Sobre Nasr e a decisão de ficar na Sauber em 2016

A decisão de Felipe Nasr de renovar com a Sauber pra 2016 tem sido criticda
A decisão de Felipe Nasr de renovar com a Sauber pra 2016 tem sido criticada

Com a Sauber atrasando salários pelo terceiro mês seguido e tendo um carro que só não é pior que o da Manor, Felipe Nasr vem tendo sua escolha de continuar na equipe suíça em 2016 bastante questionada nas últimas semanas.

Não são poucos os que perguntam se o brasileiro não teve outra opção para a atual de temporada da F1.

Entretanto, na maior parte do tempo, as análises acontecem de forma retroativa. Isto é, hoje, já sabemos que a Sauber entraria numa crise financeira e que outros times, como Haas e Renault, teriam equipamento melhor que o esperado.

Mas não dava para exigir de Nasr e do seu empresário, Steven Robertson, que pudessem prever essa situação em julho do ano passado, quando o brasileiro e Marcus Ericsson tiveram o contrato renovado pela escuderia.

Para um time que depende do dinheiro dos pilotos, a Sauber foi ousada ao manter a dupla tão cedo. Ela preferiu o dinheiro trazido pelos dois (provavelmente para antecipar pagamentos e controlar o fluxo de caixa de 2015) a fazer um leilão pelos carros até o último momento.

Assim, Nasr e Ericsson já tinham vagas garantidas antes mesmo de Williams ou mesmo a Ferrari definirem seus pilotos para este ano.

Alguém pode dizer que os dois jamais seriam considerados pelas esquadras de Maranello ou de Grove. É verdade. Mas não era só nelas que não havia vaga para eles. Não havia em nenhum outro lugar na F1.

Veja abaixo como estava a situação de cada equipe na metade do ano passado, levando em conta que o brasileiro já não tinha chances na Mercedes, McLaren, Red Bull e Toro Rosso, além de Ferrari e Williams.

 

Ninguém garantia que a Renault voltaria à F1
Ninguém garantia que a Renault voltaria à F1

FORCE INDIA

A Force India terminou 2015 com Sergio Pérez andando constantemente entre os cinco primeiros. Mas a única chance de Nasr ir para lá era caso um dos dois titulares trocassem de equipe.

Nico Hulkenberg e Pérez, de fato, negociaram com Porsche (no WEC) e Renault, respectivamente, mas ambos preferiram ficar na Force India.

Mesmo com a vitória em Le Mans, o alemão optou por seguir na F1, e a Porsche, mais tarde atingida pelo escândalo dos testes de emissões de poluentes, não iria desembolsar muito dinheiro para contratá-lo. Pérez conversou com a Renault, mas a demora da montadora para definir se compraria ou não a Lotus (algo que só aconteceu em dezembro) o afastou.

A chance de Nasr, assim, seria Vijay Mallya estar mais preocupado com patrocínio que com talento, dispensando Hulkenberg. Mas essa não é a situação da escuderia.

RENAULT

A equipe francesa é frequentemente apontada como destino de Nasr, porque ela tem um equipamento muito parecido com o da Sauber de 2015: anda não muito longe do top-10 e pode pontuar quando dá tudo certo.

O problema é que só em dezembro a Renault terminou a compra da Lotus. Se o negócio não tivesse saído, era capaz de o time nem correr neste ano. Ou seja, esperar até o último momento poderia deixá-lo a pé.

Pastor Maldonado já estava garantido (ao menos até antes de a crise na Venezuela aumentar) para um dos carros e Pérez ficou na Force India, deixando assim apenas uma vaga disponível.

Que foi para Jolyon Palmer, o reserva pagante. Além de trazer dinheiro e já estar dentro da esquadra, o britânico venceu Nasr no confronto direto pelo título da GP2 em 2014. Não tinha por que o brasileiro ser escolhido aqui.

HAAS

Levando em conta que as últimas quatro equipes que estrearam na F1 – Caterham, Manor, HRT e USF1 (hahah) – só pontuaram uma única vez somadas, trocar uma vaga garantida na Sauber pela novata Haas não parecia muito sábio.

E também não era uma opção. Desde o começo, um dos carros seria de um reserva da Ferrari (Esteban Gutiérrez) e outro iria para um piloto experiente . Romain Grosjean era o plano A e Kevin Magnussen, o B. Sem espaço para Nasr, portanto.

MANOR

Entrar na pior equipe da F1 só é uma opção para quem está fora da categoria, como Pascal Wehrlein, que precisa de quilometragem antes de dar voos maiores, ou Rio Haryanto, veterano de quatro anos na GP2.

Magnussen, aliás, que já havia batido nas portas de todas as equipes mais de uma vez, era o favorito para uma das vagas, mas acabou dando sorte com a saída de Maldonado e foi para a Renault.

CONCLUSÃO

Como se pode ver, não é que a Sauber foi uma escolha ruim para Nasr ficar na F1 em 2016. Foi a única escolha. Como da última temporada para a atual, poucos times mudaram seus pilotos, ele não teria por que ser cogitado para outras vagas.

Anúncios

4 comentários sobre “Sobre Nasr e a decisão de ficar na Sauber em 2016

  1. Boa análise, bastante imparcial e bem clara. Concordo com tudo, a Sauber foi a única que teve as ”portas abertas” para o talentoso Nasr. Agora existe várias vagas em aberto pra temporada 2017. Eu acho bom o empresário do Felipe Nasr se mexer agora e assegurar uma vaga para o brasileiro o quanto antes. Há duas equipes; Williams, ambos pilotos Bottas e Massa tem seus contratos expirados no fim dessa temporada – lá Felipe Nasr deixou uma impressão como piloto de testes. Outra escuderia seria a Renault, que não anda feliz com seus dois pilotos. Lá o Nasr teoricamente tem chance porque o diretor da Renault é brasileiro e seria um boa visando o mercado brasileiro.

    Vamos ver, apesar de estar apanhando do Ericsson, Nasr é muito promissor, levar aquela Sauber C34 há 5 e 6 lugares não é para qualquer um.

  2. Na verdade a situação da Sauber já era bastante instável economicamente, mesmo antes de Monisha assumir o controle do time. Ao coloca-la no cargo, Peter Sauber assumiu que ele próprio não teria vigor para tocar o time pra frente apartir dali. A verdade, acredito, é que, sem ela muito provavelmente a Sauber já teria fechado as portas.

  3. Sou só eu que acha que desde que a Monisha Kalterborn assumiu a direcao da equipe a Sauber só teve decepcoes sólidas pontuadas por sucessos eventuais?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s