Os primeiros testes do DTM 2015

Campeão da GP3, Alex Lynn testou pela Audi
Campeão da GP3, Alex Lynn testou pela Audi

A temporada 2015 do DTM começou efetivamente nesta semana. BMW, Mercedes e Audi se reuniram nesta quarta e quinta-feira, no circuito de Jerez de la Frontera, para participar de dois dias de treinos coletivos, já iniciando os preparativos para o próximo ano. Essa também foi a oportunidade que as montadoras tiveram de avaliar novos pilotos para definir os planteis.

Atual campeã, a BMW contou com Marco Wittmann apenas na metade do tempo, já que o alemão foi liberado nesta quinta, dia 4, para treinar pela Toro Rosso. A atividade pela esquadra da F1 serviu apenas como um prêmio pelo título conquistado neste ano e não significa que o alemão planeje retornar aos monopostos.

Wittmann, aliás, é o único piloto da BMW já confirmado para a próxima temporada. No entanto, Augusto Farfus, Maxime Martin, Bruno Spengler, António Félix da Costa e Timo Glock também estiveram em Jerez, o que significa que eles devem continuar na montadora. As duas últimas vagas – de Joey Hand e Martin Tomczyk – estão abertas, visto o mau desempenho de ambos no último campeonato.

Com isso, a fabricante bávara levou sete novatos para a Espanha: Alex Lynn, Sam Bird, Richie Stanaway, Tom Blomqvist, Jack Harvey, Robin Frijns e Lucas Luhr.

Há dois destaques na relação. O primeiro é Lynn. Vencedor da GP3 neste ano, o britânico perdeu a vaga na Toro Rosso para Carlos Sainz Jr. Ele tem a possibilidade de subir para a World Series by Renault ou para a GP2, em 2015, ou seguir os passos de António Félix da Costa, também da Red Bull, e passar a correr nos carros de turismo.

O outro é o retorno de Frijns. Depois de vencer três títulos em três anos, o holandês perdeu espaço na F1 após os acordos frustrados para ser reserva de Sauber e Caterham. Sem patrocínio para arrumar uma vaga de titular, ele praticamente não correu nas duas últimas temporadas e já declarou que considera o DTM uma opção válida.

O fato curioso é que até o ano passado o holandês tinha Werner Heinz como empresário. O alemão sempre teve trânsito livre no paddock do DTM por ter trabalhado com Bernd Schneider por muitos anos. Desde o início de 2014, porém, Frijns começou uma parceria com Timo Gans com o objetivo de chegar à F1, mas o máximo que conseguiu foi ser reserva da Caterham. Agora, com Gans, ele parece estar disposto a seguir no turismo germânico.

A Mercedes tem ao menos uma vaga aberta, na ART, para 2015
A Mercedes tem ao menos uma vaga aberta, na ART, para 2015

A Audi, por sua vez, contou com os titulares Mattias Ekström, Nico Müller e Miguel Molina, na tentativa de manter a boa fase do final da última temporada. Isso porque, embora a BMW tenha triunfado entre os pilotos, foi a fábrica de Ingolstadt que ficou com a taça das montadoras.

Entre os estreantes em busca de alguma vaga para o ano que vem, o destaque foi Laurens Vanthoor, já há alguns anos o grande piloto da Audi nos carros GT. Além dele, vale ressaltar Dean Stoneman. Os demais nomes foram Alex Palou, Marco Mapelli, Antonio Giovinazzi e Nicki Thiim.

A má notícia para os estreantes é que aparentemente, se não perder algum competidor para outra fabricante, não há uma vaga na Audi para o ano que vem. É que Müller e Molina tiveram os piores desempenhos da empresa em 2014 e foram escalados para participar do teste. Se não estivessem nos planos, certamente não teriam viajado à Espanha.

A última montadora presente em Jerez foi a Mercedes. No entanto, ao contrário das adversárias, ela não divulgou quem participou dos ensaios. Na pior das hipóteses, a fabricante de Stuttgart terá uma vaga para 2015, pois já anunciou que passará a inscrever oito carros na próxima temporada – um a mais que neste ano – devido à parceria com ART.

E quando você não revela quem está testando é porque pode haver algum segredo bem grande sendo guardado…

P.S.: Como era um teste público, cedo ou tarde os pilotos da Mercedes acabariam relevados. As novas caras foram Esteban Ocon, Felix Rosenqvist e Lucar Auer (como prêmio pelo desempenho do trio na F3 Euro), Maximilian Götz e Charles Pic. Quer dizer, Pic é francês, a ART é francesa, a Mercedes sempre trabalhou com ex-F1 no DTM. Essas coias às vezes fazem sentido.

Oficialmente, apenas Gary Paffett tem contrato confirmado para o ano que vem com a fabricante, embora Pascal Wehrlein já disse que segue no DTM. Já para os principais nomes da montadora, como Paul Di Resta e Christian Vietoris, a renovação deve acabar sendo uma mera formalidade.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s