red bull, red bull 2019, red bull junior team, red bull junior team 2019

Red Bull Junior Team 2019

Esses dias escrevi aqui no World of Motorsport como a Indy teve a oportunidade de atrair Liam Lawson, o primeiro campeão de 2019, mas o deixou escapar.

Ruim para o categoria americana e seus campeonatos de acesso, mas bom para o Red Bull Junior Team. É que o neozelandês, de 17 anos de idade recém-completados, foi anunciado nesta semana como novo integrante do programa de pilotos rubro-taurino.

Ao assinar com Lawson, Helmut Marko contratou um dos jovens pilotos mais promissores das categorias de base e vai formando uma dupla interessante para a Toro Rosso, em alguns anos, se conseguir colocar o neozelandês junto com Dan Ticktum.

Se Lawson foi a grande surpresa da escalação da iniciativa, o Red Bull Junior Team 2019 cresceu e terá nove pilotos, sendo três deles estreantes no programa. Veja abaixo os recém-contratados:

Liam Lawson: principal novidade da fabricante de energéticos, o neozelandês já tem no currículo o vice-campeonato da F4 Alemã (quando foi o grande destaque do grid) e o título da Toyota Racing Series. Neste ano, vai correr na F-European Masters (equivalente à F3) e é o favorito. Claro que ainda é muito cedo para avaliá-lo, mas a expectativa é que chegue à F1.

Lucas Auer: nos últimos quatro anos o sobrinho de Gerhard Berger disputou o DTM, mas acabou sem vaga no grid depois que a Mercedes deixou a categoria no fim do ano passado. Por já ter 24 anos, ele é considerado velho para um programa de desenvolvimento de jovens pilotos, o que levanta questões sobre por que a Red Bull resolveu assinar com ele. Vai disputar a Super Formula, no Japão, e é improvável que acumule os pontos necessários da superlicença para um dia chegar à F1.

Juri Vips: no começo de 2018, este piloto estoniano nem sequer aparecia entre os favoritos da F3 Euro. Mas ao longo da campanha ele passou a brigar sempre pelas primeiras colocações e se tornou um dos melhores pilotos do grid nas classificações. Sua estreia no RBJT foi no GP de Macau, no fim do ano passado. Cruzou a linha de chegada em sétimo, mas em momento algum foi uma ameaça para Ticktum, bicampeão da prova e seu colega de programa. Em 2019, vai correr pela Hitech na F3 (antiga GP3) e, assim como no ano passado, corre por fora na luta pelo título.

Yuki Tsunoda – atual campeão da F4 Japonesa, este piloto asiático será o primeiro protegido da Honda a usufruir da parceria entre a montadora japonesa e a fabricante de energéticos. Vai tomar parte tanto da F3 quanto da F-European Masters, como uma forma de acelerar seu processo de adaptação ao automobilismo europeu. Ainda é muito cedo para dizer do que ele é capaz.

E com relação à escalação do ano passado, apenas um piloto deixou o programa: Neil Verhagen, que decepcionou em sua segunda temporada na F-Renault Eurocup. Em um ano cuja expectativa era de vê-lo brigar pelo título, o americano terminou apenas em 11º na tabela de pontos, sem nem sequer ter subido ao pódio.

Ticktum, Jack Doohan, Dennis Hauger, Johnny Edgar e Harry Thompson continuam no Junior Team em 2019. Veja o que esperar deles nesta temporada:

Dan Ticktum: polêmico piloto britânico está a apenas cinco pontos de obter a superlicença e garantir a ida para a F1. O problema é que, para conquistá-los, precisa ser tricampeão do GP de Macau de F3 ou ficar entre os cinco primeiros da Super Formula, tarefas consideradas complicadas. Mas é verdade que Pierre Gasly foi vice-campeão quando disputou a mesma categoria no Japão, então a Red Bull tem motivos para exigir o mesmo desempenho de seu principal pupilo.

Jack Doohan: filho de Mick Doohan, lenda da Motovelocidade, o australiano está mostrando que é bastante rápido – infelizmente para ele a velocidade está em pular etapas de seu desenvolvimento como piloto. Em 2018, saiu da divisão OKJunior do kartismo internacional para correr na F4 Inglesa. Foi o quinto colocado entre os 13 que disputaram a temporada completa. Para 2019, em vez de fazer mais um ano em alguma F4, vai correr tanto na F3 Asiática quanto na Euroformula Open. Como são categorias com o grid mais fraco que os das concorrentes, ele deve ir bem, mas fica a dúvida quanto esse caminho alternativo pode prejudicar seu crescimento nas pistas.

Dennis Hauger: veja só, este norueguês já tinha obtido bons resultados no kartismo quando fez a transição para a F4 Inglesa no ano passado, inclusive terminando na frente de Doohan na tabela de pontos. Enquanto seu colega de Red Bull vai para a F3, Hauger ficará mais uma temporada na F4, se dividindo entre as versões alemã e italiana da modalidade. É um dos principais adversários de Gianluca Petecof na luta por esses títulos.

Johnny Edgar: fazendo a transição do kartismo para os monopostos neste ano, o britânico vai disputar a F4 Italiana pela boa equipe Jenzer. Campeão europeu de kart em 2017, na divisão OKJunior, ele pode surpreender neste ano.

Harry Thompson: tendo sido vice-campeão europeu de kart nos dois últimos anos, este britânico só não fez a transição para os monopostos em 2019 por causa da idade – faz 15 anos apenas em agosto. Muito cedo para avaliar seu potencial.

Dan Ticktum, Red Bull, Red Bull 2019, Red Bull Junior Team, Red Bull Junior Team 2019, Super Formula
Dan Ticktum vai disputar a Super Formula em 2019, tarefa complicada para ele – foto: superformula

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s