A Haas estreou com Romain Grosjean na pista na F1 2016
A Haas estreou com Romain Grosjean na pista na F1 2016

Novidade no grid da F1, a Haas espera ter melhor sorte que Caterham, Marussia, HRT e USF1. Afinal, as quatro equipes escolhidas no último processo de seleção somaram juntas apenas dois pontos na categoria, e uma delas nem sequer estreou.

Para atingir os objetivos de pontuar, a esquadra americana buscou grandes nomes do automobilismo mundial.

A principal parceria foi com a Ferrari, de quem compra toda a parte mecânica, como motor e caixa de câmbio. Juntas, aliás, se envolveram em uma polêmica. Por não ter sido considerada uma equipe da F1 no ano passado, a Haas não tinha as mesmas limitações para o uso túnel de vento. Daí, a Ferrari teria aproveitado para usar a parceria para testar novos componentes.

A troca de informações entre os times só foi proibida no fim de 2015, mas elas acabaram com diversas partes do carro bastante parecidas, como a asa dianteira e a suspensão traseira.

Pelo regulamento da F1, uma equipe pode comprar todos os componentes de outro, tirando o monocoque e a carenagem.

O Haas VF-16 parece a nova Ferrari, mas com um visual menos trabalhado
O Haas VF-16 parece a nova Ferrari, mas com um visual menos trabalhado

Assim, a Haas contratou a Dallara para fabricá-los, levando em conta a expertise da empresa, que é a responsável pelos equipamentos da Indy, GP2 e Super Formula, e já teve passagens mais discretas pela F1, fornecendo os carros de HRT e Scuderia Italia.

A dupla de pilotos também é experiente. Romain Grosjean chega após ter feito toda a carreira na Lotus/Renault, enquanto Esteban Gutiérrez recebe uma segunda chance graças ao vínculo da Haas com a Ferrari, onde era reserva.

Na parte técnica, é impossível não comparar o carro da equipe americana com o da Ferrari.

O VF-16 tem um bico mais baixo que o da Ferrari, então aquela saliência para frente é menor que a da esquadra italiana. O sistema pushrod na suspensão direita é idêntico ao da Ferrari, até porque o time americano nunca teve nenhuma tradição em usar o pullrod.

No bico, há um pequeno degrau, que pode indicar problemas para acomodar todos os componentes da suspensão dianteira ou então alguma solução aerodinâmica, como um duto em S – que serve para levar o ar da parte debaixo do carro para a de cima – ainda não revelada.

Detalhe do degrau no bico do Haas VF-16
Detalhe do degrau no bico do Haas VF-16

A entrada de ar da tampa do motor também é diferente entre as das duas equipes, com a da Haas sendo presa por duas hastes, contra uma da do time de Maranello. Também é possível ver claramente as diferentes entradas do ar para a parte interna do carro.

O resto dos componentes é similar entre as duas esquadras, embora o recorte da asa traseira e do assoalho mostrem que o VF-16 pareça uma versão com um acabamento menos trabalhado que o da SF16-H.

Confira os detalhes dos outros carros da F1 2016 (nos links em azul):
Williams FW38
Ferrari SF16-H
Mercedes W07 Hybrid
McLaren MP4-31
Sauber C35