Existe um tamanho de grid ideal para as categorias do automobilismo mundial? Quem acompanha a Nascar vai dizer que 40 carros muitas vezes é pouco e bom mesmo era época em que quase 60 tentavam se classificar para cada corrida.

Mas quem segue as categorias de base da F1, na Europa, está começando a ficar preocupado com a qualidade das provas da nova F-Regional by Alpine, que tem reunido mais de 30 pilotos em todas as etapas.

O problema é que, com tantos competidores assim, os acidentes se tornaram mais frequentes, e boa parte das voltas acontece atrás do safety-car.

Para se ter ideia, no último fim de semana, em Barcelona, o carro de segurança foi acionado em três oportunidades somando as duas baterias, sendo que na primeira corrida da rodada praticamente não houve voltas em bandeira verde.

Não deixa de ser um balde de água fria para quem esperava um ano bastante competitivo na F-Regional by Alpine.

Afinal, a categoria tem um grid fortíssimo, contando com pilotos como Paul Aron (da academia da Mercedes), Dino Beganovic (da Academia da Ferrari) e Gabriele Mini (cujo empresário é Nicolas Todt, o mesmo de Charles Leclerc). Isso sem falar em muitos outros participantes considerados promessas do esporte a motor desde a época em que estavam no kartismo e dos brasileiros Dudu Barrichello e Gabriel Bortoleto. Ou do surpreendente Grégorie Saucy, que lidera o campeonato.

Também não ajuda as provas serem marcadas por poucas ultrapassagens, uma vez que os carros da F-Regional by Alpine são muito dependentes da aerodinâmica e não contam com algum artifício como a asa traseira móvel para aumentar as disputas na pista.

E a F4 Italiana 2021?

Outra categoria que ligou o sinal amarelo pela quantidade (talvez) excessiva no número de participantes é a F4 Italiana, que conta com 37 inscritos para sua etapa de abertura neste fim de semana em Paul Ricard.

No caso da F4 Italiana, as preocupações são ainda maiores. Além de contar com mais pilotos que a F-Regional by Alpine, a categoria reúne competidores que estão mais no começo da carreira, com muitos participando da primeira corrida da vida em monopostos.

Claro que é muito bom para um campeonato se promover dizendo que tem quase 40 participantes em todas as etapas, porém a presença constante do safety-car pode afugentar fãs, além de comprometer o desenvolvimento dos jovens pilotos, o que aumenta os questionamentos sobre sua qualidade.

Aí chegamos à dúvida do começo deste texto: será que existe um tamanho de grid ideal no automobilismo mundial?

Você pode clicar aqui para ver como o grid da F4 Italiana 2021 está montado.

foto do topo: f-regional by alpine/divulgação

Com tantos carros em categorias como a F4 Italiana, o safety-car acaba trabalhando bastante – foto: aci csai/divulgação