Ponto final para Berger?

A passagem de Gerhard Berger pela FIA pode estar chegando ao fim
A passagem de Gerhard Berger pela FIA pode estar chegando ao fim

Os dias de Gerhard Berger na FIA podem estar contados. Ocupando o posto de responsável da entidade internacional pelas categorias de base, o austríaco deu uma entrevista à edição desta semana da revista ‘Autosport’ e afirmou que planeja deixar o cargo para poder se concentrar nos negócios que tem na Áustria.

O ex-companheiro de Ayrton Senna na McLaren disse que planejava ficar apenas um ano na função – ele assumiu em 2012 –, mas acabou permanecendo por mais tempo ao perceber que o trabalho era maior do que o imaginado.

Nesse período, o dirigente conseguiu reconstruir a F3 Europeia, cujo grid aumentou de 12 carros de forma integral, há dois anos, para uma média de 26 nas primeiras etapas de 2014. Esse fortalecimento da categoria freou a expansão da GP3 e conseguiu manter a modalidade viva e relevante.

O preço desse sucesso, porém, foi o enfraquecimento dos campeonatos nacionais. A F3 Inglesa praticamente acabou – apenas sete carros disputaram a primeira etapa –, enquanto a F3 Alemã teve somente dez participantes na rodada de abertura. Quem viveu um momento ainda pior foi a F3 Italiana, que definitivamente fechou as portas.

Dá para dizer que Berger foi quem manteve a F3 viva
Dá para dizer que Berger foi quem manteve a F3 viva

Com a F3 estabilizada, desde o ano passado Berger tem se dedicado ao primeiro passo dos pilotos após deixarem o kart. Para isso, ele criou a F4. Ao contrário da F3 Europeia, a ideia é que o campeonato menor fosse disputado apenas dentro dos países, sem um grande torneio continental.

Até agora, apenas a F4 Italiana seguiu as determinações da FIA. A F4 Francesa e Inglesa já existiam antes da criação de Berger e trabalham com um pacote de regras diferentes. A Sudamericana, por sua vez, surgiu neste ano e também conta com equipamentos e regras alternativos.

Mas, para o ano que vem, a situação deve melhorar. A Austrália deve lançar uma F4 conforme as regras da FIA, assim como o Japão. A Alemanha também pode ter a própria categoria, que substituirá a Adac Masters.

O problema é que a criação desses campeonatos não resolveu o excesso de categorias da base. Pelo contrário. Berger encontrou um mercado dominado pela Renault e não conseguiu fazer frente à montadora francesa. Talvez por isso as F4 estejam surgindo apenas em mercados periféricos ou em países que conseguem absorver um campeonato.

Enquanto isso, as F-Renault permanecem praticamente intocáveis. Para isso, basta ver o que acontece na Itália. É verdade que a F4 Italiana promete um grid de pelo menos 20 carros, contando com nomes como Leonardo Pulcini, Robert Schwartzman e Lance Stroll, que tiveram sucesso na divisão KFJ do kartismo internacional. No entanto, a F-Renault Alps, que compete no mesmo mercado, conseguiu atrair gente como Charles Leclerc, Matevos Isaakyan, Martin Kodric e George Russell, kartistas da principal divisão da modalidade.

A F4 estreia neste ano
A F4 estreia neste ano

O outro fracasso de Berger foi na criação de incentivos para que os jovens pilotos pudessem seguir carreira. Nos Estados Unidos, por exemplo, o campeão de uma categoria do Road to Indy recebe uma bolsa para correr na próxima, enquanto o vencedor da Indy Lights garante boa parte da grana de uma temporada da Indy. Na Europa, a situação não é tão diferente. A Renault premia o campeão da F-Renault Eurocup com uma temporada na World Series e a Pirelli ajuda o primeiro colocado da GP3 a correr na GP2 no ano seguinte, embora o dinheiro oferecido pela fabricante seja menor que o budget necessário.

Nas categorias da FIA, não há nada desse tipo. Seguindo certa lógica, o campeão das diversas F4 deveria conseguir disputar a F3 Europeia no ano seguinte, mas nada disso foi anunciado até agora. Na verdade, é mais capaz que eles acabem virando a casaca e indo correr em alguma categoria da Renault.

O vencedor da F3 também não tem qualquer tipo de ajuda. É verdade que ele recebe treinos no DTM e com o carro de F1 da Ferrari, mas na hora de definir onde correr, o piloto está sozinho e depende apenas dos próprios patrocinadores.

Isso sem falar na expansão dos programas de desenvolvimento das equipes da F1 e de grandes patrocinadores – com o banco SMP ou a organização Racing Steps Foundation –, o que tornou as vagas nas principais equipes ainda mais raras para os pilotos independentes.

Por tudo isso, evidentemente o trabalho feito por Berger está ameaçado. O austríaco afirmou que ainda não encontrou um sucessor ideal na FIA, pois não quer alguém que pense diferente e acabe com o que fez – para o bem e para o mal – nos últimos anos.

Atualizado em 21/10: Escrevi sobre os planos da FIA para a F4 no ano que vem, o que não deixa de ser outro acerto de Berger: “a partir de agora, um garoto que quiser começar a carreira na Austrália, no Japão ou na China sabe que terá à disposição o mesmo equipamento que está sendo usado em grandes centros”. Você pode clicar aqui para relembrar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s