foto de Pietro Fittipaldi

Pietro Fittipaldi na F3 Asiática 2019-2020

Pietro Fittipaldi é a maior surpresa no grid da rodada de abertura da nova temporada da F3 Asiática, que começa neste fim de semana em Sepang.

O espanto se dá porque o brasileiro já teve passagens por categorias profissionais, como o DTM, a Indy, o WEC e a Super Fórmula, do Japão, além de ser o atual piloto de testes da Haas, na F1, e agora vai competir em um torneio destinado a quem está no começo de carreira e acabou de deixar a F4.

Mas por que Fittipaldi resolveu descer tanto, até a F3, neste momento?

A resposta pode ser o fato de a F3 Asiática distribuir pontos para obter a superlicença, documento obrigatório para correr na F1. O campeão levará 18 pontos, o vice ficará com 14, e até o nono colocado receberá ao menos um ponto.

Segundo as contas do próprio Fittipaldi, ele tem 36 desses pontos, sendo que são necessários chegar aos 40 para obter a superlicença. Ou seja, pela matemática dele, caso termine a F3 Asiática em sexto, receberá o restante e estará liberado para um dia correr na F1.

E, apesar de todas as vagas para a temporada 2020 da principal categoria do automobilismo mundial já estarem ocupadas, a própria permanência do brasileiro na Haas pode depender de obter o documento.

Fittipaldi já afirmou, em algumas entrevistas, que gostaria de ampliar suas funções na escuderia americana em 2020, se tornando o piloto reserva do time – atualmente, o trabalho dele acontece principalmente no simulador.

Como o reserva é que é chamado para correr caso aconteça alguma coisa com os titulares, como um forte acidente nos treinos livres ou acordar doente num domingo de GP, é obrigatório que o dono dessa função tenha uma superlicença válida.

E Fittipaldi já tem concorrência para assumir esse cargo. Robert Kubica, que foi o titular da Williams em 2019 e, portanto, já tem uma superlicença, negocia com a Haas para ser o reserva no ano que vem, de olho em eventualmente substituir Romain Grosjean ou Kevin Magnussen na temporada 2021 da F1.

Assim, mais do que nunca o brasileiro está pressionado para obter a superlicença e se manter na Haas. E como a F3 Asiática começa neste fim de semana e termina em fevereiro, é a chance de ele conquistar os quatro pontos, que segundo suas contas, faltam para obter o documento.

E, caso a descida do brasileiro para esse certame seja justamente para obter os pontos da superlicença, será a primeira vez que o piloto terá uma estratégia mais agressiva para consegui-los. Antes, ele tinha preferido se dedicar a campeonatos como o DTM e a Super Formula, onde chances de acumular esses pontos eram baixas.

Dan Ticktum na F3 Asiática

Mas não dá para achar que a superlicença já está no papo. Dan Ticktum, o polêmico britânico que foi demitido do Red Bull Junior Team no começo de 2019, tentou estratégia parecida e disputou a temporada anterior da F3 Asiática.

Só que o desempenho dele foi tão ruim que estava longe de conseguir os resultados necessários. E a situação ficou ainda pior quando, no meio da campanha, descobriu que a F3 não distribuiria ponto algum.

foto de Pietro Fittipaldi na Haas
Pietro Fittipaldi precisa obter a superlicença se um dia quiser ser titular da Haas na F1 – fotos do post: haas f1 team/rf1/divulgação

Um comentário sobre “Pietro Fittipaldi na F3 Asiática 2019-2020

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s