Paul di Resta comemorando
Apesar de novo na F1, Paul di Resta é conhecido no automobilismo mundial

O torcedor mais atento que acompanhou o primeiro treino livre da F1, na madrugada de quinta para sexta-feira, dia 26, percebeu uma sigla inédita entre os pilotos: DIR. Não era De La Rosa, cuja abreviação é DLR, nem Di Grassi, que virou DIG. Com mais alguns minutos seria possível descobrir que esse piloto substituía Sutil na Force India. DIR, na verdade, é Paul Di Resta, piloto de testes da equipe indiana.

Nas últimas temporadas da F1, não foi comum vermos pilotos de testes a bordo dos carros nos treinos livres de sexta-feira. Por que a Force India resolveu inovar? E da onde veio esse Paul di Resta?

Di Resta é britânico. Nasceu em Uphall, na Escócia, e é primo de Dario Franchitti. Como todo piloto da terra da rainha, começou no kart, mas logo alçou para a Fórmula Renault UK, quando foi terceiro correndo pela Manor. Ainda pela equipe inglesa, o escocês disputou a F3 Euro Series, em 2005, correndo contra Lewis Hamilton, Adrian Sutil, Lucas di Grassi, Sebastian Vettel e Loic Duval.

Paul Di Resta não foi bem no primeiro ano, subiu no pódio uma única vez, mas foi desclassificado em três oportunidades. Para a temporada 2006, o britânico foi contratado pela poderosa ART Grand Prix (então ASM) e seria companheiro de Vettel, apontado como o grande favorito ao título.

Paul di Resta na DTM
Paul Di Resta foi para a DTM a espera de uma vaga na McLaren, mas em três anos de turismo foi 5º, 2º e 3º

O primo de Dario Franchitti venceu cinco vezes, foi pole também em cinco oportunidades e conquistou o título com uma vantagem de 11 pontos sobre Vettel. Para 2007, a carreira de Di Resta parecia deslanchar. Apalavrado com a Mercedes, o piloto foi para o DTM e esperava que fosse uma questão de tempo para chegar à McLaren.

O acerto com a montadora alemã coincidiu com as contratações de Lewis Hamilton e Fernando Alonso pela equipe inglesa. A chance de conseguir um lugar na F1 diminuía com o passar do tempo. Em 2008, quando o espanhol deixou a equipe, o escocês achou que era a chance da vida, mas Kovalainen acabou sendo contratado.

Para piorar, o rival Vettel era piloto de testes da BMW e participou de algumas sessões de treinos ainda em 2006, surpreendentemente andando sempre entre os primeiros. No ano seguinte, o alemão estreou na F1 substituindo Kubica, acidentado, e depois Scott Speed. O bom desempenho nos GPs dos EUA, do Japão e da China deixaram o “Baby Schumi” em foco.

Ao contrário de outros pilotos que foram parar no DTM com a expectativa de fazer um bom trabalho para garantir lugar na F1, mas acabavam se acomodando, Di Resta pressionou os alemães da Mercedes sempre que possível para uma transferência. O escocês declarou várias vezes que achava injusto Vettel ser apontado como um futuro fenômeno do esporte, se ele, Paul Di Resta, havia o derrotado na Fórmula 3.

Enquanto Vettel estourava na F1, Di Resta, em três anos de turismo alemão, nunca terminou fora dos cinco primeiros e foi vice-campeão em 2008, sendo o melhor piloto da Mercedes. A pressão feita pelo escocês deu resultado: com o novo treino para novatos no final da temporada, o piloto recebeu a primeira chance em um carro de F1, no fim de 2009. Foi um teste pela Force India, movida pelo motor Mercedes.

Paul di Resta enfim assinou com a Force India
Paul di Resta enfim assinou com a Force India

Além do britânico, o americano JR Hildebrand, campeão da Indy Lights, também testaria pela equipe asiática. Vijay Mallya não escondia de ninguém que o melhor entre os dois jovens poderia se tornar piloto de teste, caso impressionasse. E Di Resta obteve excelentes marcas, ficando atrás apenas de Soucek (Williams) e Daniel Ricciardo (Red Bull).

O britânico assinou com a Force India como piloto de testes e está próximo de alcançar o sonho da F1, pois a equipe indiana dificilmente manterá a atual dupla de pilotos – Sutil e Liuzzi – para 2011. O escocês ainda é jovem. Tem apenas 23 anos, mesmo com toda experiência citada acima. Ainda pode ter muito tempo de F1.

Mesmo que Paul Di Resta não consiga alcançar esse objetivo, poderá voltar para casa e contar a todos que, na primeira apresentação em um final de semana de F1, superou Michael Schumacher.