A “filha” da Newman/Haas está de volta

“Filha” da Newman/Haas, a Newman Wachs, equipe formada por Paul Newman e por Eddie Wachs, em 2005, para disputar as categorias menores da Champ Car está de volta à atividade.

Depois de ter revelado nomes como Simona de Silvestro, JR Hildebrand e John Michael Edwards (piloto de fábrica da BMW na IMSA), Wachs anunciou nesta segunda-feira, dia 15, que pretende disputar a USF2000, a categoria de entrada do programa Road to Indy em 2017, com quatro carros.

O time não será a única novidade no campeonato no ano que vem. Além da estreia de um novo carro, o certame terá a chegada da Carlin e da DEForce, equipe capitaneada pelo mexicano David Martinez, com passagem pela Champ Car.

Como todas essas esquadras planejam ter três ou quatro carros no próximo ano, a grande questão, agora, é de onde vão vir os pilotos.

Em 2016, a USF2000 tem um grid de cerca de 20 competidores por etapa. Levando em conta que ela mantenha esse número para o ano que vem – em 2015 foram 15 em média – precisaria surgir uns dez novos pilotos de olho em fazer carreira nos EUA.

Mas por que alguém escolheria a USF2000?

Desde que a categoria foi recriada, em 2010, Sage Karam, Petri Suvanto, Matthew Brabham, Scott Hargrove, Florian Latorre e Nico Jamin foram os campeões.

Nenhum disputou uma temporada completa da Indy até agora. A melhor chance de isso acontecer é com Brabham, há praticamente dois anos afastado das pistas, que negocia com a KV e com outros times para 2017.

Os últimos quatro campeões, aliás, ganharam correndo pela equipe Cape em parceria com a Wayne Taylor, que é muito superior às demais. Assim, alguns pilotos mais ou menos conquistaram a bolsa para seguir para a Pro Mazda, enquanto muito gente boa ficou pelo caminho e sem dinheiro para seguir em frente.

Ou seja, por que alguém escolheria correr na USF2000 e mais especificamente por uma dessas três novas equipes – e não pela Cape?

A resposta é a chegada do novo carro, o USF-17. Como todo mundo recomeça a partir do zero, é a chance de equipes estruturadas conseguirem desbancar a Cape e se tornarem competitivas.

E não ache que é exagero para os novos times comprarem três ou quatro Tatuus USF-17. A partir de 2018, o carro servirá de base para o novo equipamento da Pro Mazda.

Na melhor das hipóteses, uma equipe pode, com poucas modificações no carro, escolher de qual categoria participar dependendo do acerto com pilotos interessados. Na pior, o mercado para conseguir vender as peças passou a ser duas vezes maior, afinal envolve duas categorias.

De qualquer forma, o maior problema do Road to Indy não está na USF2000 nem nos cinco carros que disputam a temporada completa da Pro Mazda neste ano. Está no fato de os campeões da Indy Lights mal conseguirem fazer uma temporada completa na Indy. (O resto do grid então…)

Enquanto o programa não conseguir resolver essa questão de continuidade na carreira dos jovens pilotos, o interesse em competir na Indy Lights, Pro Mazda ou USF2000 vai ser sempre pequeno. Com ou sem carro novo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s