O piloto cujo nome resume o automobilismo brasileiro

Felipe Baptista vai contar com o apoio da Shell neste ano
Felipe Baptista vai contar com o apoio da Shell neste ano

Levando em conta apenas o nome, Felipe Baptista, piloto brasileiro de apenas 12 anos de idade, é um daqueles que a gente deve acompanhar de perto.

É que ele mistura o nome e o sobrenome mais populares dos últimos anos no automobilismo do país.

Achar algum Felipe correndo é fácil. Só na F1 são dois: Felipe Massa e Felipe Nasr. Pipo Derani – que se chama Luís Felipe – acabou de vencer as 24 Horas de Daytona, enquanto Felipe Fraga corre com destaque na Stock Car.

A categoria brasileira de turismo também conta com Felipe Guimarães, enquanto Felipe Drugovich acaba de fazer a transição do kartismo para a F4 Alemã. Luiz Felipe Branquinho também fez caminho parecido e vai disputar a F3 Brasil.

Fora o dono do melhor blog sobre automobilismo que você acompanha também se chamar Felipe…

Quanto aos Baptista, a relação familiar é mais complicada. Bruno Baptista, da F-Renault Eurocup, é primo de Rodrigo Baptista, da Blancpain GT Series.

Bruno é filho da Adalberto Baptista, que foi diretor do São Paulo Futebol Clube alguns anos atrás e disputou várias temporadas da Porsche Cup. Bicampeão da categoria, Ricardo Baptista é irmão de Adalberto.

Henrique Baptista, que no ano passado estava na Eurofomula Open e chegou a testar pela Pro Mazda, não tem relação de parentesco com nenhum deles.

Nem com Vitor Baptista, atual campeão da Euroformula Open e que ainda não anunciou planos para 2016.

Vitor, porém, é o irmão mais velho de Felipe, o assunto deste post.

Voltando a Felipe Baptista, ele vai integrar neste ano o programa de jovens pilotos da Shell e disputar campeonatos no kartismo brasileiro.

Além dele, no kartismo a Shell apoia Gianluca Petecof. Neste fim de semana, o garoto foi o oitavo colocado na divisão OKJ do tradicional Trofeo Andrea Margutti, disputado na Itália.

Yurik Carvalho, que estava nos karts, vai passar para os monopostos e se juntará à F3 Brasil neste ano. A empresa ainda patrocina Dennis Dirani no Brasileiro de Turismo e Ricardo Zonta e Átila Abreu na Stock Car.

Em um ano de crise econômica, é sempre bom ver que algumas empresas seguem investido no automobilismo, ainda mais nas categorias de base. Embora ache, ao menos por enquanto, que eles deviam ter apostado também em outro Baptista.

Anúncios

3 comentários sobre “O piloto cujo nome resume o automobilismo brasileiro

  1. hahaha

    O Vitor Baptitsa ainda não decidiu onde vai correr e ano??

    Pra mim ele já estava encaminhado pra correr na V8 3,5.

    Será que está faltando apoio ($$) ou ele só está esperando para dar o próximo passo com o máximo de cuidado?

    Você tem toda razão.
    Ver uma empresa apostando na base é ótimo,mas seria melhor apoiar o Vitor Baptista…

    1. Concordo que o Vitor mereceria apoio financeiro. Tbm achei que ja deveria ter anunciado seus planos. Vcs sabem a respeito do Thiago Vivacqua, que andou tao bem no ano passado?

    2. O Vitor Batista postou um vídeo no instagram de um treino de pit stop com a RP motorsport na F3.5 V8, na descrição ele disse que mal pode esperar pro início da temporada.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s