Stefano Domenicali
Os erros de Stefano Domenicali e da Ferrari nos últimos anos podem levar a uma limpa na equipe ao final de 2012

Felipe Massa não é o único funcionário da Ferrari que entra na temporada 2012 da F1 pressionado. De uma forma geral, não é nenhum absurdo dizer que a única pessoa que consegue dormir tranquila em Maranello é Fernando Alonso.

Contando com carros ruins nas últimas temporadas – principalmente em 2011 –, o espanhol brigou pelo título uma vez e terminou o último campeonato com uma vitória. Talvez para desviar o foco dos sucessivos erros, a Ferrari tenha passado a adotar a tática de criticar Massa cada vez mais frequentemente.

Isso, no entanto, não ameniza a situação do brasileiro nem lhe tira a culpa dos maus resultados desde o retorno à F1 após o grave acidente no GP da Hungria de 2009. O fato é que pareceu mais conveniente explorar um dos problemas – o desempenho pífio de Massa – a apresentar uma solução para o conjunto e expor todos os responsáveis por esse momento.

Mas esse plano da Ferrari tem prazo de validade: dificilmente dure a temporada de 2012. Ainda é cedo para falar qualquer coisa, mas a F2012 não parece ser um carro que fará frente a Red Bull e a McLaren. Ou seja, o time italiano vai continuar a usar o mesmo repertório de sempre – criticar o desempenho de Felipe, pedir o terceiro na categoria, detonar Caterham/Marussia/HRT, ameaçar deixar a F1 e criar um novo campeonato – para tentar desviar o foco dos reais problemas.

Jules Bianchi
Jules Bianchi em um carro da equipe satélite da Mercedes é a prova do despreparo da Ferrari para revelar um novo talento

Só que com mais um carro ruim, as cabeças devem começar a rolar. Felipe Massa, por exemplo, é um que não deve ficar caso a situação não melhore. Mas a degola não deve parar por aí. Stefano Domenicali é outro que também que já pode dar uma olhada no caderno de empregos dos jornais italianos. O chefe de equipe da Ferrari assumiu a função em 2008 e passou longe da glória da época Schumacher.

Na realidade, tudo o que Domenicali conquistou foi o título dos Construtores de 2008. Mas vale lembrar que naquela temporada, Heikki Kovalainen pouco contribuiu com a McLaren ao apresentar fracos resultados ao longo do ano. Outro problema associado ao chefe italiano foram os seguidos erros da própria equipe, principalmente, nos boxes. Quem não se lembra das panes que o pirulito eletrônico sofreu seguidamente?

Além das falhas nos boxes em um campeonato que foi decicido por apenas um ponto contra a equipe de Maranello, Domenicali também precisou conviver com o peso da derrota em 2010. Na ocasião, uma tática bizarra na hora de chamar Fernando Alonso, no decisivo GP de Abu Dhabi, aos boxes acabou deixando o espanhol preso atrás de Vitaly Petrov. A ultrapassagem jamais aconteceu, e a Ferrari assistiu a Sebastian Vettel comemorar o primeiro título na F1.

Quem também pode fazer parte da barca da Ferrari são os projetistas responsáveis pela criação dos últimos carros. No entanto, essa área já sofreu uma re-estruturação antes de 2012 e por isso a situação talvez não seja a de uma limpeza geral. Mas a própria Ferrari já reconhece que ou precisa de Rory Byrne de volta e cada vez mais envolvido com os projetos, ou contratar alguém do quilate de Adrian Newey (no caso, seria o próprio).

Por fim, o último a balançar no cargo é Luca Baldisseri, antigo engenheiro de Maranello e hoje responsável por gerir a Ferrari Driver Academy. Não é nenhuma novidade, que o programa para jovens pilotos não deu muito certo e talvez precise de uma reformulação profunda para revelar alguém que possa fazer frente a Sebastian Vettel.

Enquanto o desempenho na pista de gente como Raffaele Marciello e Brandon Maisano – que ainda estão na F3 – é cada vez mais criticado, a FDA terá que conviver em 2012 com o vexame de ver a principal cria, Jules Bianchi, em um carro de uma equipe satélite da Mercedes, já que o garoto vai treinar em algumas sextas-feiras com a Force India.

Ou seja, além de a FDA não ter conseguido desenvolver Bianchi para que ele ficasse à disposição da equipe principal, também não conseguiu, por exemplo, transformar a Sauber em uma equipe satélite da mesma forma que a relação entre Force India e Mercedes. (Seria absurdo comparar a Red Bull/Toro Rosso).