Pietro Fittipaldi já tinha anunciado que seria uma das ausências na edição de 2021 das 24 Horas de Le Mans. Originalmente, o brasileiro tinha assinado contrato para disputar a tradicional prova francesa pela equipe G-Drive, mas desistiu dos planos quando a corrida foi adiada de junho para agosto em uma tentativa de ser realizada com público.

Por causa da mudança de data, as 24h de Le Mans de 2021 acontecem no mesmo fim de semana da corrida da Indy em Gateway, e o brasileiro já tinha dito que a prioridade seria do oval, uma vez que seus planos são (eram?) de se dedicar à categoria americana nos próximos anos.

Só que Fittipaldi agora também não vai estar em Gateway. O piloto justificou dizendo que, agora que Romain Grosjean decidiu correr no oval, era pouco vantajoso competir em um terceiro carro da equipe Dale Coyne e que é melhor focar em 2022.

De um lado, a explicação do brasileiro faz todo o sentido. Se o objetivo é seguir nos monopostos, melhor abrir mão de Le Mans, ao menos nesse ponto da carreira, e dar prioridade à Indy. Além disso, quando a corrida foi adiada, Grosjean não estava confirmado em Gateway, e Fittipaldi imaginava que teria à disposição no oval o melhor equipamento da Coyne.

Do outro lado, mais uma vez estamos acompanhando a carreira do brasileiro não ter nenhum tipo de continuidade.

Onde Pietro Fittipaldi vai correr?

A desistência de correr tanto em Le Mans quanto em Gateway se soma ao conturbado 2017, em que o piloto estava escalado para competir ao mesmo tempo na Indy, na Super Fórmula e no WEC (até sofrer um grave acidente em Spa-Francorchamps) e a 2020, quando ia tomar parte da temporada completa na Super Fórmula, do Japão, mas desistiu de última hora para se dedicar ao posto de reserva da Haas e foi substituído por Sergio Sette Câmara.

Aliás, desde seu título na World Series, em 2016, Fittipaldi já passou por Indy, Super Formula, WEC, DTM, F1, F3 Asiática, ELMS, Stock Car e Porsche Cup Brasil. São quase dois campeonatos por ano.

Quem defende o brasileiro costuma dizer que tentar ser um piloto profissional é assim mesmo. Leva um tempo até começar a ser pago para correr, e faz parte disputar novos campeonatos em busca de um equipamento competitivo. Para alguns pilotos, esse momento de incerteza é mais rápido. Para outros, como o caso de Fittipaldi, está durando um pouco mais.

Já os críticos dizem que, após nove campeonatos em menos de cinco anos, é difícil entender qual é o foco do brasileiro e onde ele quer competir nas próximas temporadas.

Você pode clicar aqui para conferir os resultados completos das 24 Horas de Le Mans de 2021 e da Indy em Gateway, além das demais principais categorias do automobilismo mundial no fim de semana.

Pietro Fittipaldi, Indy, 2021, Dale Coyne, novatos
Pietro Fittipaldi também não estará na Indy em Gateway – foto: indycar/rf1/divulgação