Quando correr nos EUA é melhor que na Europa

Jordan Cane levou o carro da Pelfrey ao terceiro lugar em St. Pete
Jordan Cane levou o carro da Pelfrey ao terceiro lugar em St. Pete

A temporada 2016 da USF2000 começou neste fim de semana, em São Petersburgo, com um grid misturando veteranos e novatos.

Entre os mais experientes estão Victor Franzoni, que garantiu o retorno à categoria de última hora ao acertar com a ArmsUp, Parker Thompson (protegido de Buddy Rice) e Jordan Lloyd, o atual campeão da F4 Australiana e um dos favoritos ao título.

Dos estreantes, quem merece destaque é Jordan Cane, piloto de apenas 14 anos de idade que subiu ao pódio na segunda bateria, disputada neste sábado, dia 12.

Cane é britânico, mas compete nos EUA desde o ano passado porque lá pilotos de 14 anos podem guiar monopostos. No Reino Unido, é preciso ter 15.

Por causa da idade, em 2015, ele disputou a F1600, um campeonato similar à antiga F-Ford, em que os carros não tem asas dianteiras nem traseiras. Chegou com o certame já iniciado e mesmo assim venceu sete das 15 corridas das quais participou. Curiosamente, nenhuma delas largando da pole. Agora, subiu para a USF2000, pela Pelfrey.

Vendo como não tem sido fácil para os campeões da Indy Lights chegarem à Indy – Spencer Pigot, o ganhador do torneio de acesso ano passado, está garantido em apenas três etapas na categoria principal neste ano – talvez o melhor para ele seja voltar à Europa assim que tiver idade para correr por lá.

Cane pode seguir o exemplo de Santino Ferrucci. O americano também começou a carreira em uma categoria pouco conhecida dos EUA – na F2000 – antes de se mudar para a Europa ao completar 16 anos. Passou pela F3 e agora vai competir neste ano na GP3 pela Dams.

Nesta semana, Ferrucci foi anunciado pela Haas como piloto em desenvolvimento da escuderia.

Caso as coisas deem errado para ele ou para Cane, nada impede que voltem aos EUA, mais experientes, e consigam um contrato vantajoso para andar na Indy. Foi o que Alexander Rossi e Conor Daly, os últimos americanos a chegarem à GP2, fizeram.

Faz mais sentido do que as três corridas de Pigot.

Você pode clicar aqui para ver os resultados completos da USF2000 em São Petersburgo, assim como das principais categorias do automobilismo mundial neste fim de semana.

Anúncios

Um comentário sobre “Quando correr nos EUA é melhor que na Europa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s