Bryan Clauson (1989 – 2016)

Tivesse nascido alguns anos antes, Bryan Clauson poderia ter sido um ídolo da Indy.

Tendo começado a carreira nos ovais de terra dos EUA, precisava apenas do empurrão certo para alcançar as glórias nos monopostos. Afinal, era o mesmo caminho que nomes como Tony Stewart já haviam feito quase duas décadas antes.

E a chance até veio em 2010. Naquele ano, o campeão da USAC, categoria na qual o americano competia, ganhava uma bolsa para disputar as etapas em ovais da Indy Lights no ano seguinte.

Com o prêmio, Clauson, que já tinha uma passagem pela Nascar, não fez feio. Dividindo um carro com Conor Daly, foi pole logo na estreia em Indianápolis e terminou em terceiro em Iowa, como melhor resultado.

Como venceu a USAC novamente, recebeu a premiação mais uma vez. Dessa vez, no entanto, servia para que disputasse a Indy 500. Foi a primeira das três largadas que teve na tradicional prova, embora nunca tenha obtido um bom resultado.

Clauson, porém, chegou à Indy numa época que cada vez menos se corre aos ovais. Fosse em outros anos nos quais esse tipo de pista dominava o calendário, deixar a USAC para andar nos monopostos seria uma escolha quase que óbvia.

Mas como o americano nunca disputou uma prova em circuitos mistos, não fazia sentido trocar a modalidade da qual já era ídolo pela Indy e andar contra gente que desde a infância se acostumou a virar à direita.

Ter ficado na USAC, no entanto, não era um consolo para Clauson. Pelo contrário, era a chance de entrar para a história da modalidade. Em 2015, conquistou mais um título e, para a atual temporada, ele tinha a meta ousada de disputar 200 corridas em um ano. Praticamente uma a cada dois dias.

Não deu. Na 116ª, sofreu um grave acidente ao tocar em um carro mais lento e acabou sendo acertado por um que vinha com pé embaixo. Morreu, aos 27 anos, devido aos ferimentos em um hospital em Nebraska.

Por quem não as acompanha, infelizmente as corridas de sprint cars, nas quais Clauson competia, vão ficando conhecidas pelos acidentes gravíssimos quase que anuais. Em 2013, Tony Stewart perdeu boa parte da temporada da Nascar ao quebrar a perna em uma batida nesse tipo de carro, no ano seguinte houve o atropelamento de Kevin Ward Jr e, no ano passado, Kevin Swindell (com passagem pela Nascar Xfinity) sofreu gravíssimas lesões na coluna e até hoje luta para recuperar os movimentos das pernas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s