Nem tão jejum assim

Barrichello conquistou o título da Stock Car - foto de fernanda freixosa - vicar
Barrichello conquistou o título da Stock Car – foto de fernanda freixosa – vicar

Rubens Barrichello não demorou a mostrar a que veio na Stock Car. Tendo estreado na categoria no fim de 2012, o ex-piloto de F1 precisou de apenas duas temporadas completas para garantir a taça de campeão.

Por isso, talvez a estatística mais repetida nos últimos dias é que o brasileiro encerrou um jejum de 23 anos sem conquistas, uma vez que ele não era campeão de nada desde a F3 Inglesa, no já distante ano de 1991. E isso é verdade se levarmos em conta apenas campeonatos individuais e do primeiro escalão.

Mas dizer que Barrichello ficou mais de duas décadas sem conquistar nada também é forçar um pouco a barra. É atribuir um aspecto de derrotas que ele não tem. Aliás, o próprio piloto mostrou que não concordava com essa estatística em uma das diversas entrevistas que concedeu ao longo do fim de semana decisivo em Curitiba.

Rubens lembrou que foi campeão das 500 Milhas de Kart diversas vezes desde então. Competindo ao lado do amigo Tony Kanaan e de vários outros pilotos de destaque no automobilismo brasileiro e mundial, o novo ganhador da Stock Car triunfou nove vezes nos karts, em 1998, 2000, 2001, 2002, 2004, 2005, 2007, 2008 e 2013.

Nesse tempo, ele também chegou na frente no Desafio das Estrelas de Felipe Massa, em 2008, num ano em que negociava com a Honda – e depois com a Brawn – a permanência na F1. De forma bem humorada, o brasileiro até tentou usar as duas conquistas nos carrinhos como argumento para a montadora japonesa mantê-lo.

Como a história conta, o piloto não só seguiu na principal categoria do automobilismo mundial no ano seguinte pela Brawn, mas também obteve duas vitórias e lutou pelo título até as etapas finais. Se ele fechou em terceiro entre os pilotos, ganhou o Mundial de Construtores pela sexta vez na carreira. As outras cinco, claro, foram pela Ferrari.

Alguém até pode argumentar que, para um piloto, o título de Construtores não tem o mesmo peso. É verdade, mas vamos lembrar a situação da Ferrari na década passada. Era um time montado para que um competidor – Michael Schumacher – fosse campeão, enquanto o outro – Barrichello – deveria marcar o maior número de pontos possíveis para garantir a conquista entre as equipes. E o brasileiro fez exatamente o que lhe foi pedido. Então por que não comemorar o título da equipe, se ele era parte dela nesse período?

Por fim, o piloto ainda conquistou uma taça mais obscura em 1993, em um torneio chamado F1 Indoor Trophy. Esse evento durou de 1988 a 1996 e acontecia no autódromo de Bolonha, após a temporada, com um regulamento parecido com o da Corrida dos Campeões. O brasileiro o venceu quando corria pela Jordan ao derrotar Pierluigi Martini, da Minardi. A outra equipe participante era a frágil Scuderia Italia.

Você pode clicar aqui para ver os resultados completos da Stock Car em Curitiba, assim como das demais principais categorias do automobilismo mundial neste fim de semana.

Anúncios

2 comentários sobre “Nem tão jejum assim

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s