Jeff Green (1957 – 2018)

Jeff Green, piloto americano que morreu neste sábado, aos 61 anos de idade, durante uma corrida de carros clássicos no Canadá, ajudou a escrever uma pequena parte da história do automobilismo brasileiro de uma maneira bastante improvável.

Foi no ano passado, quando ele e Victor Franzoni foram companheiros de equipe na Juncos, na Pro Mazda, com o brasileiro terminando como campeão.

Segundo o site TSO Ladder, a Juncos, na verdade, tinha decidido sair da categoria em 2017. O plano era transferir mecânicos e engenheiros para a Indy, onde o time de fato estreou nas 500 Milhas de Indianápolis do ano passado, além de continuar competindo normalmente na Lights.

Os carros da Pro Mazda foram vendidos, e um deles foi adquirido por Green, que planejava inscrevê-lo em sua própria equipe. Nos primeiros testes, seu time teve apoio dos integrantes da Juncos, que ensinavam como mexer no equipamento e acertá-lo.

Nesses mesmos treinos, o americano percebeu que seria muito mais vantajoso o carro ser preparado pela própria Juncos, que já tinha experiência, e ele apenas pagar pela vaga.

O dono da Juncos concordou, mas colocou uma condição: era preciso alinhar um segundo veículo, com um piloto que pudesse lutar pelo título. Afinal, ele não queria que o nome do time ficasse restrito às últimas colocações.

Como faltava menos de uma semana para a abertura da temporada, em St. Petersburgo, não havia muitos pilotos disponíveis. Um deles era Franzoni, que tinha participado do treinos por uma equipe da USF2000, mas não tinha dinheiro suficiente para tomar parte do campeonato.

Como o brasileiro já tinha testado pela Juncos, é muito bem-quisto pelo paddock do Road to Indy e atuado antes como coach de pilotos menos experientes, o acordo rapidamente foi fechado, e Green aceitou pagar para que ele Franzoni pudesse correr.

Na temporada, os dois saíram ganhando. Franzoni venceu sete das 12 corridas – e foi segundo colocado nas outras cinco -, enquanto Green pouco a pouco foi evoluindo como piloto, com direito a um quinto lugar em Gateway, terminando na frente de competidores profissionais.

Com a taça, o brasileiro garantiu o título para subir para a Indy Lights neste ano. Green voltou às corridas de carros clássicos, que já disputava antes da Pro Mazda. Em uma delas, neste sábado, de F5000, seu carro, fabricado em 1978, perdeu o controle na curva 8 do circuito de Mosport e bateu no muro com violência.

O americano foi retirado do equipamento pela equipe médica, mas já estava morto quando chegou ao hospital. Deixa mulher, dois filhos e Franzoni.

Anúncios

Um comentário sobre “Jeff Green (1957 – 2018)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s