Steve Turner comemora o título da Nascar Tuk Series ao lado de James Buescher
Steve Turner comemora o título da Nascar Tuk Series ao lado de James Buescher

Steve Turner conseguiu algo inédito na Nascar: ter dois pilotos brasileiros na mesma equipe.

Foi em 2012, na Nascar Truck Series, com Nelsinho Piquet e Miguel Paludo.

Naquela temporada, quando foi dono de um truck dominante em diversas provas, o ex-piloto de F1 venceu duas vezes, uma na base da estratégia do combustível e na outra, em Las Vegas, ultrapassando Matt Crafton na última volta. Também ganhou pela Xfinity, em Road America.

Mas a maior glória para Turner naquele ano foi levar o genro James Buescher, que pilotava o terceiro equipamento do time, ao título.

Se a equipe de Turner era uma das maiores da Truck Series, na Xfinity, competindo contra os times da Sprint Cup, a história era diferente. Com menos dinheiro, era difícil lutar de igual para igual pelas melhores posições.

Foi por essa razão que a passagem de Nelsinho pela esquadra terminou após 2013, um ano com fracos resultados na divisão. E também foi por esse motivo que o empresário do ramo de energia buscava sócios na empreitada, gente disposta a colocar dinheiro.

Encontrou Harry Scott Jr, pai do piloto Brian Scott. Mas a sociedade entre os dois durou apenas até 2014. Terminou com um processando o outro por não honrar os pagamentos de dívidas da equipe.

Turner perdeu nos tribunais e colocou um ponto na sua passagem pelo esporte a motor, que havia sido iniciada em 1999, no Texas, disputando primeiro apenas categorias menores nos ovais americanos. Ele só chegou à Nascar, em 2009, ao comprar o equipamento de Todd Braun, dono de uma equipe mediana, mas respeitada da Xfinity.

Scott continuou com a equipe na Nascar, com dois carros na Sprint Cup, um ou outro na Xfinity e uma legião na Nascar East, sempre dando chances a novas revelações do esporte. Algo herdado de Turner, que sempre tinha um carro livre pra um novo talento, como aconteceu com os brasileiros.