Quem serão os jovens pilotos que vão brilhar nas categorias de base do automobilismo mundial na temporada 2022?

Todos os anos, dezenas de competidores dão os primeiros passos no esporte a motor, todos com sonhos em comum: se firmar na modalidade, empilhar taças e virar ídolo.

Para você saber em quem prestar a atenção neste ano, selecionei cinco jovens pilotos que deverão se destacar nos próximos 12 meses.

Meu objetivo aqui nunca é falar nomes óbvios como Theo Pourchaire ou Felipe Drugovich – favoritos ao título da F2 – nem repetir quem já apareceu nesta lista em edições anteriores. A ideia é destacar quem está saindo do kart ou dando os primeiros passos na carreira.

Antes de revelar os escolhidos, fica registrada a menção honrosa a Ugo Ugochukwu, do programa da McLaren e que após um ano de altos e baixos no kartismo fará a estreia na F4 Inglesa pela Carlin, que busca voltar a ser uma das grandes da categoria. E também a Broc Feeney, de apenas 19 anos de idade, que estreará na Supercars, da Austrália, como substituto do octacampeão Jamie Whincup.

Aliás, falando em pilotos que competem em território australiano, também vale prestar atenção em Matthew Payne, campeão da Toyota Racing Series em 2021 e que só não subiu direto para a Supercars (algo raríssimo de acontecer), porque foi impedido pela organização do campeonato.

Dito isso, vamos aos cinco pilotos em que devemos ficar de olho em 2022:

5) Cem Bolukbasi

Este piloto turco de 23 anos de idade ficou conhecido pelos bons resultados que vem conseguindo no mundo virtual, em games e simuladores. Ele, inclusive, defendeu a AlphaTauri no campeonato oficial do game da F1, em 2017, quando terminou com a quinta colocação, com direito a uma vitória.

Desde então, vem se dedicando aos carros reais. Em 2020, foi o vice da divisão Pro-Am do campeonato Europeu de GT4. No ano passado, participou de algumas etapas da Euroformula Open. Mesmo correndo em uma etapa sem a certeza de que continuaria na seguinte, conquistou duas vitórias, uma pole e mais seis pódios pela equipe Van Amersfoort.

Agora é especulado na F2 em 2022 pela mesma esquadra holandesa. Apesar da pouca experiência nos monopostos, Bolukbasi pode surpreender, e seu desempenho será um bom indicador do que podemos esperar no mundo real dos pilotos formados em simuladores.

BÔNUS: Dexter Patterson

Dexter Patterson não é um piloto dos mais conhecidos, mas pode surpreender no BTCC em 2022 – foto: f-regional by alpine/divulgação

Não é comum um campeão mundial de kart (Patterson triunfou na divisão OKJunior, em 2017) migrar para o BTCC, o principal campeonato de carros de turismo do Reino Unido. Enquanto a Stock Car, por exemplo, consegue atrair os brasileiros que chegaram até a boca para entrar na F1, os britânicos mais promissores preferem tentar Indy, Formula E e campeonatos internacionais de GT e protótipos em vez de voltar para casa.

Uma exceção foi Ash Sutton, que passou pela antiga F-Ford (campeonato que antecedeu a F4 Inglesa) em 2014 e depois migrou para o BTCC, onde conquistou o tricampeonato em 2021, correndo pela Infiniti.

Neste ano, Sutton vai defender a equipe de fábrica da Ford, e seu antigo posto será ocupado justamente por Patterson, vindo de uma carreira de poucos altos e muitos baixos nos monopostos. Enquanto a adaptação do novato aos carros de turismo é um ponto de interrogação, ao menos ele já sabe que contará com um equipamento competitivo em 2022.

4) Rafael Câmara

O piloto brasileiro fará a transição do kartismo para os monopostos em 2022, tendo acabado de assinar contrato com a Academia da Ferrari.

Em 2021, ele teve um desempenho dominante no kart: foi campeão da WSK Champions Cup, da WSK Super Masters Series e da Champions of the Future. Também terminou o Europeu como vice-campeão e chegou ao Mundial como favorito, mas abandonou após um furo no pneu enquanto brigava pela liderança.

Desde meados do ano passado, Câmara já estava mais preocupado com a transição para os carros de fórmula. O brasileiro participou de uma série de treinos da F4 Italiana pela Cram, equipe que não está entre as grandes da categoria, se destacou em alguns deles e agora está acertado com a gigante Prema. A expectativa é que ele lute já lute por pódios e vitórias em 2022.

3) Jak Crawford

Com somente 16 anos de idade, este jovem piloto tem chances reais de se tornar o próximo americano a chegar à F1.

Crawford integra o Red Bull Junior Team e vem conquistando bons resultados nas categorias de base da F1. Em 2020, foi o vice-campeão da F4 Alemã, em seu primeiro ano da Europa, sendo derrotado somente na última corrida da temporada.

No ano passado, andou pela Hitech na F3, pontuou com certa frequência, com direito a um segundo lugar em Spa-Francorchamps. Seus melhores momentos, contudo, vieram na Euroformula Open. Por lá, tomou parte de 16 corrida e ganhou metade delas. Foi o terceiro na tabela, mesmo tendo ficado fora de três rounds.

Em 2022, Crawford deve ser o sucessor de Dennis Hauger na Prema na F3 e terá equipamento de ponta para lutar pelo título. Por outro lado, a concorrência na esquadra deverá ser pesada. Também correrão por lá Oliver Bearman, primeiro piloto a ser campeão da F4 Italiana e da F4 Alemã no mesmo ano, e provavelmente um agora mais experiente Arthur Leclerc, ambos da Academia da Ferrari.

2) Ty Gibbs

Desde que comecei a tradição aqui no World of Motorsport de listar os pilotos mais promissores para o ano seguinte, nunca aconteceu de um representante da Nascar estar tão no topo do ranking.

Mas Ty Gibbs tem todos os fatores para se dar bem em 2022. Ele vai disputar a temporada completa da Nascar Xfinity, a divisão de acesso, depois de vencer quatro corridas nela no ano passado, incluindo em sua estreia no circuito misto de Daytona. Fechou o campeonato em 13º, mesmo tendo participado somente de 18 das 33 provas agendadas.

Ele defende a Joe Gibbs, uma das escuderias mais fortes da Nascar, cujo dono é seu avô. Então é certeza de que ele terá equipamento de ponta ao longo de toda a temporada e, de uma forma ou de outra, um dia desembarcará na divisão principal.

Ah, um último detalhe é que apesar de ter nascido em 2002 e sempre ter corrido nos EUA, o jovem piloto é muito fã de Ayrton Senna.

1) Andrea Kimi Antonelli

F4, Fórmula 4, geração 2, 2022, Prema, F4 dos Emirados Árabes, janeiro, calendário

O que dizer de um piloto que foi contratado pela academia da Mercedes quando tinha somente 12 anos de idade?

Agora, aos 15, o jovem italiano se prepara para fazer a transição para os monopostos, pela Prema, e já é considerado o favorito absoluto ao título da F4 Italiana em 2021. É por Antonelli existir que Rafael Câmara ficou de fora do top-3 desta lista. Afinal, só um deles poderá ser campeão neste ano.

Como forma de preparação, Antonelli disputou três rodadas da F4 Italiana no ano passado, quando conquistou três pódios e bateu na trave várias vezes para obter sua primeira vitória. Também correu na preliminar do GP de Abu Dhabi da F1, na estreia da nova geração dos carros de Fórmula 4, e cravou a pole.

Com apoio da Mercedes, talento e em uma equipe como a Prema, a questão talvez não seja se Antonelli um dia vai chegar à F1, mas, sim, quando.

Você concorda com as minhas escolhas? Se achar que eu esqueci algum nome, basta deixar um comentário abaixo.

fotos do post: euroformula open/divulgação, f-regional by alpine/divulgação, prema team/divulgação, dutch photo agency/red bull content pool, zach catanzareti photo/CC BY 2.0, prema team/divulgação

Confira os outros textos do especial de fim de ano:
12 anos de World of Motorsport
Os melhores de 2021 no automobilismo mundial
As Agendas da velocidade de 2021
2021 World of Motorsport Rookie of the Year
> O que acontece no automobilismo em janeiro