3x Lando Norris

Um dos principais argumentos usado há alguns anos para defender a ida de Robin Frijns à F1 era ele ter vencido três títulos seguidos nas categorias menores entre 2011 e 2013.

O que dizer, então, de Lando Norris, que neste fim de semana foi campeão pela terceira vez só em 2016? Além da taça da F-Renault NEC, conquistada neste domingo, dia 2, ele já havia sido o vitorioso na F-Renault Eurocup e na Toyota Racing Series.

Há, no entanto, diferenças bem claras entre esses dois pilotos.

Primeiramente, não é incomum que um mesmo piloto vença duas F-Renault no mesmo ano. Afinal, eles andam com o mesmo carro nos dois campeonatos e praticamente enfrentam os mesmos adversários. Foi o que aconteceu nas última temporadas com Jack Aitken e Nyck de Vries.

E Norris ainda tinha o beneficio de andar pela Josef Kaufmann, a melhor equipe do certame após a saída da Koiranen.

Quanto à Toyota Racing Series, estamos falando de um campeonato de pré-temporada, disputado durante algumas semanas na Nova Zelândia. É muito bom ser campeão, ainda mais com o grid forte deste ano – com Jehan Daruvala e Artem Markelov –, mas ainda é um título alternativo.

Frijns venceu a F-BMW Europeia, em 2011, quando era o principal campeonato pós-kartismo e fazia corridas preliminares da F1. Coincidentemente, correndo pela mesma Josef Kaufmann de Norris, o título veio só na última etapa, em Monza, quando Jack Harvey, então favorito à taça, se envolveu em um acidente na corrida final. O grid ainda contava com nomes como Carlos Sainz Jr e Daniil Kvyat.

Foi aí que o holandês deslanchou. De uma forma surpreendente, anunciou que disputaria a F-Renault Eurocup em 2012 pela mesma Josef Kaufmann, que estreava no certame. Ele liderou o desenvolvimento do equipamento alemão e levantou o caneco ao superar Sainz e Kvyat, ambos andando com a então campeã Koiranen.

Para 2013, Frijns subiu para a World Series by Renault e foi campeão, pela Fortec, no grid mais competitivo da história categoria. O título, porém, veio de forma polêmica: em Barcelona, ao bater com Jules Bianchi, o principal rival. Em um briga por posição, se o francês o tivesse ultrapassado na manobra, grandes chances de a taça ter mudado de mãos.

Depois, o holandês foi reserva de Sauber e Caterham, mas jamais disputou uma corrida de F1. Sem dinheiro, voltou às competições na Formula E e em corridas de carro GT.

Talvez a maior diferença entre Frijns e Norris esteja no bolso. O britânico é filho de um dos homens mais ricos do mundo, e não deve ter problemas para chegar à F1, nem que seja pagando.

E, como Lance Stroll vem mostrando na F3 Euro, com mais dinheiro à disposição, mais fácil é desenvolver o equipamento.

Assim, mesmo com os três títulos em 2016, a impressão é que Norris convenceu menos que Frijns até agora, embora tenha potencial (não só devido ao dinheiro) para chegar bem mais longe que o holandês.

Com três taças em uma temporada, também não há muitas dúvidas de que o britânico já deve estar chamando atenção das equipes da F1. Como ele deve ter condições de estrear na principal categoria do automobilismo mundial em 2018 ou 2019, a pergunta é para onde ele irá.

Mercedes, Red Bull e McLaren parecem cheias de jovens pilotos. E a Ferrari não costuma ter novatos. Mas será que alguma delas vai deixar Norris escapar?

Você pode clicar aqui para ver os resultados completos da F-Renault NEC em Hockenheimring, assim como os das principais categorias do automobilismo mundial neste fim de semana.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s