Primeira vitória de Pedro Piquet na Europa

Era questão de tempo para que Pedro Piquet conquistasse sua primeira vitória na GP3 e, de quebra, se tornasse o primeiro representante do país a subir no alto do pódio na categoria.

No começo da temporada, escrevi aqui no World of Motorsport que a ida do filho de Nelson Piquet para o certame era uma decisão acertada, porque a GP3 é uma categoria mais fácil que a F3 Euro, onde ele competia.

O motivo é a GP3 ter a regra do grid invertido, premiando pilotos que terminam a primeira bateria de sexto a oitavo com a chance de lutar pelo pódio aos domingos.

E foi justamente por causa dessa regra que Piquet venceu em Silverstone, em seu primeiro triunfo em solo europeu. Partindo da segunda colocação na segunda bateria do fim de semana, o brasileiro tracionou melhor que Giuliano Alesi, o pole, e assumiu a ponta logo na primeira curva. Depois, precisou manter uma pequena vantagem para o companheiro de equipe para receber a bandeirada na frente.

Apesar de ter sido beneficiado pelo grid invertido, o brasileiro tem muitos méritos. Ele é um piloto que consegue largar bem, manter bom ritmo de prova (costuma ganhar posições – e não perder – durante as corridas) e comete poucos erros, apesar de já ter se envolvido em um acidente neste ano em Barcelona.

Também foi um acerto dele – e de quem o empresaria – ter fechado com a Trident para a atual temporada. Em uma GP3 dominada pela ART Grand Prix, a escuderia italiana é considerada a melhor do resto. Então, se o time francês costuma dominar o pódio nas corridas de sábado, o de Piquet é quem se destaca aos domingos.

É uma situação muito diferente da enfrentada, por exemplo, por David Beckmann e Joey Mawson, que também deixaram a F3 Euro para andar na GP3 neste ano, mas ainda não se encontraram. Eles competem, respectivamente, por Jenzer e Arden, times médios.

Com o resultado de Silverstone, onde obteve seu terceiro pódio da temporada, Piquet é o quinto na tabela, com 67 pontos, 33 a menos que Anthoine Hubert, o líder.

Por causa do domínio da ART, é muito difícil falar em título. E para isso ele precisaria andar bem ao sábados, não só na corrida com o grid invertido. Mas sua campanha tem sido muito boa e feito com que as críticas recebidas nas época em que estava na F3 ficassem para trás.

Piquet não é mais visto como desconfiança nem como piloto do meio para o fim do pelotão. Ele se mostrou capaz de vencer quando está na situação certa e já pode pensar no futuro em ser competitivo nas principais categorias do automobilismo mundial.

Como este é o quinto ano dele em uma F3 ou GP3, talvez o ideal para 2019 fosse a transição para a F2, mesmo sem o título. E aí continuar seu desenvolvimento como piloto.

Você pode clicar aqui para ver os resultados completos da GP3, assim como os das principais categorias do automobilismo mundial no fim de semana.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s