911 gt3 r, team earl bamber motorsport, race, intercontinental gt challenge, mount panorama circuit, bathurst 2019, 12 horas de Bathurst, Dennis Olsen, Matt Campbell, Dirk Werner

Como a Porsche formou o time campeão das 12h de Bathurst

Nunca deve-se dizer que a Porsche corre por fora em uma competição. Mas não é como se o trio formado pelo australiano Matt Campbell, pelo norueguês Dennis Olsen e pelo alemão Dirk Werner, que não estão no primeiro escalão dos contratados da montadora, estivesse entre os mais cotados para ganhar as 12 Horas de Bathusrt, no último fim de semana.

Só que a estratégia de colocar pneus novos na última parada para troca de pilotos e a entrada do safety-car na hora final de prova permitiram que Campbell imprimisse um ritmo muito forte e ultrapassasse a BMW de Augusto Farfus e Martin Tomczyk, a Mercedes de Raffaele Marciello e o Aston Martin de Jake Dennis para dar o primeiro triunfo à montadora alemã na montanha australiana.

O curioso é que cada integrante do time campeão chegou à Porsche por um caminho diferente. Abaixo, você pode ver como eles foram descobertos. E já é possível chegarmos a uma conclusão: da mesma forma que o recrutamento da montadora é um sucesso, não existe um caminho único para ter uma carreira vitoriosa no esporte a motor.

Matt Campbell

Principal nome da corrida do domingo por causa das ultrapassagens que fez no fim, Campbell, de apenas 23 anos, é apontado como uma das grandes estrelas das corridas de carros GT nos próximos anos.

E a Porsche, na verdade, nem precisou descobri-lo. Todos os anos a montadora reúne os pilotos que se destacaram nos campeonatos organizados por ela (como a Porsche Cup aqui do Brasil, a alemã, a britânica etc.) e oferece a um deles uma bolsa para andar na Supercup, que faz a preliminar da F1, na temporada seguinte.

Em 2016, Campbell foi o campeão da Porsche Austaliana, com nove vitórias nas últimas 11 corridas, e acabou convidado para essa seletiva. Ganhou.

Como o grid da Supercup, em 2017, era formado por alguns veteranos, o jovem australiano nem aparecia entre os favoritos. Veio a primeira corrida do ano, na Espanha, e ele marcou a pole. No Red Bull Ring e no México, subiu ao degrau mais alto do pódio. Aí foi o suficiente para a Porsche perceber que tinha alguém super-promissor e promovê-lo para ser piloto de fábrica (jovem profissional, como a marca chama).

Fora do IGTC, o australiano corre no WEC em equipes clientes da fabricante, mas é questão de tempo para ser alçado às principais vagas, como a Imsa e a divisão GTE-Pro, do WEC.

Dennis Olsen

No começo da década, este norueguês de 22 anos de idade era um dos grandes nomes do kartismo internacional. Quem acompanhava as corridas dele dizia que era questão de tempo para que chegasse à F1, tanto que uma época ele foi observado de perto pela Red Bull.

O ano decisivo de sua carreira foi 2015. Sem dinheiro para subir para a F3, ele fez uma terceira temporada de F-Renault. Como tinha sido o vice no ano anterior e pela experiência acumulada, era favorito absoluto ao título. Não só perdeu, como acabou o campeonato apenas em oitavo, com uma única vitória.

No fim daquele ano, Olsen se inscreveu em uma seletiva que a Porsche fazia para competidores vindos dos monopostos e a venceu. O prêmio era a temporada seguinte na Porsche Carrera Cup Alemã com tudo pago. O ano de estreia foi de altos e baixos, e o título veio em 2017. Aí, assim como Campbell, foi promovido ao posto de jovem profissional, e se divide entre equipes clientes da marca no WEC e, neste ano, o IGTC.

Dirk Werner

Se seus dois colegas de Bathurst foram achados pela Porsche quando estavam dando os primeiros passos no esporte a motor, Werner, de 37 anos, já era um piloto com longa carreira quando assinou com a fabricante em 2017.

Antes, por muitos anos ele defendeu a BMW, tendo inclusive feito parte da esquadra bávara no retorno dela ao DTM.

Mas conforme a BMW ia renovando seu plantel, Werner perdeu espaço e acertou a transferência para a Porsche.

Nos últimos anos, formou com Patrick Pilet uma das duplas mais fortes da divisão GTLM da Imsa, mas, em 2019, seu principal objetivo será o IGTC, ao lado de Olsen e Campbell.

Você pode clicar aqui para ver os resultados completos das 12 Horas de Bathurst, assim como os das principais categorias do automobilismo mundial no último fim de semana.

ebm, qualifying, intercontinental gt challenge, mount panorama, bathurst, 2019, porsche ag, 12 horas de Bathurst
Porsche dominou as 12 Horas de Bathurst de 2019

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s