Com Lucas di Grassi e Sergio Sette Câmara de pilotos brasileiros, a temporada 2022 da Formula E começou no último fim de semana em Ad Diriyah, na Árabia Saudita.

Cada um deles está em um momento diferente da carreira. Enquanto Di Grassi conseguiu permanecer no campeonato após a saída de Audi e parece ter condições de brigar por pódios e vitórias constantemente, é difícil fazer um prognóstico positivo para Sette Câmara, devido ao equipamento da equipe Dragon, a escuderia qual defende.

Confira abaixo o que esperar dos pilotos brasileiros na temporada 2022 da Formula E.

Lucas di Grassi na Formula E 2022

Após sete temporadas defendendo a Audi, Di Grassi está encarando o desafio de ter uma nova casa em 2022: a Venturi.

Ao menos por enquanto, dá para dizer que o brasileiro acertou em cheio na mudança. A Venturi é uma das equipes mais bem organizadas do campeonato, com um pacote que mescla o motor elétrico da Mercedes – um dos melhoras de categoria – com os investimentos da Rokit como patrocinadora.

Prova disso é que, no ano passado, a esquadra monegasca venceu corridas com seus dois pilotos e levou o italiano Edoardo Mortara ao vice-campeonato.

Só que ao longo de 2021 a escuderia comandanda por Susie Wolff já indicava que buscava contar com dois pilotos que constamentente pudessem lutar por pódios e vitórias, daí a opção por assinar com Di Grassi, no lugar de um Norman Nato marcado por altos e baixos.

Em Ad Diriyah, tudo ocorreu de acordo com o plano. Mortara ganhou a segunda corrida do fim de semana, enquanto o brasileiro fechou em terceiro. Na primeira prova da rodada, Di Grassi tinha sido o quinto, uma posição à frente do seu parceiro.

Outro ponto que parece ter ajudado Di Grassi é o novo formato da classificação, agora disputada em dois grupos (assim como a Indy), antes das quartas-de-finais, semifinais e final, que decide o pole.

Di Grassi nunca foi conhecido por sobressair na classificação, mas no formato antigo, em que os pilotos iam à pista em grupos na ordem inversa do campeonato, ele era duplamente penalizado. Primeiro porque costumava estar nos mesmos grupos que os líderes da tabela de pontos, sendo que muitos desses adversários se destacavam em uma só volta rápida. E, segundo, porque carros e pilotos mais lentos faziam a tomada de tempo em condições bem melhores do asfalto.

Na Arábia Saudita, com a ordem de forças das equipes sendo de certa forma respeitada com o novo formato, Di Grassi bateu na trave na hora de avançar para as quartas-de-finais no sábado e no domingo largou de uma ótima quarta colocação. Partindo do top-10 em ambas as baterias, acumulou dois top-5 na bandeirada. Sinal de que pode brigar por pódios e vitórias frequentemente neste ano.

Sergio Sette Câmara na Formula E 2022

Se o novo formato da classificação beneficiou Di Grassi, Sette Câmara viveu o oposto em Ad Diriyah. O brasileiro não conseguiu repetir o segundo lugar no grid (e o pódio) obtido em 2021 e partiu de 15º e de 19º nas duas provas do fim de semana.

A Dragon, equipe defendida pelo brasileiro, sempre foi considerada uma das mais frágeis da Formula E, principalmente pela mudança constante no time de engenheiros e por alguns de seus integrantes se dividirem entre Europa e Estados Unidos.

Para se ter ideia, a esquadra tinha fechado contrato com a Bosch para desenvolver seu motor elétrico a partir de 2023, mas recentemente mudou de ideia, cancelou o projeto e decidiu ser o time-cliente de alguma montadora do campeonato.

Essas fragilidades, porém, eram compensadas pelo sistema antigo da classificação. Os pilotos da Dragon costumavam ficar no último grupo, iam à pista quando o asfalto estava mais emborrachado e vez ou outra lutavam pela pole. Ainda mais no caso de Sette Câmara, que costuma se destacar nas tomadas de tempo.

Só que agora essa vantagem acabou, e mesmo que o brasileiro consiga sobressair nas tomadas de tempo, significa largar na segunda metade do pelotão, longe dop top-10 e dos pontos.

Pelo menos, na Arábia Saudita, Sette Câmara deu um banho em Antonio Giovinazzi, seu novo companheiro de equipe vindo da F1. O italiano largou atrás em ambas as baterias e, em uma das corridas, chegou a estar mais de 10s distante do brasileiro.

Em uma esquadra sem maiores ambições como é o caso da Dragon, derrotar o companheiro de equipe com passagem pela F1 é uma boa maneira de mostrar do que é capaz e buscar voos mais altos na carreira.

Você pode clicar aqui para conferir os resultados completos da primeira etapa da temporada 2022 da Formula E, assim como os das demais principais categorias do automobilismo mundial no fim de semana.

Sergio Sette Câmara, Formula E, F-E, 2022, Dragon
Sergio Sette Câmara segue na Dragon na Formula E 2022 – foto: spacesuitmedia