Foi comum ver quatro carros lado a lado na Califórnia
Foi comum ver quatro carros lado a lado na Califórnia

A Indy teve uma das melhores corridas recentes de sua história neste sábado, dia 27, no Auto Club Speedway.

Com os carros lado a lado por praticamente todas as voltas, o resultado ficou indefinido até o final, quando o acidente entre Ryan Briscoe e Ryan Hunter-Reay garantiu a vitória de Graham Rahal.

A corrida, porém, recebeu críticas por parte dos pilotos após a bandeirada.

Como durante as voltas houve um só pelotão, o risco de batidas aumentou. Além de Briscoe, que decolou no fim da prova, Helio Castroneves, Josef Newgarden, Ed Carpenter, Will Power e Takuma Sato se envolveram em toques, causados principalmente pela proximidade entre os carros.

A Indy tem buscado eliminar os pelotões desde 2003, quando Kenny Brack teve o equipamento desintegrado ao acertar o alambrado da pista do Texas.

Na ocasião, o sueco decolou ao tocar na roda traseira de Scott Dixon, e sobrou praticamente apenas o monocoque. Depois de passar por diversas cirurgias, Brack abandonou a carreira.

Como resposta ao acidente do sueco, a categoria foi tirando o downforce dos carros, mas o recolocou gradativamente no fim da década passada. A morte de Dan Wheldon, em 2011, porém, fez a organização do certame abandonar esses planos.

E os acidentes aconteceram
E os acidentes aconteceram

Desde então, a Indy tem optado por correr apenas em ovais grandes, como Indianápolis ou Auto Club, onde há mais espaço, sem o risco de um ‘big one’ como o que matou Wheldon.

Só que os novos kits aerodinâmicos deixaram os carros mais presos ao chão e, consequentemente, mais próximos neste fim de semana. Com o acidente de Briscoe no fim em mente, ninguém quer ser o próximo Wheldon.

Mas um maior espaçamento entre os competidores também significa corridas mais chatas e previsíveis. Tirando Fontana e as 500 Milhas, a temporada da Indy não engrenou, e já teve o bizarro resultado de uma prova decidida por pilotos se tirando da disputa ao usar pneus de chuva no asfalto seco.

A solução para a categoria talvez seja não se preocupar tanto com downforce e incentivar o retorno dos pelotões. Em contrapartida, é mais do que óbvia a necessidade de reforçar a segurança dos monopostos e encontrar uma maneira para que eles não decolem. Nesse sentido, a proteção na roda traseira já é um ótimo começo.

Há alguns anos a Nascar tinha o mesmo problema com carros voadores, mas diminuiu o risco ao colocar flaps no teto das máquinas.

Também não dá para evitar todos os acidentes. Até porque a batida mais grave na categoria desde a morte de Wheldon não aconteceu em um oval. Foi no circuito de rua de Houston, acabando com a carreira de Dario Franchitti.

E, para você, a categoria precisa diminuir o downforce por segurança?

Você pode clicar aqui para ver os resultados da Indy no Auto Club Speedway, assim como os das principais categorias do automobilismo mundial neste fim de semana.