O que houve com os campeões da F-Renault Inglesa?

Pietro Fittipaldi foi campeão da F-Renault Inglesa
Pietro Fittipaldi foi campeão da F-Renault Inglesa

Foi com o título da F-Renault Inglesa, neste ano, que Pietro Fittipaldi ganhou evidência no mundo do esporte a motor.

Depois de ter começado a carreira na Nascar, o neto de Emerson mudou para a Europa e levou apenas duas temporadas para conquistar o primeiro campeonato nos monopostos e se credenciar como uma das principais jovens promessas do automobilismo.

No entanto, vencer a F-Renault Inglesa nem sempre é garantia de sucesso para o resto da carreira. Levando em conta os últimos cinco campeões do certame, nem todos conseguiram abrir portas mesmo com a taça. Para muitos deles, o dinheiro pesou na hora de deixar o esporte, mas isso só comprova que se o sucesso vem fácil ele também vai fácil.

Abaixo confira o que aconteceu com os últimos cinco vencedores da F-Renault Inglesa, lembrando que o Reino Unido teve dois certames da modalidade entre 1995 e 2011. O primeiro, a F-Renault UK, sucumbiu com a crise econômica recente, mas teve grids mais fortes.

O outro, a F-Renault Barc, que teve a participação de Fittipaldi, teve competidores mais alternativos, mas foi capaz de se manter na ativa – e até mesmo crescer – quando o esporte a motor como um todo foi afetado pelos problemas financeiros mundiais.

Alice Powell
Alice Powell comemorando o título da F-Renault Barc de 2010

2010 – Alice Powell
A F-Renault Barc começou a ganhar destaque internacional em 2010 quando Alice Powell se tornou a primeira pilota a conquistar o certame. Para ficar com a taça, a britânica venceu duas vezes e conquistou cinco segundos lugares.

No ano seguinte, Alice subiu para a F-Renault UK, fechando em nono e descolando uma vaga na GP3 em 2012, onde terminou com apenas um ponto somado na temporada.

A partir daí, a pilota começou a enfrentar problemas com orçamento e passou a se dedicar a campeonatos menores do próprio Reino Unido e da Ásia, tendo tentado por algumas vezes conseguir o dinheiro necessário para participar da F3 Inglesa.

Assim, 2014 foi um resumo desses últimos anos da carreira de Powell. Enquanto ela negociou para correr pela Caterham em Abu Dhabi, mas não foi capaz de arrumar um investidor a tempo, o único título da campanha veio na pouco conhecida F-Renault Asiática.

2011 – Dino Zamparelli
Zamparelli decidiu retornar à F-Renault Barc em 2011 – campeonato que já havia disputado dois anos antes – após uma fraca passagem pela F3 Italiana. O passo atrás deu certo, e o inglês foi campeão com quatro vitórias e uma sequência de sete pódios.

Sem contar com o orçamento mais vultoso do mundo, Dino migrou para a F2 no ano seguinte, terminando o campeonato apenas em oitavo, com dois pódios, mas tendo se destacado pela consistência de resultados, sempre na zona de pontos.

Para 2013, os problemas de dinheiro ficaram para trás, e o piloto conseguiu um investidor que o permitiu competir na GP3. Estreando pela Marussia Manor, Zamparelli mais uma vez se mostrou capaz de pontuar com frequência, embora sem brigar pelas primeiras posições, fechando em 18º. A redenção veio na última temporada, com a mudança para a poderosa ART Grand Prix. Com seis pódios, o piloto terminou o ano em sétimo, embora tenha lutado pelo vice-campeonato até as etapas finais.

Chris Middlehurst antecedeu Fittipaldi na MGR
Chris Middlehurst antecedeu Fittipaldi na MGR

2012 – Scott Malvern
Malvern sempre foi considerado um fenômeno nas categorias menores do Reino Unido. Na F-Ford, por exemplo, somou 31 vitórias entre quatro campeonatos em 2011. Por isso, ele decidiu dar o próximo passo na carreira e participar da F-Renault Barc na temporada seguinte. O desempenho não foi tão dominante, mas Malvern obteve três triunfos e outros nove pódios para ficar com a taça.

Depois disso, as dificuldades com patrocínio voltaram a assolar o piloto. Ele tentou retornar à F-Ford em 2013, mas participou de apenas poucas corridas. Neste ano, competiu de Radical no Reino Unido, obtendo uma vitória em 12 provas.

2013 – Chris Middlehurst
Aos 18 anos de idade, Chris Middlehurst conquistou o título da F-Renault Inglesa em 2013 com algum estilo. Venceu seis vezes e terminou 77 pontos à frente de Weiron Tan, então com apoio da Caterham. O grid da categoria ainda contava com outros bons nomes, como Fittipaldi, que fazia a primeira temporada na Europa.

Para 2014, Middlehurst e o brasileiro acabaram literalmente trocando de lugares. É verdade que em primeiro lugar o britânico tentou competir em alguma F-Renault maior, como a Norte-Europeia, mas o negócio não deu certo devido à falta de patrocínio – não sei por que, mas tenho a sensação que já escrevi isso neste texto.

Com medo de ficar sem correr, o piloto acabou optando por assumir a vaga de Fittipaldi na F4 Inglesa, mas acabou tendo uma campanha apagada. Venceu apenas uma vez, graças à regra do grid invertido, e encerrou o ano em nono, embora tenha ficado de fora das últimas duas etapas devido, é, você adivinhou, à falta de dinheiro.

2014 – Pietro Fittipaldi
O neto de Emerson assumiu o carro de Middlehurst na equipe MGR e não fez feio, se tornando o primeiro estrangeiro a triunfar na F-Renault Inglesa. Desde então, ele disputou algumas etapas da F-Renault Alps e da Eurocup e, durante o inverno europeu, testou também pela F3 Euro e pela World Series.

Tendo sido campeão com dez vitórias, sendo oito consecutivas, e não sofrendo com a falta de orçamento dos antecessores, Pietro espera dar os próximos passos da carreira de uma forma mais tranquila.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s