Quem será o substituto de Brad Keselowski no carro número 2 da Penske na temporada 2022 da Nascar? A esquadra americana não fez muito mistério e, no início de julho, confirmou que Austin Cindric é quem ficará com a cobiçada vaga.

A escolha por Cindric representa uma ruptura em relação à estratégia que a Penske vinha tendo nos últimos anos. Com Keselowski – e também com Joey Logano e com Ryan Blaney -, o time optou por um jovem piloto de bastante potencial, mas que já tinha alguma experiência na principal divisão da Nascar. Mas nunca por um novato.

Com Cindric, a esquadra terá um estreante na principal divisão da Nascar pela primeira vez desde Sam Hornish Jr, em 2008.

Não deixa de ser uma opção curiosa, afinal Keselowski é um dos pilotos mais consistentes do time de Roger Penske. O ainda dono do carro número 2, em 12 temporada pela equipe, conquistou 34 vitórias, foi campeão em 2012 e se classificou duas vezes para a corrida decisiva, depois que os playoffs passaram a ser disputados no formato eliminatório.

Para substituir um competidor que constantemente luta pela primeira colocação, o esperado era a Penske ir atrás de alguém pronto para vencer desde já, não de um estreante. Mas a escolha por Cindric faz sentido por três motivos.

Austin Cindric na Penske na Nascar 2022

O primeiro é que, diferentemente de quando Jimmie Johnson anunciou sua aposentadoria da Nascar, e Kyle Larson já aparecia como favorito para substituí-lo, dessa vez não havia um nome óbvio no mercado para o lugar de Keselowski. Havia opções interessantes, como Kurt Busch, Ross Chastain e Erik Jones, mas nenhum era uma unanimidade.

Cada um trazia seus prós e contras. Busch já correu pela Penske e foi demitido após constantes brigas com repórteres. Precisaria que a escuderia americana estivesse disposta a dar a ele uma segunda chance. Já Chastain e Jones são jovens promissores, mas que ainda não se firmaram.

A segunda razão para a escolha de Cindric é que ele é “da casa”. O pai do piloto é Tim Cindric, presidente da Penske.

E a terceira é que a Nascar cada vez mais tem realizado provas em circuitos mistos, especialidade de Cindric. Neste ano, a categoria americana já passou pelo misto de Daytona, Circuito das Americas, Sonoma e Road America. Ainda correrá no misto de Indianápolis, em Watkins Glen e no Roval de Charlotte.

Nas corridas em que tem feito na Cup para se preparar para sua estreia em 2022, Cindric liderou no Circuito das Américas e parecia ter condições de brigar pela vitória em Road America até seu carro sofrer um problema mecânico.

Ou seja, com tantas etapas em mistos, não seria impossível que o novato da Penske consiga vitórias e se classifique para os playoffs frequentemente. Assim, ele seria capaz de tirar logo essa pressão por resultados de seus ombros e teria mais tempo para se adaptar aos ovais, onde não é tão dominante assim.

De qualquer forma, estamos falando do atual campeão da Nascar Xfinity e do líder da temporada 2021. E suas quatro vitórias neste ano na divisão intermediária vieram em ovais. Então há motivos, sim, para a Penske apostar que ele pode ser competitivo em todos os tipos de pista conforme for se adaptando à Nascar, o que o torna uma opção bastante coerente para substituir Keselowski.

Brad Keselowski vai deixar a Penske e correrá na Nascar em 2022 na Roush – fotos do post: penske/divulgação