Luca Ludwig e Sebastian Asch esperam seguir os passos do pai e correr no DTM
Luca Ludwig e Sebastian Asch esperam seguir os passos dos pais e correr no DTM

As três montadoras do DTM – Audi, Mercedes e BMW – estão tendo a chance nesta semana de avaliar jovens pilotos. É que a última atividade da categoria neste ano é o treino dos novatos, que acontece entre os dias 1º e 3 de dezembro, em Jerez de la Frontera.

Para muitos jovens, participar dos testes é ficar mais perto de defender uma das marcas alemãs na categoria e se tornar um piloto profissional.

No entanto, não há garantias. A Audi, por exemplo, levou seis pilotos à pista espanhola, mas já anunciou ter renovado o contrato de todos os oito titulares do DTM para o ano que vem.

Assim, para Mitch Evans, Antonio Giovinazzi, Alex Palou, Arthur Pic, Ben Hanley e Matthew Brabham essa foi a oportunidade de se apresentarem para a montadora das quatro argolas, enquanto esperam para ver o que acontece em 2016 e 2017.

No ano que vem, Evans deve voltar à GP2 para uma quarta temporada, trocando a Russian Time pela Campos, justamente na vaga que foi de Pic. Giovinazzi, que chegou a substituir Timo Scheider na Audi quando o alemão foi suspenso por uma corrida, também vai testar nesta semana pela Carlin na categoria de monopostos.

Palou venceu pela GP3 em Abu Dhabi, enquanto Hanley vem do kartismo e Brabham não teve orçamento para 2015, participando apenas de algumas etapas da F-E e da Indy Lights.

George Russell andou pela BMW
George Russell andou pela BMW

Campeã em 2014, a BMW tem apenas quatro representantes na Espanha: Louis Délétraz, Jesse Krohn, Alexander Sims e George Russell, sendo que os três primeiros já têm contrato com a marca bávara em outros certames.

Délétraz, que vai disputar a F3.5 V8 em 2016, faz parte do programa de talentos da montadora ao lado de Krohn, atual vice-campeão da divisão GT da ELMS. Sims, que de vez em quando aparece em alguma corrida de F3, tem se dedicado ao GT inglês.

A novidade, assim, acaba sendo Russell, britânico de apenas 17 anos, que deve retornar à F3 Euro no ano que vem, trocando a Carlin pela Hitech. Caso não consiga fazer carreira nos monopostos, o DTM pode ser uma boa opção para o garoto que chegou a vencer Max Verstappen no mundial de kart.

No entanto, coube à Mercedes ter a maior esquadra em Jerez de la Frontera. Ao menos oito pilotos vão testar pela atual campeã.

A explicação é óbvia. Como Pascal Wehrlein, vencedor do DTM, pode ir para a F1 ou para a GP2, a fabricante deve aproveitar a oportunidade para avaliar possíveis substitutos. Entre eles, estão Kevin Magnussen (ex-F1), Raffaele Marciello (que deve perder a vaga na Academia da Ferrari) e Jazeman Jaafar (malaio protegido pela Petronas, parceira da Mercedes).

Mikkel Jensen, que conta com o apoio da Mercedes na F3 Euro, é o quarto nome da lista. Sem ter sido divulgado antes, Marvin Kirchhöfer, da GP3, também andou pela montadora.

Após o triunfo em Macau há duas semanas, Maro Engel ganhou a oportunidade de voltar a guiar um carro da Mercedes no DTM. Ele disputou a categoria entre 2008 e 2011, com o 12º lugar na tabela como melhor resultado.

Os últimos dois pilotos foram Luca Ludwig e Sebastian Asch, que venceram a Adac GT Masters pela montadora. Eles, aliás, são filhos dos ex-DTM Klaus Ludwig (campeão em 1991 e 1994) e Roland Asch.

Apesar de estarem recebendo a oportunidade como prêmio pelo bom desempenho em outra categoria, esperam seguir os passos de Maximilian Götz, campeão da mesma Adac GT Masters em 2013 e que nesta temporada foi um dos titulares da Mercedes no DTM.

A má notícia é que não há muitas vagas abertas na fabricante, mesmo se a saída de Wehrlein. Recentemente, a montadora renovou o contrato de Esteban Ocon, que é o reserva do DTM e novo campeão da GP3. Não será surpresa, portanto, se ele acabar como substituto do alemão.