Se no ano passado foram cinco os pilotos brasileiros disputando as 24 Horas de Spa-Francorchamps, em 2021 há somente um representante do país na principal corrida do mundo para carros GT3: Felipe Fraga.

O choque de data com a Stock Car impediu que Daniel Serra e Marcos Gomes participassem da tradicional prova belga, enquanto Augusto Farfus ficou de fora, uma vez que a prioridade da BMW agora é lançar seu novo carro GT3 no ano que vem, não ganhar neste ano.

Quanto a Fraga, pode até parecer surpreendente, mas esta é a sua primeira corrida de GT3 em 2021. Apesar de ter se destacado na modalidade nos últimos anos, na atual temporada o brasileiro tem se dedicado aos protótipos LMP3 da Imsa (onde venceu 100% das etapas de que tomou parte) e ao Aston Martin GTE-Am do WEC.

Alguém até pode questionar se pode haver algum problema de readaptação ao equipamento. Mas Fraga conhece muito bem o carro da Mercedes. É o mesmo em que ele andou nos últimos três anos. Tanto que vai largar na décima colocação em um grid de quase 60 veículos.

Além disso, o brasileiro é piloto de fábrica da marca alemã. Ou seja, é pago pela Mercedes para correr.

Felipe Fraga nas 24 Horas de Spa-Francorchamps de 2021

Em Spa-Francorchamps, ele foi colocado em uma equipe-cliente da marca, a AKKA ASP. Essa é a mesma esquadra pela qual ele já tinha andado no último ano, só que o carro em que ele vai correr não é 100% bancado pela montadora. Conta com alguns benefícios, como parte do orçamento pago e a própria presença de Fraga, mas também precisa ir atrás de parte do dinheiro e do time de engenheiros.

É o outro carro da AKKA ASP, de Raffaele Marciello, Jules Gounon e Daniel Juncadella, pole em Spa-Francorchamps, que tem apoio total da Mercedes.

Fraga competirá ao lado do russo Timur Bogulaviskiy, com quem já havia dividido o equipamento em 2020, e de Lucas Auer, que defende a Mercedes no DTM, agora disputado com carros GT3.

Por não contar com 100% do apoio da marca alemã, o carro de Fraga não está entre os favoritos à vitória na Bélgica. Mas é representado por um tripulação bastante experiente em disputas como as 24 Horas de Spa-Francorchamps, o que pode fazer a diferença no final.

Além disso, por ser uma corrida de 24 horas de duração, muita coisa pode acontecer. E não são raras as vezes que o primeiro colocado é um carro menos cotado para ficar com a vitória. Ou seja, se a Mercedes de Fraga tiver um dia sem sustos nem punições, pode, sim, chegar à última hora da prova com chances reais de ficar com a taça.

Lembrando que até hoje apenas um brasileiro ganhou as 24 Horas de Spa-Francorchamps: Christian Fittipaldi, em 1993. O então piloto da F1, naquele ano, guiou um Porsche ao lado do alemão Uwe Alzen e do francês Jean-Pierre Jarier, dois veteranos. Agora resta ver se Fraga se juntará a Fittipaldi na lista de brasileiros campeões.

Você pode clicar aqui para ver os resultados completos das 24 Horas de Spa-Francorchamps, assim como os das principais categorias do automobilismo mundial no fim de semana.

Em época de guerra na F1, Felipe Fraga compete com a curiosa combinação de capacete da Red Bull e macacão da Mercedes nas 24 Horas de Spa-Francorchamps – fotos do post: daimler/divulgação