Pietro Fittipaldi começa neste fim de semana a disputa da temporada 2022 da European Le Mans Series (ELMS), um dos principais campeonatos de longa duração do mundo e que servirá de preparação para tomar parte das 24 Horas de Le Mans, em junho.

Sua chegada à ELMS acontece cerca de um mês e meio depois de ter sonhado com a vaga de titular da Haas na F1.

Fittipaldi não esteve entre os mais cotados para ficar com o carro que era de Nikita Mazepin, após a demissão do russo em meio à Guerra de Ucrânia, mas apostava na lealdade que tem com a Haas – de quem é piloto reserva desde 2019 – e com a possibilidade de arrumar patrocinadores de última hora, o que não acabou acontecendo.

A esquadra americana optou pela experiência de Kevin Magnussen, o que vem dando resultado neste começo de 2022, com o quinto lugar obtido no GP do Bahrein, e o nono, na Arábia Saudita.

Longe da F1, embora seguindo como reserva da Haas, o brasileiro vai disputar sua primeira temporada completa em alguma categoria profissional desde 2019, quando esteve no DTM.

Uma das dúvidas sobre Fittipaldi é justamente se esse tempo todo afastado das pistas poderá afetar seu desempenho. É claro que continuidade é muito importante para qualquer competidor, mas na única etapa de que tomou parte até agora em 2022, na Corrida de Duplas da Stock Car, foi um dos destaques ao sair do fim do grid e terminar em quinto.

Na ELMS, ele terá enfim a chance de voltar a ter alguma continuidade no trabalho e enfim se firmar em um campeonato profissional do esporte a motor.

Neste ano, correrá pela experiente equipe polonesa Inter Europol, conhecida pelos seus carros com cores vibrantes. Vai andar na divisão principal, a P2, e terá como parceiros o suíço Fabio Scherer, com passagem pelo DTM, e o dinamarquês David Heinemeier-Hanson, veterano das corridas de longa duração, mas que estava afastado das pistas nos últimos anos.

Se os três estiverem no auge do que podem render, podem ser considerados alguns dos favoritos à taça deste ano. Mas terão algumas pedreiras pela frente.

A Prema, por exemplo, está estreando nas provas de longa duração e terá um carro com o suíço Louis Délétraz, o austríaco Ferdinand Habsburg e o americano Juan Manuel Corrêa, todos com destaque nas categorias de acesso da F1. A United, de Zak Brown, busca retomar o título conquistado em 2020, enquanto a Cool Racing terá Ye Yifei, chinês emprestado pela Porsche, como titular.

Lembrando que essa não é a primeira vez que Fittipaldi anuncia que vai disputar a temporada completa da ELMS. No ano passado, o brasileiro tinha sido confirmado pela equipe russa G-Drive, mas tomou parte só de uma etapa. Largou o campeonato quando viu que poderia haver choques de data entre as 24 Horas de Le Mans e a Indy, onde também competia.

Resta ver se dessa vez sua empreitada durará mais tempo.

Outro brasileiro na ELMS 2022

Fittipaldi, aliás, não será o único representante do país na categoria neste ano. Quem também deverá correr em algumas etapas será Augusto Farfus, veterano de corridas de carro GT, mas que estará fazendo sua estreia nos protótipos.

O piloto assinou com a BHK, escuderia novata no campeonato, mas não estará presente na rodada de abertura, neste fim de semana em Paul Ricard.

Farfus estará no Japão, para primeira prova do Super GT 2022, onde defenderá o time cliente da BMW na divisão GT300 (a mesma onde também está João Paulo de Oliveira).

Sempre que houver choque de datas para Farfus, será o campeonato do Oriente que terá prioridade. Lembrando que ele também corre em etapas da Imsa e no GTWC Endurance pela marca alemã.

Agora que você já conhece os brasileiros confirmados para a disputa da temporada 2022 da ELMS, pode clicar aqui para ver como o grid foi montado.

E clicar aqui para conferir os resultados completos da ELMS em Paul Ricard, assim como os das demais principais categoria do automobilismo mundial no fim de semana.

Augusto Farfus, BMW
Augusto Farfus está confirmado na ELMS 2022, mas vai priorizar o Super GT quando houve choque de datas – foto: bmw/divulgação