Não deu certo

Não foram poucos os pilotos que fizeram a transição do kartismo para os monopostos em 2018. No Reino Unido, a fila foi puxada por Dennis Hauger, Paavo Tonteri e Jack Doohan (filho de Mick Doohan). Na Alemanha, os novatos foram representados por Gianluca Petecof e David Schumacher, enquanto Caio Collet foi campeão na França contra Ulysse De Pauw, Theo Pourchaire, Arthur Leclerc e os irmãos Muth, entre outros.

Em comum, todos eles disputaram a F4 em seu primeiro ano nos carros maiores.

Caminho diferente tiveram Clement Novalak e Sami Taoufik, dois dos kartistas mais badalados da geração. Eles decidiram tomar parte da F-Renault Eurocup, campeonato conhecido por ser difícil para quem está estreando nos monopostos e que costuma reunir campeões de várias F4 do ano anterior.

E sem dúvida nenhuma o plano deles não deu certo. Ao longo das 20 corridas da temporada, juntos eles somaram apenas um único ponto – do décimo lugar de Taoufik em Hungaoring. Em que pese Novalak ter perdido três provas em razão das lesões sofridas em um acidente no Red Bull Ring.

Agora, por que dois dos pilotos mais promissores do esporte a motor tiveram um 2018 tão abaixo do esperado?

Por um lado, dá para argumentar que eles erraram feio no planejamento. Quiseram repetir Charles Leclerc, que teve destaque na F-Renault em seu primeiro ano no automobilismo, em 2014, mas se esqueceram de que nos últimos anos são os pilotos com mais experiência, como Sacha Fenestraz, Lando Norris e Robert Shwartzman, que têm dominado a categoria.

Mas também pode ter sido uma estratégia: entrar na F-Renault logo de cara, já sabendo que iam sofrer em sua primeira temporada no certame, para aprender as pistas, conhecer o carro, os pneus, as equipes e, assim, lutar pelo título no ano seguinte.

Caso a resposta seja essa segunda opção, a má notícia para eles é que no ano que vem a F-Renault Eurocup deixa de existir como é hoje – um passo intermediário entre F4 e F3 – para se tornar uma F3 de fato.

Nos últimos meses, a montadora francesa negociou com a FIA para organizar a versão europeia da F3 em 2019, mas o direito de promover o certame foi dado à organização da F4 Italiana. Mesmo assim, a Renault bateu o pé e já anunciou o lançamento do seu próprio campeonato – chamado provisoriamente de F3 by Renault e de F3R.

Aí, todo o trabalho que Novalak e Taoufik tiveram de aprender a F-Renault fica comprometido. É claro que, se eles forem para a F3R em 2019, terão a vantagem de já conhecer boa parte das pistas e saber como as equipes trabalham. Mas, quanto ao equipamento, todo mundo vai começar do zero.

Por fim, ainda que a temporada 2018 desses dois pilotos tenha sido muito ruim, não fique surpreso se eles conseguirem dar a volta por cima. Afinal, chamaram atenção no kartismo pelo talento que têm, qualidade que não se perde de uma hora para a outra.

Você pode clicar aqui para ver os resultados completos da última etapa da temporada 2018 da F-Renault Eurocup, assim como os das principais categorias do esporte a motor no último fim de semana.

Anúncios

2 comentários sobre “Não deu certo

  1. Acha possível fazer uma publicação explicando como vão ficar as categorias de acesso na europa a partir de 2019?

    Eu achava que tava entendendo, mas com essa entrada da Renault, complicou tudo.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s