 2014

Outro detalhe da nova Williams é a presença de dois flaps na asa traseira, abaixo do escapamento. Apesar de o regulamento impedir que as equipes coloquem qualquer coisa na direção dos gases expelidos pelo escapamento, as peças estão em uma altura de 12,5 cm, o que é permitido pelas regras. Até agora, esse foi o único time que efetivamente exibiu essa solução.

Quanto ao bico, o time de Grove optou por soluções similares a Force India e McLaren, embora haja uma maior uniformidade com o restante da asa dianteira. A grande vantagem da Williams com esse artifício foi bloquear ao mínimo o fluxo de ar na frente.

Caterham CT05 F1 2014
O bico nada convencional da Caterham

Caterham

Como falamos em bico, não tem como deixar a Caterham fora da conversa. A agora equipe britânica escolheu levar ao pé da letra a ideia de fazer dois bicos. O primeiro é bem alto, plano e mantém a altura máxima de 52,5 cm. Já a segunda peça, o dedo, se estende do topo do carro até a asa dianteira, para respeitar o limite de 18,5 cm. O ganho nisso tudo, obviamente, é o amplo espaço que o ar tem para ir à traseira do bólido.

Outra vantagem do bico de cima elevado é ter permitido à Caterham ser a segunda equipe neste ano com suspensão pull-rod no eixo dianteiro. Apesar de Ferrari e McLaren terem enfrentado problemas com esse componente nos últimos anos, há ganhos aerodinâmicos importantes que podem justificar o uso.

A equipe também optou por ser conservadora nos sidepods, fazendo-os mais largos, o que favorece a refrigeração dos novos motores e unidades de potência. Por fim, o escapamento fica na direção do suporte da asa traseira, direcionando os gases expedidos.

Para a análise do conservador Red Bull RB10, clique aqui. Você pode clicar aqui para ver a minha análise do novo carro da McLaren, o MP4-29. A nova Ferrari F14 T está aqui. Já a Sauber C33 está neste post, clicando aqui. E você pode ver o Toro Rosso STR9 aqui. O novo carro da Mercedes, o W05, está aqui. Por fim, o novo carro da Marussia está aqui.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s