Maro Engel levou a Mercedes ao degrau mais alto do pódio em Macau
Maro Engel levou a Mercedes ao degrau mais alto do pódio em Macau

Maro Engel tinha negócios inacabados com Macau. Piloto da Mercedes e com passagem pelo DTM e pela V8 Supercars, o alemão havia liderado a corrida de carros GT do ano passado, no Circuito da Guia, de forma dominante até sofrer um problema mecânico e ser obrigado a abandonar. Pior para a montadora de Stuttgart, que ainda viu a rival Audi ficar com a taça em nova vitória de Edoardo Mortara, a sexta do italiano desde 2009.

Em 2014, o drama parecia ainda maior. Dessa vez, Mortara era quem tinha o carro mais rápido do grid e, assim, conquistando a pole-position para a prova. O segredo da Audi era um acerto com mais downforce, melhor para o setor da montanha. Nas retas, as Mercedes levariam a melhor, mas a ideia era que o carro das quatro argolas fosse capaz de abrir uma diferença suficiente para evitar os ataques dos rivais.

Ou seja, a pior coisa que poderia acontecer para Mortara e a Audi era ser ultrapassado logo na primeira volta. Se isso acontecesse, dificilmente teria condições de retomar a posição, uma vez que a máquina não teria velocidade suficiente nas retas, e na parte montanhosa não há pontos de ultrapassagem.

Sabendo disso, assim que as luzes verdes foram apagadas, o piloto italiano fez de tudo para manter a ponta. Ao perceber que Earl Bamber, da Porsche, havia tracionado melhor, Edo bloqueou o avanço do neozelandês enquanto rumava para a primeira curva. O único problema é que ele se esqueceu das Mercedes.

Enquanto o italiano fechava a porta do atual campeão da Porsche Supercup, Maro Engel e o companheiro de equipe Renger van der Zande aproveitaram o espaço aberto para pular na frente. A partir daí, a corrida se tornou uma verdadeira disputa entre gato e rato. Os dois carros prateados abriam na reta, mas viam Mortara se aproximar perigosamente no setor mais sinuoso, embora não fosse capaz de tentar uma manobra.

A largada acabou decidindo a corrida
A largada acabou decidindo a corrida

Assim, para que o italiano do DTM mantivesse a sequência de vitórias, ele precisava contar com a sorte. Ou Engel voltaria a enfrentar o pesadelo de uma quebra enquanto estivesse na frente, ou os carros mais lentos do GT asiático – que competem em um regulamento um pouco diferente do GT3 – poderiam atrapalhar o líder o suficiente para lhe tirar velocidade e permitir uma ultrapassagem.

A edição de 2013 da prova, aliás, foi decidida justamente assim. Mortara estava em segundo, mas ainda precisava superar o Porsche de Alexandre Imperatori. O suíço fez de tudo para manter a ponta, mas perdeu momentum ao tentar ultrapassar um retardatário justamente no início das retas e viu o italiano assumir a liderança antes de abrir a última volta.

Dessa vez, Engel realmente teve muitos adversários mais lentos pelo caminho. É verdade que a diferença dele para Van der Zande e para Mortara chegou a cair pele metade, mas nada que o impedisse de receber a bandeira quadriculada e, enfim, acabar com o reinado do italiano no Circuito da Guia.

A quarta colocação ficou com o Audi Laurens Vanthoor, parceiro de Cesar Ramos nas corridas da Blancpain. O brasileiro Augusto Farfus conseguiu levar a BMW à quinta posição após ultrapassar Bamber, mas não sendo capaz de manter o mesmo ritmo dos líderes.

Além da vitória de Engel, o outro destaque da corrida de Macau foi a presença maciça de pilotos reconhecidos mundialmente. Mesmo em um fim de semana com conflito de agenda com o WEC, a prova também teve nomes como o atual campeão do DTM, Marco Wittmann, e Jean-Karl Vernay pilotando um Bentley.

A expectativa da organização da prova é que ano que vem todos os carros estejam dentro do regulamento GT3, aproximando um pouco mais os pilotos do campeonato asiático do resto do grid e também atraindo ainda mais nomes internacionais. Ou seja, vai estar cada vez mais difícil para Mortara tentar recuperar a coroa.

Você pode clicar aqui para conferir os resultados completos de Macau no fim de semana, assim como das principais categorias do automobilismo mundial.