Nyck De Vries vem chamando a atenção conforme vai ficando mais próximo da primeira vitória da carreira

Enquanto a F-Renault Eurocup se prepara para disputar a etapa deste final de semana, em Nurburgring, uma de suas principais estrelas vem chamando a atenção. Nyck De Vries competiu justamente no circuito alemão, no último sábado, onde terminou a etapa da F-Renault NEC na segunda colocação, apenas 0s1 atrás do vencedor, Stoffel Vandoorne.

Assim, o piloto júnior da McLaren esteve muito próximo de conquistar a primeira vitória da carreira nos monopostos. Expectativa, essa, que continua nesse final de semana, com a etapa da Eurocup.

Após a prova, vi algumas discussões cujo objetivo era responder a pergunta do título deste post. Será que De Vries é bom mesmo e conseguirá fazer tudo aquilo que esperamos?

Na ampla maioria das vezes, a resposta foi um consenso de que ainda é cedo julgar o holandês. Afinal, ele tem apenas 17 anos (embora aparente muito menos, no máximo uns 13) e está fazendo somente a primeira temporada completa fora do kart.

Por causa disso, é natural que os resultados sejam altos e baixos. De Vries já terminou no pódio em Nurburgring (NEC) e em Aragón (Eurocup). Foi o autor da volta mais rápida em uma das corridas de Hockenheimring, mas terminou em 32º e 22º. Já em Spa, debaixo de muita chuva, alguém talvez só tenha percebido que o garoto estivesse correndo devido ao carro azul brilhante, fora isso ele foi nulo na corrida.

De Vries é ainda, digamos, um pouco menor que os principais adversários

Será que com tão poucos resultados, já é possível determinar se De Vries é bom? Obviamente, não. Mas isso não significa que não podemos avaliá-lo, apenas porque ele é muito jovem e inexperiente. Até porque não somos nós que estamos julgando o piloto, é a McLaren.

Quando a equipe inglesa decidiu assinar contrato com o piloto de uma forma similar ao que Lewis Hamilton teve, foram eles que não só avaliaram De Vries como também definiriam que nenhum outro kartista de sua geração teria condições de repetir o sucesso do atual companheiro de Jenson Button.

Oras, se a McLaren pode por que fãs, imprensas e curiosos no geral não? Até porque, avaliar o desempenho de Nyck De Vries nas pistas é uma forma de conhecer e entender o trabalho feito pelos olheiros da equipe inglesa. Isto é, se o garoto assinou um contrato parecido com o de Hamilton, alguma coisa deve fazê-lo especial.

Porém, também é óbvio que em se tratando de um jovem piloto nenhuma avaliação é definitiva. Assim como é comum ver campeões de certames menores (como a própria F-Renault ou a F-BMW) jamais chegarem à F1, também é normal presenciar algum garoto que jamais teve sucesso na carreira estourar da noite para o dia ao estrear em uma nova categoria.

Parece bastante cruel avaliarmos o desempenho de um garoto de 17 anos após nove corridas. E é. Mas no automobilismo – e praticamente em qualquer outro esporte – as coisas acontecem assim. As equipes estão cada vez empenhadas em descobrir um jovem talento, ainda adolescente, que possa lapidar e transformá-lo em um campeão mundial. Consequentemente, em algum momento, esse trabalho deixa as grandes equipes e se torna assunto entre os fãs do esporte motor.

É claro que é complicado falar sobre um garoto de 17 anos, mas se já há impaciência entre os próprios torcedores para chegar à alguma conclusão sobre De Vries, imagina dentro da McLaren ou entre os patrocinadores?