O que significa a primeira vitória de Felipe Nasr na GP2?

Felipe Nasr enfim venceu na GP2
Felipe Nasr enfim venceu na GP2

Você lembra o que estava fazendo no dia 17 de julho de 2011? É, já faz algum tempo. Nessa data, há 1029 dias, o hino nacional brasileiro tocava no circuito de Paul Ricard, na França, após a sétima vitória de Felipe Nasr na temporada da F3 Inglesa.

Para terminar na frente naquele domingo, o brasileiro precisou contar com a sorte. Ele ocupava a terceira colocação da corrida quando, na última curva, António Félix da Costa jogou Kevin Magnussen para fora da pista na briga pela liderança. Nasr se aproveitou do incidente e assumiu a ponta pouco antes de receber a bandeirada.

Desde aquele dia, o brasileiro voltou ao pódio em mais cinco oportunidades e garantiu o título da F3. Ainda foram mais dois anos de GP2 – tendo lutado pela taça do ano passado –, além da experiência como reserva da Williams. Mas nada de voltar a vencer.

Tudo mudou neste fim de semana em Barcelona. Largando na sexta colocação na corrida curta, Nasr novamente teve uma ótima largada – um dos pontos fortes do piloto apesar do problema no Bahrein – e pulou para o segundo lugar. Daí foi questão de tempo para alcançar Tom Dillmann, que sofria para aquecer os pneus no asfalto úmido, e superá-lo no segundo giro.

Uma vez na frente, somente uma catástrofe poderia tirar a vitória do brasileiro. É verdade que Jolyon Palmer – o novo segundo colocado – chegou a diminuir a diferença para menos de 1s, mas o britânico precisou gastar demais os pneus para isso e viu Nasr disparar nas voltas finais, fechando a prova com uma vantagem de 7s6.

Essa foi a 50ª corrida do piloto na GP2
Essa foi a 50ª corrida do piloto na GP2

O brasileiro, aliás, já tinha antecipado como seria a prova deste domingo após o pódio conquistado no sábado. Na entrevista coletiva dos três primeiros colocados, Felipe havia dito que não teve dificuldades para cuidar dos pneus em Barcelona e poderia ter brigado por um resultado melhor se não fosse a intervenção do safety-car.

Como a segunda corrida não teve o carro de segurança nem a troca de pneus, Nasr só precisou tomar conta da borracha antes de estilingar rumo à linha de chegada.

E para a F1, esses dois aspectos – largar bem e poupar os compostos – valem mais que a vitória em si. É óbvio que é importante chegar na frente, mas estamos falando de um resultado conquistado na corrida curta do fim de semana, que conta com o grid invertido. Tem peso mais importante para a televisão e para os patrocinadores que esportivo.

Tanto é que nos últimos anos nomes como Nathanaël Berthon, Josef Král, Dani Clos e Giacomo Ricci também triunfaram em corridas curtas, mas jamais chamaram atenção de qualquer equipe da F1.

Já para o próprio Nasr, a vitória é importante por outro motivo. Além de ter dominado fundamentos básicos de uma corrida – algo que ele já vinha fazendo desde o ano passado –, o brasileiro finalmente encerrou o jejum de conquistas. Demorou 50 corridas na GP2, é verdade, mas agora o brasileiro não está mais pressionado para terminar em primeiro. Ele pode voltar a se concentrar em paz no ritmo conservador e constante que vem imprimindo e trabalhar para continuar somando bons resultados graças a essa tática.

Você pode clicar aqui para ver os resultados da GP2 e das principais categorias neste fim de semana.

2 comentários sobre “O que significa a primeira vitória de Felipe Nasr na GP2?

  1. Vitória bem meia boca.

    Muito importante para tirar o peso das costas do Nasr,mas sem brilho por ser em uma sprint race e contra um grid bem fraquinho.

    Se bem que a GP2 tem esse “atalho” para ser acumular pontos.

    Marcar o máximo de pontos possíveis na feature e se aproveitar do grid invertido para vencer a sprint.

    Se fizer isso certinho,o Nasr ganha esse campeonato fácil.

    Afinal,brigar contra Palmer e Leal não é difícil.

    Caso não consiga,esquece tudo e vai trabalhar no Banco do Brasil…

    Curtir

  2. Felipe, parabéns pela análise.

    Gostaria de sugerir a avaliação das etapas da F-Renault e F-3 Euro, não esquecendo do desempenho dos brasileiros em cada categoria.

    Aliás, sei que foge do perfil de seu blog, mas não custa nada sugerir.

    Que tal realizar uma série especial com entrevistas com os brasileiros nas categorias de base pelo mundo afora: perspectivas; o que estão achando da respectiva categoria; desempenho da equipe; próximos passos; “briga” com o companheiro de equipe; patrocínio, ….

    Parabéns pelo blog. Assim comò você, compartilho do fanatismo pelas categorias de base e respectivos pilotos.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s