O curto reinado de Felipe

Felipe Nasr conquistou a primeira vitória da GP2 em uma corrida longa no sábado
Felipe Nasr conquistou a primeira vitória da GP2 em uma corrida longa no sábado

Quando Juan Carlos renunciou ao trono da Espanha e abriu caminho para Felipe VI, na semana passada, não foi apenas o país ibérico que teve um novo governante. Não muito longe dali, a Áustria também se tornou uma terra de Felipes, graças ao desempenho dos pilotos com esse nome no sábado, dia 21.

No entanto, ao contrário da Espanha, as terras austríacas passaram a ser dominadas por um triunvirato. Tudo começou quando Felipe Massa desbancou os carros da Mercedes e conquistou a primeira pole-position na F1 desde o ano de 2008.

Em um treino marcado pelos contratampos enfrentados por Nico Rosberg e principalmente por Lewis Hamilton, o brasileiro fez valer o bom desempenho da Williams em circuitos com grandes retas e curvas de baixa para estar no lugar certo e na hora certa para garantir a primeira posição no grid.

Depois de Massa, foi a vez de Felipe Nasr brilhar. O reserva da Williams largou para a corrida principal da GP2 na terceira colocação, mas assumiu a liderança antes mesmo da primeira curva. Aí veio o momento chave da prova. Mesmo com o pneu mais duro, o piloto da Carlin conseguiu fazer uma sequência de melhores voltas e se distanciar enquanto os demais competidores tentavam achar um meio de passar por Johnny Cecotto Jr.

A partir daí, Nasr precisou fazer uma corrida sem erros e acelerar o suficiente para garantir que voltaria dos boxes à frente de quem já havia feito a troca de pneus. E foi exatamente isso o que aconteceu. É verdade que o brasileiro ainda sofreu certa pressão de Stoffel Vandoorne ao voltar à pista, mas como estava com o composto mais macio, mesmo que perdesse a posição, ainda haveria tento suficiente para brigar com o belga.

Como Nasr não teve problemas para se manter na frente, uma vez que a borracha aqueceu, ele disparou e terminou a prova com uma vantagem de 4s.

Felipe Massa voltou a puxar a fila da F1
Felipe Massa voltou a puxar a fila da F1

Só que o desempenho dos dois brasileiros da Williams não é mais exatamente uma novidade. Isso foi amplamente noticiado. O problema é que o terceiro integrante do triunvirato acabou esquecido. Ainda no sábado, além da F1 e da GP2, o Red Bull Ring recebeu o treino classificatório da Porsche Supercup. E adivinha quem largou na frente? Felipe, digo, Philipp Eng.

O piloto da casa marcou 1min32s869 e garantiu a posição de honra ao superar o alemão Christian Engelhart por apenas 0s029.

A tríade, porém, não teve muito tempo para celebrar. Enquanto Felipe VI ainda terá algum tempo para tentar resolver os problemas da Espanha, o domínio dos três pilotos durou apenas um dia.

Neste domingo, a situação mudou. A começar por Nasr. O brasiliense, que sempre larga bem, acabou encaixotado no começo da corrida curta e acabou tocando em outro carro, danificando a asa dianteira do equipamento da Carlin. Como ele recebeu a bandeira preta, precisou ir aos boxes, sendo o único a abandonar a prova.

Mais tarde, Massa até que teve bons momentos. O brasileiro voltou a liderar uma corrida de F1 em 2014 ao ficar as primeiras 15 voltas na frente. Entretanto, uma falha da Williams no pit-stop e a própria dificuldade de se adaptar aos diferentes comportamentos do carro ao longo de uma corrida fizeram com que o veterano caísse para a quarta colocação.

É verdade que esse foi o melhor resultado deste Felipe em 2014. Só que ficou um sabor amargo, já que – mesmo com a vitória não sendo possível – o piloto fechou a corrida atrás do companheiro, Valtteri Bottas, o terceiro no pódio.

Philipp Eng acreditou estar vivendo o melhor momento da carreira...
Philipp Eng acreditou estar vivendo o melhor momento da carreira…

Para terminar a tristeza felipística, nem Eng se salvou. Ao largar na pole, o austríaco disse que ia para a corrida da vida, e essa pressão não o incomodou. O ex-piloto da F2 tracionou bem e manteve a liderança com uma boa vantagem para o segundo colocado. Mas a partir daí as coisas pararam de dar certo.

No terceiro giro, porém, o Porsche acusou um problema na pressão da água, obrigando Eng a estacionar e deixar a disputa, para a tristeza da torcida austríaca. Melhor para Kuba Giermaziak, que conquistou o segundo triunfo seguido e é o novo líder do campeonato.

No fim, apenas lamento não ter estado na Áustria neste sábado. Vai saber se essa magia dos nomes pudesse me afetar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s