McLaren, Indy, 2021, Pato O'Ward, Barber

Quando a McLaren quase foi para a Indy nos anos 1980

Será que a McLaren conseguirá transformar o Big 3 da Indy, formado por Penske, Ganassi e Andretti, em Big 4 durante a temporada 2021?

No que depender de Pato O’Ward, as chances são grandes. O mexicano já tinha sido o mais rápido durante três das quatro sessões de pré-temporada, largou na pole em Barber e só não lutou pela vitória porque o circuito do Alabama é de difícil ultrapassagem.

Mas O’Ward já pode ser considerado um azarão na luta pelo título, ainda mais se os pilotos da Penske continuarem sem consistência nos resultados e a Andretti não se recuperar de um 2020 abaixo do esperado.

E você sabia que a McLaren poderia ter entrado na Indy muito antes de o próprio O’Ward ter nascido?

Documentos da Philip Morris vazados há alguns anos (aqui e aqui) mostraram que houve conversas entre a marca dona da Marlboro e Ron Dennis, então chefe de equipe da McLaren, para que a escuderia britânica corresse na Indy em 1986.

A estratégia de marketing da Philip Morris para aquele ano era entrar na Indy para divulgar sua principal marca de cigarros nos EUA a partir dos bons resultados que viriam a ser obtidos nas pistsa. Era a mesma tática adotada com a F1 (e em mais uma porção de outras categorias), e por lá as coisas estavam dando certo. Com o famoso patrocínio da Marlboro, Niki Lauda levou a McLaren ao título de 1984, enquanto Alain Prost repetiu a dose no ano seguinte.

Segundo os documentos, a primeira reunião entre Ron Dennis e executivos da Philip Morris sobre a Indy aconteceu em março de 1985, quando a McLaren recebeu um prazo de quatro meses para preparar seu projeto.

Na nova reunião, em julho, Dennis apresentou o proposta para correr na Indy, mas disse que a escuderia só poderia estrear em 1987.

A partir daí, uma série de discussões aconteceram entre a equipe de F1 e a marca de cigarros. Enquanto a Philip Morris argumentava que o time por causa do marketing precisava correr já em 1986, a McLaren dizia que não era possível estrear tão cedo sem comprometer o desempenho que estavam tendo na F1.

Até uma alternativa foi proposta com a McLaren comprando carros da March e sendo patrocinada pela Marlboro para estrear logo em 1986, antes de construir seu próprio equipamento para o ano seguinte,

Mas nada feito. No fim, Dennis manteve a decisão de que um projeto da McLaren na Indy só poderia acontecer a partir de 1987, o que colocou um ponto final nas negociações. Assim, a escuderia britânica ficou longe do campeonato até 2017, quando inscreveu um carro para Fernando Alonso, em parceria com a Andretti, nas 500 Milhas de Indianápolis, no início da busca pela Tríplice Coroa.

A “McLaren dos EUA” na Indy

Sem a McLaren, a Philip Morris partiu para o plano B. No fim de 1985, os executivos fecharam um acordo com a equipe Patrick para patrocinar Emerson Fittipaldi a partir do ano seguinte. O curioso é que meses antes o brasileiro tinha assinado com outra empresa, a 7-Eleven, mas a fabricante de cigarros não quis nem saber e pagou a rescisão.

No fim, a situação foi boa para todo mundo. Sem precisar se distrair com o projeto para a Indy, a McLaren levou Prost ao bicampeonato da F1 e, alguns anos mais tarde, dominou a categoria com o francês e com Ayrton Senna. Já a Philip Morris viu Emerson vencer as 500 Milhas de Indianápolis e o título de 1989 com suas cores.

A partir de 1990, Fittipaldi e o patrocínio da Marlboro deixaram a Patrick e foram para a Penske, formando uma das parcerias mais vitoriosas da história do automobilismo. No início dos anos 1990, inclusive, a Penske era chamada de “McLaren dos EUA”, já que seus carros eram pintados com o mesmo layout da equipe da F1.

Mas já pensou o que poderia ter acontecido se a McLaren tivesse realmente ido para a Indy na década de 1980? De repente, poderia ter sido um novo episódio da rivalidade com a Ferrari, já que a escuderia italiana também desenvolveu um projeto para a categoria americana nessa mesma época.

foto do topo: jake galstad/lat/chevy racing/divulgação

McLaren, Patrick, Philip Morris, Marlboro, Emerson Fittipaldi, 1989, Indy
Com o patrocínio da Philip Morris/Marlboro, a Patrick venceu as 500 Milhas de Indianápolis de 1989 com Emerson Fittipaldi – foto: doctorindy/own work/CC BY-SA 3.0

Um comentário sobre “Quando a McLaren quase foi para a Indy nos anos 1980

  1. Imaginem como está o íntimo de Fernando Alonso ao ver um início possívelmente promissor da McLaren, um gênio sem carro

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s