Você já ouviu falar que para ter sucesso no automobilismo é preciso estar no lugar certo e na hora certa? Foi o que aconteceu com Maximilian Gunther – vencedor da etapa do Chile da Formula E, neste fim de semana – para conseguir assinar com a BMW.

E dá até para dizer que Felipe Nasr deu um empurrãozinho para que esse acordo acontecesse.

Tudo começou em janeiro de 2019, quando o piloto brasileiro negociava para participar do treino dos novatos da Formula E – a atividade destinada a quem nunca correu na categoria – pela Dragon.

Na época, Nasr e a escuderia americana não conseguiram fechar um acordo a tempo. O brasileiro chegou até mesmo a viajar para o Marrocos, onde o treino era realizado, mas não pôde entrar no carro e ir à pista.

Mesmo assim, as conversas com a Dragon continuaram e ficou acertado que Nasr assumiria o posto de titular da esquadra a partir da etapa da Cidade do México, a quarta da temporada passada.

É aqui que Gunther entra na história. Com o acerto entre Nasr e a Dragon, foi justamente o piloto alemão que cedeu a vaga e ficou a pé. O germânico soube da notícia que seria substituído em Santiago, durante a terceira rodada da temporada, e começou a buscar vaga em outras equipes para permanecer no certame.

Uma delas era a BMW, que tinha António Félix da Costa e Alexander Sims como titulares e havia vencido uma das corridas disputadas até então.

Maximilian Gunther e a BMW

A escolha pela BMW não era por acaso. Além do bom momento da equipe, Gunther tinha sido campeão, em 2011, de um torneio realizado pela montadora, chamado Talent Cup, destinado a aqueles que estavam começando no esporte a motor. Então o germânico não era um total desconhecido quando para a marca.

Gunther, porém, não conseguiu descolar uma vaga a tempo da etapa da Cidade do México. Enquanto isso, Nasr disputou três etapas da Formula E pela Dragon e não foi bem. Sem experiência com o equipamento e ainda precisando aprender como a equipe trabalha, ele não marcou nenhum ponto e abandonou duas das três corridas de que tomou parte.

Quando a Formula E chegou a Roma, para a sétima etapa da temporada 2018-2019, o brasileiro não pôde correr, porque a etapa da Imsa em Long Beach acontecia na mesma data. E, por contrato, sua prioridade era o campeonato dos EUA.

Felipe Nasr fora da Dragon

A Dragon, então, chamou Gunther para voltar ao carro. Na Itália, o alemão se destacou. Se classificou em quinto no grid e estava andando entre os dez primeiros da corrida – apesar de ter batido no muro no começo da prova – quando foi punido duas vezes, terminando fora da zona de pontos.

Na etapa seguinte, na França, o alemão continuou no equipamento e recebeu a bandeirada em quinto, conquistando o melhor resultado da Dragon naquele ano. A partir daí, Gunther tinha seu contrato estendido pela equipe por corrida após corrida, sem nenhuma certeza de que terminaria a temporada, sempre com a possibilidade de ser substituído novamente. Mas, no fim, Nasr não voltou mais ao grid, e o alemão concluiu o ano participando de todas as etapas restantes, repetindo o quinto lugar na Suíça.

Ao fim da temporada, o mercado de pilotos da Formula E ficou bastante quente. A Porsche, que se preparava para estrear na categoria, tirou André Lotterer da DS Techeetah, equipe bicampeã com Jean-Éric Vergne.

Para o lugar de Lotterer, o time chinês foi atrás de Félix da Costa, que surpreendentemente não tinha contrato assegurado com a BMW. Apesar do bom desempenho da marca alemã no começo da temporada 2018-2019, o piloto português não pensou duas vezes e aceitou a proposta da melhor esquadra do grid.

Precisando encontrar um substituo, a BMW se lembrou do imbróglio enfrentado por Gunther na Dragon e o chamou para participar de um teste e ser avaliado na pista. O piloto foi tão bem, que assinou contrato para ser titular na atual temporada. Três corridas depois, ele já conquistou sua primeira vitória na Formula E na nova casa.

Ou seja, foi aquela primeira reunião com a BMW em Santiago, em janeiro de 2019, que abriu as portas para o piloto na marca alemã. Sem ela, talvez a montadora jamais tivesse cogitado Gunther e optaria por dar a vaga de Félix da Costa a algum de seus contratados no DTM ou nas categorias de carro GT.

Você pode clicar aqui para ver os resultados completos da Formula E no Chile, assim como os das principais categorias do automobilismo mundial no fim de semana.

foto Maximilain Gunther da Formula E
Maximilian Gunther venceu na Formula E apenas na terceira corrida que fez pela BMW – fotos do post: bmw/divulgação