As 24 Horas de Nurburgring é considerado o patinho feio das corridas de 24 horas de duração. Todo mundo se lembra de Le Mans, de Daytona e até de Spa-Francorhamps, mas a prova realizada no circuito de Nordschleife, com 154 curvas e 25,3 km de extensão raramente está entre as mais aguardadas do ano.

Não sei se é porque a corrida antigamente era mais restrita ao público alemão, já que recebe os pilotos e equipes do campeonato alemão de endurance, o NLS. Ou então pode ser a falta de sorte de ser marcada justamente no mesmo fim de semana de GP de Mônaco da F1, 500 Milhas de Indianápolis e 600 Milhas da Nascar, como agora em 2022, quando essas provas acabam atraindo a atenção dos fãs da velocidade.

Apesar de não ter o mesmo brilho que outras corridas de longa duração, as 24 Horas de Nurburgring têm um histórico de brasileiros subindo no degrau mais alto do pódio. Até agora, são duas vitórias dos representantes do país por lá.

A primeira foi de Antonio Hermann, em 1993, quando o empresário (ex-Banco BMG) corria com o pseudônimo Tonico de Azevedo e dividiu um Porsche com o austríaco Franz Konrad, o sueco Örnulf Wirdheim e o alemão Frank Katthöfer.

A outra aconteceu 17 anos mais tarde, com Augusto Farfus. Na ocasião, ele competiu ao lado do ex-F1 Pedro Lamy e dos alemães Uwe Alzen e Jorg Müller, que, assim como o brasileiro, fizeram história pela BMW.

Augusto Farfus nas 24 Horas de Nurburgring de 2022

Farfus, inclusive, é o único representante do Brasil nas 24 Horas de Nurburgring deste ano. Mas é bom ficarmos de olho, porque ele está entre os favoritos.

Em 2022, ele divide uma novíssima BMW M4 com o austríaco Philipp Eng, o britânico Nick Yelloly e o americano Connor De Phillippi. O quarteto vai largar da segunda colocação, ao ter registrado o tempo de 8min10s640, ficando apenas 1s2 atrás da surpreendente Ferrari da equipe octane126.

A BMW é a mais cotada para este fim de semana, devido à boa fase recente. A marca começou o ano enfrentando problemas de confiabilidade da nova M4 nas 24 Horas de Daytona, mas as dificuldades parecem ter ficado para trás.

Recentemente, a montadora venceu a corrida de classificação das 24 Horas de Nurburgring e varreu a última etapa tanto do DTM quanto do Adac GT Masters, os outros dois campeonatos para modelos GT3 na Alemanha.

Só que o principal carro da BMW neste fim de semana será o número 98, pilotado pelo quarteto formado por Sheldon van der Linde, Marco Wittmann, John Michael Edwards e Nicky Catsburg, todos muito experientes em provas de longa duração. Eles vão largar da 13ª posição.

Também vale ficar de olho no BMW do Junior Team, com Dan Harper, Neil Verhagen e Max Hesse. O trio de jovens pilotos da marca alemã vem tendo dificuldades para obter bons resultados neste início de 2022, na GTWC Endurance, mas chega a Nordschleife credenciado por vitórias na temporada do ano passado da NLS, realizadas nesse mesmo circuito.

Ou seja, para conquistar o bicampeonato, Farfus precisará não só superar os carros de fábrica de Audi, Mercedes e Porsche como também os outros veículos da BMW.

Para isso, o brasileiro conta com a experiência de ter um currículo mais do que recheado em corridas de longa duração. Afinal, já venceu, além de Nurburgring, a Copa do Mundo de carros GT (em Macau), as 24 Horas de Daytona (na divisão GTLM) em 2019 e 2020 e o IGTC em 2020.

Será que Farfus conseguirá o bicampeonato em Nordschleife? Você pode clicar aqui para conferir os resultados completos da tradicional prova alemã de longa duração, além dos das demais principais categorias do automobilismo mundial no fim de semana.

Augusto Farfus, loiro de macacão preto, em close
Augusto Farfus é um dos brasileiros que já venceram as 24 Horas de Nurburgring – foto: bmw/divulgação