Rafael Câmara é considerado um dos jovens pilotos mais promissores do automobilismo brasileiro. Não é para pouco. Agora em 2022, ele está fazendo a transição do kartismo para a F4, após conquistas como o vice do Europeu de Kart, em 2021, e do Mundial, em 2019.

E não levou muito tempo para que o brasileiro abocanhar sua primeira vitória (e também a segunda) nos monopostos.

Aconteceu logo na terceira etapa da temporada 2022 da F4 dos Emirados Árabes, em Dubai, onde Câmara está competindo para acelerar seu processo de adaptação aos carros de fórmula e para ganhar mais quilometragem.

Como o brasileiro ficou fora das primeiras quatro provas devido a um problema de saúde (que todo mundo deve imaginar qual é), então ele levou menos de duas etapas para receber a bandeirada na frente. Foram cinco corridas para ser mais preciso.

Seu primeiro triunfo nos monopostos aconteceu sem maiores emoções. Câmara já tinha se destacando tanto nos treinos livres quanto na classificação em Dubai, mas tinha ficado com a segunda posição do grid para a bateria de abertura do fim de semana.

Na frente dele, apenas o austríaco Charlie Wurz (filho do ex-F1 Alexander Wurz). Logo no começo da prova, Câmara ultrapassou o companheiro de equipe. Depois disso, Wurz precisou se defender dos ataques do britânico Luke Browning, o que permitiu ao brasileiro disparar na liderança e receber a bandeira quadriculada sem ser incomodado.

Câmara, para falar a verdade, teve muito mais dificuldade em sua segunda vitória da carreira, na terceira bateria em Dubai. Largando na pole, o brasileiro foi superado pelo britânico Aiden Neate, também da Prema. Durante toda a prova, ele pressionou o adversário, mas conseguiu a ultrapassagem somente na abertura da última volta, quando houve um leve toque entre os dois.

Neate e Câmara passaram boa parte da última volta lado a lado (assista mais abaixo), até que o brasileiro conseguiu sustentar a ponta e receber a bandeirada na frente.

Com os dois triunfos do fim de semana, o brasileiro subiu para a sétima colocação do campeonato, com 85 pontos, 59 atrás de Neate, o líder.

A primeira vitória da carreira dos pilotos brasileiros

Ao vencer em sua quinta corrida da carreira, Câmara se tornou o brasileiro de sua geração que menos tempo levou para subir no degrau mais alto do pódio.

O recorde antigo pertencia a Caio Collet, que precisou de seis provas para ganhar sua primeira.

Separados por quatro anos, tanto Câmara quanto Collet triunfaram pela primeira vez na F4 dos Emirados Árabes. Não é coincidência. Esse é um campeonato que acontece durante o inverno europeu, geralmente não tem um grid tão competitivo, e os dois pilotos brasileiros, além de muito talentosos, tiveram equipamento de ponta à disposição.

Gabriel Bortoleto, que recentemente se tornou o primeiro brasileiro a ganhar uma corrida em 2022, levou 11 provas para obter a primeira conquista da carreira. Foi na F4 Italiana de 2020. Na época, ele defendia a sempre favorita Prema, mas tinha companheiros pesos-pesados dentro da escuderia: Gabriele Mini, Dino Beganovic e Sebastian Montoya.

Já Felipe Drugovich, um dos favoritos ao título da F2 neste ano, acumulou 30 corridas até conquistar a primeira vitória da carreira. Ele passou em branco na estreia na F4 Alemã, em 2016, e depois correu em uma categoria chamada MRF Challenge, que também era disputada na Ásia durante o inverno europeu. Em um grid com nomes como Mick Schumacher, Juri Vips e Rinus Veekay sua vitória aconteceu na sexta corrida do ano.

Depois Drugovich não parou mais de ganhar, como, por exemplo, tendo ficado com o título da Euroformula Open em 2018 com 14 vitórias em 16 provas.

Mas, se voltarmos no tempo, chegaremos a brasileiros que praticamente nasceram no degrau mais alto do pódio. Um deles foi Felipe Nasr, cujo primeiro triunfo aconteceu na quarta prova da carreira, na primeira rodada da F-BMW Europeia de 2009, categoria equivalente à F4 na época e que fazia a preliminar da F1.

Quem já ganhou na estreia

Em 2020, o espanhol Davide Vidales chamou a atenção ao ganhar não só a primeira corrida da carreira, mas também a segunda. E olha que ele tinha estreado no meio da temporada da F-Renault Eurocup (com os mesmos carros usados hoje na F-Regional by Alpine) e estava vindo diretamente do kartismo, sem nem ter passado pela F4.

Mas o mais curioso é que, depois disso, o espanhol já disputou mais 42 provas e só ganhou uma delas… terá sido sorte de principiante?

Entre aqueles que também venceram suas primeiras corridas da vida, Beitske Visser hoje está na W Series, enquanto Kevin Magnussen vai defender a Peugeot no WEC após um ano correndo nos EUA. A holandesa, antes de estrear nos monopostos, foi convidada para participar de uma prova de GT na própria Holanda e saiu-se vencedora. Já Magnussen, assim que dexiou o kartismo, levou a melhor na rodada de abertura da F-Ford de seu país.

Você pode clicar aqui para ver os resultados completos da etapa de Dubai da F4 dos Emirados Árabes, assim como os das principais categorias do automobilismo mundial no fim de semana.

E abaixo você assiste à briga entre Rafael Câmara e Aiden Neate: