Antes de o mundo parar por causa da pandemia do novo coronavírus, Dudu Barrichello era um dos pilotos que tinham tudo para estourar em 2020.

Sua boa fase, na verdade, já vinha desde o fim do ano passado, quando assinou com a equipe DEForce para a segunda metade da temporada da USF2000. Na nova casa, largou uma vez na primeira fila e quase foi ao pódio. Depois, foi um dos destaques nos treinos de pós-temporada.

Para 2020, apesar de a transição para o automobilismo europeu ter sido especulada, ele fechou com a equipe Pabst, uma das melhores – ou então a melhor – da USF2000.

E os resultados estavam vindo. Foi o mais veloz em três das cinco sessões de testes do Spring Training, que acontece antes do início do campeonato, em Homestead-Miami, e liderou o treino livre realizado em St. Petersburgo, quando ainda se acreditava que fosse ter corrida.

Não deu nem tempo de a USF2000 disputar o treino classificatório para abertura em St.Pete, pois todas as atividades de pista – e consequentemente da temporada – foram suspensas pelo novo coronavírus.

Dudu Barrichello no automobilismo virtual

Nesses tempos de pandemia, boa parte dos pilotos tem se dedicado às corridas virtuais, e com Barrichello não tem sido diferente. Entre outros campeonatos, ele está disputando o torneio oficial do Road to Indy – para quem compete nas categorias de acesso dos EUA – e está na luta pelo título.

No último fim de semana, conquistou sua primeira vitória, na versão virtual de Road America. Nas três provas anteriores, tinha sido o segundo no Circuito das Américas e o terceiro em Barber e no misto de Indianápolis.

Faltando apenas a corrida em Mid-Ohio, o que complica para Barrichello é que o americano Phillippe Denes triunfou nas três primeiras etapas e foi terceiro em Road America, sendo o favorito absoluto à taça.

Em outro campeonato, este com carros de F3, o filho mais velho de Rubens Barrichello terminou em terceiro em uma prova em Silverstone, em vitória do compatriota Felipe Drugovich. Nessa, foram quase 60 pilotos das categorias de base de todo o mundo se inscrevendo para participar.

Agora, resta ver se Barrichello conseguirá manter a boa forma do início do ano – e do mundo virtual – quando as corridas voltarem ao mundo real.

Seus pontos fortes são a experiência acumulada na USF2000 em 2019 e andar pela Pabst, que nos dois últimos anos venceu o campeonato entre as equipes.

Por outro lado, ele terá a concorrência da poderosa escuderia Cape, que desde 2011 tem levado um de seus pilotos ao título – embora no ano passado quase tenha sido derrotada por um competidor da Pabst.

Outros fortes adversário serão o dinamarquês Oliver Rasumussen, da equipe do (ex-?) piloto Jay Howard, Josh Green, da Cape, e Christian Brooks, vindo da F4 USA e que curiosamente começou a carreira no rallycross antes de fazer a transição para os monopostos.

A tarefa será complicada para Barrichello, mas neste começo de 2020 ele vem mostrando que tem condições de ser um dos favoritos.

Por enquanto a abertura da temporada 2020 da USF2000 está marcada para os dias 20 e 21 de junho em Road America, mas as datas podem mudar em decorrência da pandemia do novo coronavírus, uma vez que os Estados Unidos são o país mais atingido pela doença.

Você pode clicar aqui para ver os resultados completos da etapa virtual do Road to Indy, em Road America, assim como das principais categorias do automobilismo em simuladores no fim de semana.

foto do topo: road to indy

imagem de Dudu Barrichello
Dudu Barrichello ganhou a corrida virtual de Road America do Road to Indy – imagem: iRacing