Situação bastante rara no automobilismo vai acontecer na primeira etapa do campeonato de inverno da F3 Asiática, marcada para este fim de semana em Buriram, na Tailândia.

É que um casal vai correr um contra o outro – e por equipes diferentes – nessa temporada. Trata-se da húngara Vivien Keszthelyi e do alemão David Schumacher, que são namorados.

Keszthelyi pilotará pela BlackArts e está aproveitando a F3 para ganhar quilometragem em monopostos, afinal no fim do mês vai participar da seletiva das 18 vagas da W Series, a controversa categoria destinada apenas para mulheres e que também tem a brasileira Bruna Tomaselli entre as concorrentes.

Antes, a húngara defendeu as cores da Audi em campeonatos de turismo e GT na Europa.

Já Schumacher, filho de Ralf Schumacher, deve disputar neste ano alguma das F3 que surgiram. Em 2018, ele fez a estreia na F4 Alemã, sendo o melhor novato, mas nem sequer tendo subido ao pódio.

Como o pulo da F4 para uma F3 pode ser grande demais para ele neste momento da carreira, a estratégia é já começar 2019 correndo com o novo equipamento. Na Ásia, defenderá as cores da Pinnacle. Lembrando que no fim do ano passado, o piloto estreou na Euroformula Open, andando pela RP, mesma equipe que levou Felipe Drugovich ao título do certame.

Como o automobilismo é um esporte em que a maior parte dos praticantes são homens e a vida pessoal dos competidores não é seguida tão de perto por jornalistas de celebridade – exceção feita a Lewis Hamilton -, namorados, noivos ou casados disputando um mesmo campeonato é uma situação rara e pouco divulgada, mas que de vez em quando acontece.

O caso recente mais famoso foi de Danica Patrick e Ricky Stenhouse Jr. Eles namoraram de 2013 a 2017, anos em que competiram na principal divisão da Nascar.

Voltando ao campeonato de inverno da F3 Asiática, outro destaque é a participação de Dan Ticktum, que busca os cinco pontos que faltam para obter a superlicença e poder correr na F1.