24 Horas de Le Mans, 2020, pilotos brasileiros, 24h, Bruno Senna, André Negrão, Daniel Serra, Felipe Fraga, Marcos Gomes, Oswaldo Negri, Augusto Farfus

Quem são os brasileiros nas 24 Horas de Le Mans de 2020?

Os pilotos brasileiros estão em boa fase nas 24 Horas de Le Mans. Na edição do ano passado, dois deles – André Negrão (LMP2) e Daniel Serra (GTE-Pro) – venceram em suas classes e outro – Felipe Fraga (GTE-Am) – cruzou a linha de chegada na frente em sua divisão, mas acabou desclassificado, porque seu carro não foi aprovado na inspeção técnica após a prova.

Agora, em 2020, sete representantes do país retornam a La Sarthe em busca de melhorar o desempenho da edição anterior e de colocar o país mais uma vez no alto do pódio.

Confira abaixo quem são os pilotos brasileiros na disputa das 24 Horas de Le Mans de 2020, marcadas para os dias 19 e 20 de setembro:

Os brasileiros nas 24h de Le Mans 2020:

Bruno Senna (Rebellion nº1 – LMP1): Único representante do Brasil na classe LMP1, Senna disputa as 24h de Le Mans de 2020 com chances maiores que no ano passado.

O motivo é que o regulamento de 2019 beneficiava a Toyota, enquanto o deste ano equilibrou um pouco mais a luta entre a montadora japonesa e a Rebellion, equipe pela qual o brasileiro compete.

Entre as principais mudanças, os carros nipônicos ganharam um lastro para 2020 e terão a janela de reabastecimento similar à dos adversários – no ano passado os Toyota poderiam ganhar tempo fazendo menos paradas nos boxes.

Além disso, a Rebellion também está em boa fase. Ao lado de Norman Nato e de Gustavo Menezes, Senna ganhou as etapas de Xangai e do Circuito das Américas, ambas realizadas antes da pandemia. E o time também triunfou na edição virtual das 24 Horas de Le Mans, realizada em junho.

André Negrão (Signatech Alpine nº 36 – LMP2): Assim como Bruno Senna, André Negrão vem de uma tradicional família do automobilismo brasileiro – ele é filho do ex-piloto Guto Negrão e sobrinho de Xandy Negrão.

Nos dois últimos anos, venceu a divisão LMP2 das 24 Horas de Le Mans correndo pela equipe Signatech Alpine, mas o tricampeonato parece improvável neste momento.

O motivo é que a escuderia francesa teve uma queda de desempenho com a saída de Nicolas Lapierre, após o fim da temporada passada. Para o lugar dele, chegou Thomas Laurent, reserva da Toyota, mas que não vem conseguindo liderar o time. Nas seis etapas realizadas até agora, a Signatech foi ao pódio uma única vez, justamente na abertura do campeonato, em Silverstone, e ainda viu Laurent destruir o carro em um forte acidente na prova passada, em Spa-Francorchamps.

Daniel Serra (AF Corse Ferrari nº 51, GTE-Pro): Entre os brasileiros, Serra é quem tem as melhores chances nas 24 Horas de Le Mans de 2020. O motivo é que, além de ter triunfado na corrida do ano passado, ele compete na divisão GTE-Pro, que tem menos concorrentes à vitória após Porsche e Corvette terem desistido de mandar suas equipes dos EUA para a França e de Ford e BMW terem acabado com suas escuderias.

Antes de ser piloto de fábrica da Ferrari, Serra já ganhou em Le Mans pela Aston Martin, em 2017, quando ainda era desconhecido no automobilismo internacional. O brasileiro também tem se destacado em provas de longa duração nos EUA, onde já chegou na frente na Petit Le Man e tem poles em Daytona, Sebring e na própria Petit Le Mans.

Felipe Fraga (Team Project 1 Porsche nº 57, GTE-Am): Campeão da Stock Car em 2016, Fraga decidiu migrar neste ano de vez para o automobilismo internacional. Além de defender a equipe Project 1 no WEC, corre de Mercedes no GTWC europeu.

No ano passado, o Ford GT que defendia ao lado do americano Ben Keating e do holandês Jeroen Bleekemolen recebeu a bandeira quadriculada na frente na divisão GTE-Am, mas acabou desclassificado ao não ser aprovado na inspeção técnica.

Para este ano, sem apoio da Ford, o trio está andando de Porsche no Mundial de Endurance. Foram três pódios até agora somados a resultados ruins nas duas últimas etapas. O lado bom é que os três pilotos chegam a Le Mans sem lastro e poderão pisar fundo na luta pela vitória.

Essa, aliás, pode ser a última grande chance de Fraga levar a melhor na tradicional prova francesa pelos próximos anos. É que atualmente ele é considerado um piloto silver pela FIA. Nessa divisão, entra desde competidores com sucesso em certames de seus países, mas sem projeção mundial – como é o caso de Fraga – a amadores mais talentosos. E muitos campeonatos exigem que os carros tenham um piloto silver, onde Fraga já se mostrou ser um dos melhores. Para o ano que vem, ele será promovido a gold e brigará de igual por igual com todos os profissionais do esporte a motor.

Oswaldo Negri (Luzich Racing Ferrari nº 61, GTE-Am): veterano das corridas de longa duração, Negri vai para sua segunda disputa das 24 Horas de Le Mans na carreira – antes, em 2016, participou da prova na divisão LMP2.

Suas principais conquistas no endurance foram uma vitória nas 24 Horas de Daytona, em 2012, e outra na Petit Le Mans, em 2016, ambas na época em que disputava a Imsa.

Neste ano, correrá em Le Mans ao lado do francês Come Ledogar e de Francesco Piovanetti, de Porto Rico. O trio começou bem a disputa e vai largar na pole.

Marcos Gomes (Hub Auto Racing Ferrari nº 72, GTE-Am): Outro campeão da Stock Car a tomar parte do grid, Marcos Gomes garantiu a participação nas 24 Horas de Le Mans ao ser campeão da Asian Le Mans Series no começo do ano.

Desde meados do ano passado, o brasileiro tem também se dedicado ao automobilismo asiático, onde vem conquistando bons resultados.

Não deveria ser uma surpresa. Aqui no país, ele foi campeão do extinto GT Brasil e, nos EUA, acumula participações nas 24 Horas de Daytona. Em Le Mans, correrá ao lado de Morris Chen, de Taiwan, e de Tom Blomqvist, recentemente dispensado pela BMW.

Augusto Farfus (Aston Martin Racing nº 98, GTE-Am): Quem se acostumou a ver Farfus defendendo a BMW é bom ficar ligado: na edição deste ano das 24 Horas de Le Mans ele estará em um Aston Martin.

O brasileiro foi trazido pelo veterano Paul Dalla Lana justamente pela sua experiência com a marca alemã. Pela BMW, nas provas de longa duração, ganhou as 24 Horas de Nurburgring de 2010 e a divisão GTLM das 24 Horas de Daytona em 2019 e em 2020. E, em 2018, ganhou a Copa do Mundo de carros GT, em Macau. O britânico Ross Gunn completa o time de Aston Martin em Le Mans.

Agora que já sabe quem são os pilotos brasileiros competindo, você pode clicar aqui para ver os resultados das 24 Horas de Le Mans 2020, assim como os das principais categorias do automobilismo mundial no fim de semana.

24 Horas de Le Mans, 2020, pilotos brasileiros, 24h, Bruno Senna, André Negrão, Daniel Serra, Felipe Fraga, Marcos Gomes, Oswaldo Negri, Augusto Farfus
Os carros da divisão GT das 24 Horas de Le Mans de 2020 – imagens do post: andy blackmore

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s