Gianluca Petecof surpreendeu e anunciou que vai disputar a temporada 2021 da F2 pela equipe Campos. Atual campeão da F-Regional Europeia, o brasileiro nas últimas semanas tinha se desligado da equipe Prema e da Academia da Ferrari e vinha fazendo mistério sobre seu futuro.

Outros pilotos que também saíram da F-Regional primeiro passaram pela F3 antes de chegar à F2, por isso a decisão de Petecof de pular a F3 e ir direto para a principal categoria de acesso da F1 é que chama a atenção.

Daí a comparação com Felipe Drugovich. O brasileiro não tinha ido bem na F3 em 2019, e a expectativa era que ele ficasse mais um ano no certame. Só que o representante de Maringá também acabou tomando uma decisão corajosa e optado por subir logo para a F2. Na época, assinou com a MP, uma esquadra que, assim como a Campos de Petecof, não figura entre as principais.

Para Drugovich, a aposta deu mais do que certo. Ele foi um dos grandes destaques de 2020, quando conquistou três vitórias, outro pódio e uma pole, fechando o ano com a nona colocação na tabela.

Assim, fica a dúvida: Petecof será capaz de repetir o compatriota e estourar em 2021?

Diferenças entre Felipe Drugovich e Gianluca Petecof

A verdade é que a situação dele é um pouco mais complicada. Drugovich, por exemplo, não pulou etapas. Ele saiu da F3, onde teve um ano ruim, é verdade, para a F2. Já Petecof estava em um degrau ainda mais abaixo, na F-Regional, que é considerada um passo intermediário entre a F4 e a F3.

Outra diferença é a equipe. Drugovich assinou contrato com a MP, uma esquadra que estava bem mais organizada. Em 2019, o time holandês tinha conquistado dois pódios com o veteraníssimo Jordan King e chamava a atenção pela consistência: o pior resultado do britânico naquele ano tinha sido um 12º lugar, com exceção da abertura da temporada. Ou seja, se não era uma esquadra de ponta, estava literalmente no meio do pelotão.

Tanto que quando Drugovich – e também o nipônico Nobuharu Matsushita – chegou, a MP deu um salto de qualidade e foi uma das grandes surpresas de 2020.

Já a Campos está uma fase decadente. No fim de 2019, a escuderia perdeu o engenheiro-estrela Jan Sumann para a Hitech, onde ele foi trabalhar no desenvolvimento de Nikita Mazepin. A queda no desempenho do time espanhol foi perceptível. É só ver os resultados de Jack Aitken.

Ao lado de Sumann, o britânico tinha sido o quinto colocado em 2019, com três vitórias e outros quatro pódios. Em 2020, o mesmo Aitken correndo pela mesma Campos, mas sem o engenheiro foi somente o 14º na tabela. Já a escuderia espanhola ficou com a nona posição entre as 11 equipes no ano passado.

Isso sem falar na morte do dono da esquadra, Adrián Campos, no fim de janeiro.

O que esperar de Gianluca Petecof na F2?

Quando um piloto estreia na F2 em uma situação mais desfavorável, a receita do sucesso costuma ser aproveitar a regra do grid invertido para se destacar. Dessa maneira, caberia ao competidor terminar na parte de baixo da zona do pontos no sábado para que, no domingo, ele pudesse largar das primeiras filas do grid, brigar por pódios e vitórias e, assim, chamar a atenção de equipes melhores.

Essa continua sendo a situação ideal para Petecof em 2021. Só que as regras da F2 mudaram para este ano, o que pode ajudar o brasileiro.

Em 2021, a F2 terá rodadas triplas, sendo que duas das corridas de cada fim de semana terão o grid invertido. A primeiro do sábado alterna o top-10 da classificação disputada no dia anterior, enquanto a segunda, também no sábado, inverte o top-10 da primeira.

Isso significa que um piloto que se classificar na parte debaixo do grupo dos dez primeiros na tomada tempo pode ser beneficiado duas vezes, mesmo que tenha um desempenho ruim na primeira bateria. É aí que Petecof pode dar o pulo do gato.

E após ser anunciado pela Campos como seu novo piloto na F2, Petecof disse que planeja ficar duas ou até mesmo três temporadas na categoria se for necessário. Assim, chamar a atenção de equipes maiores passa a ser fundamental para ele neste ano, pensando na permanência no campeonato e no futuro da carreira.

Enquanto a temporada não começa, você pode clicar aqui para ver como o grid da F2 2021, com Drugovich e Petecof, está sendo formado.

foto do topo: aci csai/divulgação

Felipe Drugovich, F2, Fórmula 2, F1, GP da Bélgica, Spa-Francorchamps, horários, onde assistir, resultados
Felipe Drugovich foi um dos grandes destaques da F2 em 2020 – foto: dutch photo agency/kgcom/divulgação