A primeira vez em que ouvi falar do holandês Carlo Van Dam foi, em 2008, por causa de Rafael Suzuki.

Naquele ano, o hoje piloto da Stock Car foi disputar a F3 Alemã, categoria na qual Van Dam tinha sido campeão no ano anterior. Sem chance na Europa, o holandês se mudou para o outro lado do mundo, onde tomou parte da F3 Japonesa –e foi campeão.

Salvo uma passagem na F3 Euro, em 2009, que só durou três etapas, e pela Fórmula Superliga, o resto da carreira do holandês foi feita no próprio Japão, onde não teve muito destaque.

Vez ou outra reapareceu no Ocidente em alguma corrida de carros GT e foi só.

No ano passado, deixou o Japão e foi competir na Tailândia, país que estreou um novo campeonato de carros TCR. E o título veio no último fim de semana de fevereiro, cinco meses depois que a decisão havia sido marcada.

O motivo para esse atraso? A morte do rei Bhumibol Adulyadej, em outubro, impediu que eventos festivos, como o automobilismo, fossem realizados no país. O jeito foram os pilotos do TCR tailandês tirarem uma folga e voltarem para o campeonato só no fim de fevereiro.

Curiosamente, Van Dam, que não havia participado de uma das etapas (e não pontuado, portanto) terminou em segundo na tabela de pontos . Com as duas provas no circuito de Bangsaen, ele acabou superado por Jack Lemvard, mas o ultrapassou por causa do descarte de pior resultado, regra que existe no campeonato.

Assim, cinco meses depois e na Tailândia, Van Dam voltou a levantar a taça de campeão.