A melhor corrida de 2016 (até agora)

Jehan Daruvala venceu de forma emocionante em Ruapuna
Jehan Daruvala venceu de forma emocionante em Ruapuna

A segunda semana de esporte a motor em 2016 acabou de acabar, mas já tivemos uma corrida que deveria entrar para os melhores momentos do ano: a terceira bateria da Toyota Racing Series em Ruapuna.

A prova foi tão imprevisível que o vencedor foi Jehan Daruvala, que havia largado em 15º, mesmo com a bandeira vermelha tendo encerrado a disputa quatro voltas mais cedo.

A corrida começou na garoa de Ruapuna, embora os pilotos tenham largado com pneu para pista seca. Nesse chova, mas não molha, Lando Norris manteve a ponta no começo e imprimiu um ritmo muito forte, sendo mais de 1s por volta mais rápido que o resto do grid.

Pedro Piquet, que havia partido em quarto, se enroscou com James Murno logo no começo e caiu para o fim do pelotão. O brasileiro já estava se recuperando quando a equipe M2 o chamou para os boxes para apostar no pneu de chuva.

Um adendo é que na Toyota Racing Series não há pit-stops obrigatórios, então, no lugar de poucos segundos, como é na F1, os pilotos chegavam a perder quase um minuto no pit-lane.

Lando Norris dominou boa parte da terceira bateria
Lando Norris dominou boa parte da terceira bateria

Na volta à pista, o ritmo de Piquet era muito superior aos dos demais adversários. Ele era cerca de 5s por volta mais veloz que Norris e 10s, que alguns pilotos, o que fez alguns adversários, entre eles Daruvala, também se dirigirem ao pit-lane.

A tática já teria dado resultado, já que ele não demorou muito tempo para recuperar a posição que estava antes da parada. No entanto, se fosse para brigar pela vitória (ele estava cerca de um minuto atrás do líder) ia precisar, ou da chuva aumentar dramaticamente, ou da intervenção do safety-car.

E o carro de segurança foi acionado pouco depois da metade da prova. Como mais alguns competidores aproveitaram a chuva para ir aos boxes, Piquet relargaria em sexto, mas era o primeiro com pneus para pista molhada.

No recomeço, o brasileiro voltou a se enroscar com alguns adversários, abandonando a prova.

Daruvala, que relargara uma posição atrás, aproveitou a estratégia acertada para assumir a ponta, pouco antes de um acidente com diversos carros chamar novamente o safety-car.

A direção de prova considerou que levaria muito tempo para limpar a pista e que as condições estavam perigosas para encerrar a corrida. O piloto apoiado pela Force India, assim, conquistou a primeira vitória nos monopostos.

Ferdinand Habsburg, que também apostou nos pneus para pista molhada, foi o segundo, seguido por Artem Markelov, o melhor entre os que ficaram com o composto para asfalto seco. Norris foi punido em 30s por se envolver nos acidentes do fim, caindo para nono.

Para Piquet, o copo pode ser meio cheio e meio vazio.

O lado bom é que ele chegou perto de conquistar duas vitórias no domingo neozelandês. Além de ter brigado na base da estratégia na terceira bateria, ele era o líder da corrida 2, quando espalhou em uma curva e foi superado por Norris.

Apesar de estar com chances de vencer, desperdiçou os dois resultados, e está em sétimo na tabela, com 109 pontos. O líder é Habsburg, com 184. Entre os demais brasileiros, Bruno Baptista é o 13º, após dois oitavos lugares, e Rodrigo Baptista, o 17º.

A próxima etapa da categoria acontece já neste fim de semana, em Teretonga, circuito com histórico de vitórias de brasileiros.

Você pode clicar aqui para ver os resultados completos da Toyota Racing Series em Ruapuna, assim como os das principais categorias do automobilismo mundial neste fim de semana.

Anúncios

6 comentários sobre “A melhor corrida de 2016 (até agora)

      1. Pois é, também não achei nada no Youtube.
        Li em um site que o Pedro foi acertado na relargada, por isso abandonou. Tbm li agora na coluna dele, no Motorsport, que na última relargada o carro de trás bateu nele. Azar, porque do contrário teria vencido a prova, já que estava bem mais rápido que os que estavam na liderança.
        De qqer forma é uma ótima experiência essa da Nova Zelândia, porque o grid é forte. Um piloto que me surpreendeu é esse Lando Norris. É muito rápido! No site dele, informa que pesa 42 kg! Será verdade isso? É peso de criança. http://www.landonorris.com/about.html

        Chico

        1. Não tinha lido a coluna dele no Motorsport. Obrigado por avisar. Depois vou olhar e acrescento aqui com o que ele disse.

          E É verdade sim o peso do Lando Norris. Apesar de ele ter 16 ou 17 anos, tem corpo de criança. Procure foto deles, a gele falaria que tem uns 13 anos no máximo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s