5 motivos sem ser Mick Schumacher para assistir à F4 Alemã

Mick Schumacher é o principal nome, mas a F4 Alemã vai muito além dele
Mick Schumacher é o principal nome, mas a F4 Alemã vai muito além dele

A F4 Alemã começou neste fim de semana, e inegavelmente todas as atenções estão voltadas ao piloto do carro número 29: Mick Schumacher.

Após conquistar duas vitórias em Misano no último fim de semana, pela F4 Italiana, a expectativa, agora, é ver se o filho de Michael Schumacher vai conseguir continuar na luta pelas primeiras colocações também em seu país natal.

Mas além de acompanhar a evolução do alemão de apenas 17 anos como pilotos, há outros bons motivos para seguir a F4 Alemã em 2016.

Confira cinco deles:

ADAC GT Masters

5) Mick Schumacher não é o favorito

Diferentemente do que acontece na F4 Italiana, a Prema não é a favorita na Alemanha. A equipe italiana é, sim, uma das mais fortes no certame, mas não é a única grande. Nos últimos anos, US (ex-HTP Junior), Van Amersfoort, Mücke e Motopark também brigaram por títulos e vitórias.

Dessas, quem sai na frente é a Van Amersfoort, curiosamente a ex-equipe do jovem Schumacher. Além do pesado investimento da família do piloto Kami Laliberté na escuderia, ela também conta com Joey Mawson. O australiano foi bem na F4 Francesa e na própria F4 Alemã nos últimos anos e, pela experiência e pelo bom equipamento, é o favorito.

ADAC GT Masters

4) Felipe Drugovich e Mauro Auricchio

Nos últimos anos, a presença de brasileiros nos campeonatos da Alemanha era rara, mas o país terá dois representantes em 2016.

Depois de um ano complicado de adaptação na F4 Alemã, Mauro Auricchio está de volta ao time de Timo Scheider, enquanto Felipe Drugovich saiu do kartismo para correr na Neuhauser.

Drugovich foi um dos bons pilotos da divisão KFJ do kartismo europeu em 2015, mas perdeu rendimento na segunda parte da temporada. No entanto, ele corre por um dos times mais estruturados da F4 e tem chances de conseguir bons resultados.

Sophie

3) Sophia Flörsch

Toda vez que uma menina surge no automobilismo, a história é a mesma. Ela recebe elogios por ser bonita, ou há comentários como “vejam como ela é talentosa, terminou em quinto lugar”.

Sério, não faça isso. Um exercício prático que ajuda na hora de elogiar uma pilota é pensar que um homem tenha conseguido o mesmo resultado. Será que ele mereceria comemorações? Se a resposta for sim, elogie ela. Se for não, a vida continua. (E, por favor, comentar da beleza de alguém que quer ser notado pelo talento é mais errado ainda.)

Aí chegamos em Flörsch. No ano passado, o primeiro após o kartismo, ela estava disputando o título da Ginetta Junior quando precisou parar de correr por falta de recursos. Foram duas vitórias, uma pole e outros dois pódios. Só um outro novato venceu corrida (e uma só) naquela categoria em 2015. Na F4 Alemã, neste fim de semana, pontuou logo na estreia. Homem ou mulher, não importa, os resultados são bons e falam por si só.

ADAC GT Masters

2) Nicklas Nielsen

Atual terceiro colocado no Mundial de Kart, Nicklas Nielsen é da mesma geração que Lando Norris, Callum Ilott e Niko Kari. Os três, porém, fizeram a transição para os monopostos no ano passado, enquanto o dinamarquês seguiu no kartismo.

Parecia que ele ia pelo mesmo caminho de diversos pilotos badalados, mas que nunca saíram do kart. Aí apareceu a Audi.

Neste ano, Nielsen fará parte do recém-criado programa de jovens pilotos da montadora e vai se dividir entre a F4 Alemã, pela equipe Neuhauser (a mesma de Drugovich), e a Audi TT Cup, campeonato monomarca da fabricante que faz a preliminar do DTM.

ADAC GT Masters

1) Pilotos sem futuro?

Um sinal amarelo se acendeu na F4 Alemã após a última temporada. Apesar de a categoria reunir cerca de 40 pilotos por etapa, poucos conseguiram ir para as principais categorias do automobilismo mundial em 2016.

Vice-campeão, Joel Eriksson subiu para a F3 Europeia, assim como David Beckmann, uma das revelações do ano passado.

Fora eles, o futuro da geração 2015 foi o endurance ou corridas de GT. É o caso do campeão Marvin Dienst. Após o título, ele fez algumas provas na F3 Euro pela equipe russa ArtLine, que queria desenvolver um carro para concorrer com a Dallara como construtora. E foi só.

Em 2016, Dienst está disputando a Adac GT Masters com um Porsche.

Você pode clicar aqui para ver os resultados completos da abertura da F4 Alemã em Oschersleben, assim como os das principais categorias do automobilismo mundial neste fim de semana.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s