foto de Pipo Derani e Felipe Nasr

A surpreendente temporada de Nasr e Derani na Imsa 2019

Quando a equipe Action Express anunciou que Pipo Derani seria o companheiro de Felipe Nasr na temporada 2019 da Imsa, a expectativa era que a dupla fosse uma forte concorrente às vitórias nas corridas curtas (com 2h40 min de duração), mas tivesse problemas nas provas mais longas, como as 24 Horas de Daytona e as 12 Horas de Sebring.

O motivo era, nessas etapas de maior duração, o terceiro piloto do time ser o americano Eric Curran, considerado um gentleman driver, mas com bastante experiência no automobilismo.

Em comparação, a Penske, por exemplo, se reforça com pilotos da Indy, para essas corridas em que trios ou até mesmo quartetos dividem os veículos.

No entanto, o que se viu ao longo da temporada recém-terminada da Imsa foi o oposto. Ao lado de Curran, os brasileiros Nasr e Derani ganharam as 12 Horas de Sebring e a Petit Le Mans (com dez horas de duração), mas não chegaram na frente em nenhuma das corridas que fizeram sozinhos.

Aliás, dos cinco pódios obtidos por eles em 2019, três vieram em etapas de longa duração. Nas curtas, finalizaram no top-3 somente em Detroit e em Laguna Seca.

Uma das razões foi a queda de desempenho do Cadillac DPi ao longo da temporada. O equipamento da GM, pilotado pela dupla brasileira, foi dominante em 2018, mas agora viu o Acura e o Mazda andarem na frente, com essas montadoras conquistando três vitórias cada uma em 2019.

Tanto que o título ficou com o Acura de Juan Pablo Monotya e Dane Cameron, da Penske.

O rendimento abaixo do esperado da Cadillac em 2019 foi geral. No outro carro da Action Express, que teve os portugueses João Barbosa e Filipe Albuquerque, dois dos três pódios também foram conquistados em corridas de longa duração. E o equipamento da Wayne Taylor, campeão em 2017 e vitorioso nas 24 Horas de Daytona, não chegou no top-3 em nenhuma corrida sprint.

Nessas horas, tanto dá para dizer que as outras marcas foram melhores na hora de desenvolver o equipamento, quanto pode-se apontar o BoP – a equalização dos carros – como grande vilão.

Falando no BoP, para as duas últimas etapas deste ano, o Cadillac recebeu um respiro: passou a ter um restritor de ar com buracos maiores e seu peso mínimo diminuiu 35 kg. Não por acaso Nasr e Derani terminaram no pódio nas duas corridas: foram segundos em Laguna Seca e receberam a bandeira quadriculada na frente em Road Atlanta.

Aliás, com o triunfo na Petit Le Mans, Derani agora já tem no currículo triunfos nas 24 Horas de Daytona, nas 12 Horas de Sebring e também na etapa que fecha o campeonato da Imsa. Falta somente levar a melhor em Watkins Glen – onde já largou na pole – para garantir seu domínio nas principais corridas de longa duração dos EUA. Já Nasr chegou ao seu terceiro primeiro lugar nos EUA.

Para o ano que vem, a equipe Action Express já renovou o contrato dos dois brasileiros, mas alinhará um único carro. Ou seja, o foco estará totalmente em Nasr e Derani.

Nas provas de longa duração, eles terão o experiente Mike Conway, piloto de fábrica da Toyota no WEC, como companheiro. Assim, a expectativa é que, o BoP permitindo, eles consigam brigar por vitórias tanto nas corridas curtas quanto nas longas da Imsa 2020.

Outros brasileiros na Petit Le Mans

Ainda falando sobre Petit Le Mans 2019, dois outros representantes do país tiveram bom desempenho. Ao lado de Alessandro Pier Guidi e James Calado, ambos pilotos de fábrica da Ferrari, Daniel Serra ganhou na divisão GTLM, justamente no retorno às pistas da tradicional equipe Risi.

Lembrando que neste ano o brasileiro terminou na frente em sua divisão nas 24 Horas de Le Mans, além de ter ganhado três das quatro corridas de que participou na Blancpain GT America. Falta apenas o título da Stock Car para coroar a temporada perfeita.

Já Felipe Fraga está próximo de terminar sua temporada com maior número de decepções. No fim de semana, o brasileiro chegou perto de triunfar na divisão GTD da Petit Le Mans, mas seu carro teve uma pane seca na última volta, justamente porque a equipe Riley estava apostando na estratégia de economia de combustível para vencer – e que não deu certo.

Sua outra grande decepção neste ano aconteceu em Le Mans, quando cruzou a linha de chegada na frente na divisão GTE-Am, mas acabou desclassificado, no dia seguinte, quando seu Ford GT não foi aprovado na inspeção técnica após a prova. Falta apenas o vice da Stock Car para coroar os quases em 2019.

Mas nada é só frustração. O brasileiro, ao lado do americano Ben Keating e do holandês Jeroen Bleekemolen, foi o maior pontuador levando em conta apenas as corridas de longa duração da Imsa neste ano (chamado de Endurance Cup) e foi o campeão da divisão Silver Cup da Blancpain Endurance Series de 2019.

Você pode clicar aqui para ver os resultados completos da Petit Le Mans, assim como os das principais categorias do automobilismo mundial no último fim de semana.

foto de Pipo Derani e Felipe Nasr
Pipo Derani e Felipe Nasr venceram em 2019 as 12 Horas de Sebring e também a Petit Le Mans da Imsa – fotos do post: josé mario dias/fgcom/divulgação

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s